Capital Social e Políticas Públicas no Brasil: comparando duas cidades na Região Metropolitana de Porto Alegre

Everton Rodrigo Santos, Daniela Muller de Quevedo

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar as razões que determinam a avaliação satisfatória das políticas públicas, no estado do Rio Grande do Sul em duas cidades da região metropolitana de Porto Alegre, Novo Hamburgo e São Leopoldo. Para tanto, a partir da revisão da bibliografia especializada, construímos um quadro teórico sinérgico que leva em consideração tanto as implicações institucionais formais em si (neoinstitucionalismo), bem como os padrões valorativos locais (a cultura política). Nossa hipótese de trabalho é que o capital social, próprio da cultura política local existente nas cidades em tela, constitui-se num aliado às instituições políticas, pois ele favorece positivamente a avaliação do desempenho das políticas públicas municipais. A metodologia utiliza os resultados de duas pesquisas quantitativas, tipo surveys domiciliares, aplicadas em Novo Hamburgo e em São Leopoldo, com amostras probabilísticas totalizando cerca de 1200 questionários, com erro amostral de 4% e confiança de 95%, entre os meses de janeiro e abril de 2012 e junho e julho de 2013 pelo Centro de Pesquisa e Planejamento da Universidade Feevale (CPP/Feevale), bem como pesquisa documental aos sites das referidas prefeituras, do IBGE, do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul (TCE) e da Fundação de Economia e Estatística do Rio Grande do Sul (FEE).


Palavras-chave


Capital social; Instituições; Cultura política

Texto completo:

PDF

Referências


ANUÁRIO da indústria e comércio Novo Hamburgo: os patriarcas. Novo Hamburgo: Kadosch, Edição 2001/2002.

BANDEIRA, P. S. Algumas hipóteses sobre as causas das diferenças regionais quanto ao capital social no Rio Grande do Sul. In: CORREA, S. M. de S. Capital social e desenvolvimento regional. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2003. p. 15-59.

BAQUERO, M. Democracia e desigualdades na América Latina: novas perspectivas. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2007.

______. Qual democracia para América Latina? Capital social e empoderamento são a resposta? Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2013.

BASTOS, F. A.; SANTOS, E.; TOVO, M. F. Capital social e sistema único de saúde (SUS) no Brasil. Saúde e Sociedade, v. 18, n. 2, p. 177-188, 2009.

BOSCHI, R. R. Descentralização, clientelismo e capital social na governança urbana: comparando Belo Horizonte e Salvador. Dados: Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 42, n. 4, 1999,

p. 655-690.

FERNANDES, A. A. O capital social e a análise institucional e de políticas públicas. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 36, n. 3, p. 375-398, 2002.

FUKUYAMA, F. Confiança: as virtudes sociais e a criação da prosperidade. Rio de Janeiro: Rocco, 1996.

______. The primacy of culture. In: LARRY, D.; PLATTNER, M. F. (Org.). The Global Resurgence of Democracy. Second Edition. Baltimore and London: The Johns Hopkins University Press, 1996.

HALL, P. A.; TAYLOR, R. C. R. As três versões do neo-institucionalismo. Lua Nova, n.58, p. 193-224, 2003.

MONASTERIO, L. M. Medindo o capital social: uma análise das regiões do Rio Grande do Sul. In: CORREA, S. M. de S. Capital social e desenvolvimento regional. Santa Cruz do Sul: Ed. Edunisc, 2003. p. 61-84.

NORTH, D. C. Instituciones, cambio institucional y desempeño económico. México: Fondo de Cultura Económica, 2001.

NUNES, M. F. O negro no mundo alemão: cidade, memória e ações afirmativas no tempo da globalização. 2009. 255 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social)−Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

PASE, H. L.; SANTOS, E. R. Capital social e políticas públicas na América Latina. In: BAQUERO, M. (Org.). Cultura(s) política(s) e democracia no século XXI na América Latina. Porto Alegre:

UFRGS, 2011. v. 1, p. 69-93.

PRZEWORSKI, A. As instituições são a causa primordial do desenvolvimento econômico? Novos Estudos Cebrap, n. 72, p. 59-77, jul. 2005.

PUTNAM, R. Comunidade e democracia: a experiência da Itália Moderna. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2000.

______. Bowling alone: America’s declining social capital. In: LARRY, D.; PLATTNER, M. F. (Org.). The Global Resurgence of Democracy. Second Edition. Baltimore and London: The Johns Hopkins University Press, 1996.

SANTOS, E. R., et al. Contrastes regionais que fazem diferença no Rio Grande do Sul: capital social e desempenho institucional. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 6, n. 2, p. 157-187, maio-ago. 2010.

SIEDENBERG, D. R. Condicionantes político-administrativos do desenvolvimento regional no Rio Grande do Sul: a experiência dos COREDES. In: WITTMANN, M. L.; RAMOS, M. P. Desenvolvimento regional: capital social, redes e planejamento. Santa Cruz do Sul: Ed. Edunisc, 2004. p. 135-158.

SOUZA, C. Políticas públicas: uma revisão de literatura. Sociologias, Porto Alegre, ano 8, n. 16, p. 20-45, jun. 2006.

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO. Disponível em: .

WEBER, M. Economia e sociedade. Brasília, DF: UnB, 1999. v. 2.

WEBER, R. Mosaico identitário: história, identidade e turismo nos municípios da Rota Romântica-RS. 2006. 310 f. Tese (Doutorado em História)−Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7984.2014v13n28p349

Direitos autorais 2014 Política & Sociedade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Visite nossa página no Facebook:

https://www.facebook.com/revistapoliticaesociedade/

Creative Commons License

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
Revista Política & Sociedade - ISSNe 2175-7984
Florianópolis - SC - Brasil

CNPq CAPES