Estado e sociedade civil na teoria política: alguns paradigmas, muitas trajetórias

Autores

  • Raquel Kritsch Universidade Estadual de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7984.2014v13n28p225

Palavras-chave:

Sociedade civil, Estado, teoria política, Movimentos sociais, Cidadania, Teoria social

Resumo

O objetivo primeiro deste artigo é discutir algumas das inúmeras definições elaboradas por pensadores políticos modernos para a noção de sociedade civil e sua particular ligação – de contiguidade ou de oposição – com a ideia de Estado. Tal reconstrução parece relevante para que possamos refletir com certo rigor analítico sobre os muitos usos de sociedade civil, ideia tão cara ao pensamento político e social, tornada hoje quase uma “entidade regulatória”, em nome da qual os mais variados tipos de agentes sociais pretendem falar e cuja vontade supõem ser capazes de interpretar, como bem ilustram os levantes populares recentes ocorridos em várias partes do mundo, inclusive, no Brasil. Para tanto, são apresentados e discutidos alguns dos modelos interpretativos mais conhecidos nas ciências sociais – Hegel, Marx, Gramsci e Habermas e Cohen e Arato – acerca do papel da sociedade civil e sua relação com o âmbito estatal. O intuito é contribuir para o enriquecimento das possibilidades analíticas relacionadas à investigação sobre a agência de atores e movimentos sociais inseridos em coletivos complexamente organizados. Destina-se, assim, principalmente, a servir de orientação teórico-metodológica para alunos de graduação que pretendem pesquisar movimentos sociais em sociedades Contemporâneas.

 

Biografia do Autor

Raquel Kritsch, Universidade Estadual de Londrina

Doutora pela Universidade de São Paulo (2000), professora no Departamento de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Londrina (UEL) e coordenadora do Grupo Estudos em Teoria Política (GETEPOL).

Referências

ARATO, A. Ascensão, declínio e reconstrução do conceito de sociedade civil: orientações para novas pesquisas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, ANPOCS, n. 27, 1995. Disponível em:<http://www.anpocs.org.br/portal/publicacoes/rbcs_00_27/rbcs27_02.htm>.

ARENDT, H. [1958]. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1981.

ARISTOTLE. The politics and The constitution of Athens. Editado por Stephen Everson. Cambridge: CUP, 1996.

AVRITZER, L. Teoria democrática e deliberação pública. Lua Nova, Revista de Cultura e Política, São Paulo, n. 50, p. 25-46, 2000.

BENHABIB, S. The rights of the others. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

BIANCHI MENDEZ, Á. G. O laboratório de Gramsci. São Paulo: Alameda, 2008.

BOBBIO, N. Ensaios sobre Gramsci e o conceito de sociedade civil. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

______. Estado, governo e sociedade: para uma teoria geral da política. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

BOCHMAN, J.; REGH, W. (Ed.). Deliberative democracy: essays on reason and politics. Cambridge: Massachusetts Institute of Technology Press, 1997.

BOVERO, M. O modelo hegelo-marxiano. In: BOBBIO, N.; BOVERO, M. (Org.). Sociedade e Estado na filosofia política moderna. São Paulo: Brasiliense, 1986.

COHEN, J. L.; ARATO, A. [1992]. Civil society and political theory. Massachusetts: The MIT Press, 1999.

COHEN, J. Deliberation and democratic legitimacy. In: Bohman, J.; Rehg, W. (Ed.) Deliberative democracy: essays on reason and politics. Cambridge: Massachusetts Institute of Technology Press, 1997.

COSTA, S. Categoria analítica ou Passe-Partout político-normativo: notas bibliográficas sobre o conceito de sociedade civil. BIB, Rio de Janeiro, n. 43, p. 3-25, 1997.

DRYZEK, J. Deliberative democracy and beyond: liberals, critics, contestations. Oxford: Oxford University Press, 2000.

FISHKIN, J. When the people speak: deliberative democracy and public consultation. Oxford: Oxford University Press, 2009.

GRAMSCI, A. [1929-1935]. Cadernos do cárcere. “Introdução ao estudo da filosofia: a filosofia de Benedetto Croce” e “Os intelectuais: o princípio educativo: jornalismo”. Edição de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. v. 1 (2001a), v. 2 (2001b).

______. [1929-1935]. Cadernos do cárcere. “Maquiavel: notas sobre o Estado e a política” e “O Risorgimento: notas sobre a história da Itália”. Edição de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. v. 3 (2002), v. 5 (2002b).

______. Concepção dialética da história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1989.

HABERMAS, J. [1981]. Theorie des kommunikativen Handelns. Frankfurt: Suhrkamp, 1988. v. 1-2.

______. Faktizität und Geltung. Beiträge zur Diskurstheorie des Rechts und des demokratischen Rechtsstaats. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1992.

______. [1992]. Direito e democracia: entre facticidade e validade. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1997. v. 1-2.

______. [2005]. Entre naturalismo e religião: estudos filosóficos. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2007.

______. [1981]. Teoria do agir comunicativo. Tradução Paulo Astor Soethe e Flávio Beno Siebeneichler. São Paulo: Martins Fontes, 2012. v. 1-2.

HARVEY, D. Rebel cities. London: Verso, 2012.

HELD, D. Democracy and globalization. In: HELD, D.; ARCHIBUGGI. D.; KÖHLER, M. (Ed.). Re-imagining political community. Cambridge: Polity Press, 1998. p. 11-27.

HEGEL, G. W. F. [1821]. Princípios da filosofia do direito. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

HOBBES, T. Leviathan. Edited by C. B. MacPherson. Harmondsworth: Penguin Books, 1988.

KALDOR, M. Global civil society: an answer to war. Cambridge: Polity Press, 2003.

KRITSCH, R. Publicidade e esfera pública nos escritos políticos de Habermas dos anos 1960: do princípio ao espaço social. Revista Urutágua, Maringá, n. 24, p. 147-158, maio/ago. 2011. Disponível em: <http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/Urutagua/article/

view/12771/7172>. Acesso em: 18 abr. 2012.

______. Esfera pública e sociedade civil na teoria política Habermasiana: considerações históricoconceituais introdutórias. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, DF, n. 3, p. 317-342, 2010a.

______. Entre o analítico e o prescritivo: disputas em torno dos direitos humanos. Revista Mediações, Londrina, UEL, v. 15, n. 1, p. 30-53, 2010b.

______. Soberania: a construção de um conceito. São Paulo: Humanitas, 2002.

LÜCHMANN, L. H. H. Redesenhando as relações sociedade e Estado: o tripé da democracia deliberativa. Revista Katálysis, Florianópolis, UFSC, v. 6, n. 2, p. 165-178, 2003.

MARX, K. [1851 e 1859]. Para a crítica da economia política e O 18 brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: Ed. Abril, 1974. (Coleção Os Pensadores).

______. [1845]. A ideologia alemã. São Paulo: Hucitec, 1986.

MARX, K.; ENGELS, F. [1848]. Manifesto do partido comunista. Petrópolis: Vozes. 2000

MOUFFE, C. (Org.). Gramsci and marxist theory. Londres: Routledge. 1979.

SASSOON, A. S. Gramsci’s politics. Londres: Biddles, 1980.

WERLE, D.; MELO, R. S. (Org.). Democracia deliberativa. São Paulo: Esfera Pública, 2007.

ŽIŽEK, S. Problemas no paraíso. In: ŽIŽEK, S. et al. (Ed.). Cidades rebeldes: passe livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo, 2013.

Downloads

Publicado

2014-12-31

Edição

Seção

Artigos