Entre o procedimento formal e o conteúdo selvagem: imanência e democracia em Jürgen Habermas e Antonio Negri

Pedro Luiz Lima

Resumo


A partir de uma análise crítico-comparativa das teorias da democracia de Jürgen Habermas e Antonio Negri, o presente artigo busca esclarecer os fundamentos conceituais de ambas as obras, tomando como eixo a discussão sobre o modo pelo qual suas concepções de democracia se inscrevem, cada uma, em seu respectivo plano de imanência. Com a premissa de que a leitura cruzada desses dois autores favorece uma mais aguda compreensão dos componentes estruturantes, implicações normativas e limites de suas teorias, objetiva-se situá-las como alternativas distintas (deliberação/substância), e potencialmente complementares (entendido o consenso como forma e conteúdo), para se pensar a questão democrática contemporânea.

Palavras-chave


Teorias da democracia; Imanência; Soberania; Jürgen Habermas; Antonio Negri

Texto completo:

PDF/A

Referências


BORRADORI, G. Filosofia em tempo de terror. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

CHAUÍ, M. Política em Espinosa. São Paulo: Cia. Das Letras, 2003.

EISENBERG, J. A democracia depois do liberalismo. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

ESPINOSA. Tratado Político. São Paulo: Abril, 1973. (Coleção Os pensadores).

FOUCAULT, M. História da sexualidade (vol. 1): a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal,

______. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

______. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2000.

______. Ditos e escritos (vol. IV): Estratégia, poder-saber. Rio de Janeiro: Forense

Universitária, 2003.

HABERMAS, J. Communication and the evolution of society. Boston: Beacon Press, 1979.

______. Para a reconstrução do materialismo histórico. São Paulo: Brasiliense, 1983.

______. Pensamento Pós-Metafísico. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1990.

______. Between Facts and Norms. Cambridge: MIT, 1998.

______. The postnational constellation. Cambridge, MIT Press, 2001.

______. O discurso filosófico da modernidade. São Paulo: Martins fontes, 2002.

______. Diagnósticos do tempo: seis ensaios. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2005.

HARDT, M.; NEGRI, A. Império. Rio de Janeiro: Record, 2001.

______.; ______. Multitude. New York: Penguin Press, 2004.

HEGEL, G. W. F. Princípios da filosofia do direito. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

HELLER, A. Habermas and Marxism. In: HELD, D.; THOMPSON, J. B. Habermas,

Critical Debates. Cambridge, MIT Press, 1982. p. 21-41.

KANT, I. Filosofía de la historia. México D.F.: Fondo de Cultura Econômica, 1978.

KURZ, R. Les Habits Neufs de L’Empire. Clamecy: Lignes-Éditions Léo Scheer, 2003.

MARX, K. Crítica da Filosofia do direito de Hegel. São Paulo: Boitempo, 2005.

NEGRI, A. A anomalia selvagem. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993.

______. O Poder Constituinte. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

______. Cinco Lições sobre Império. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

SCHMITT, C. O conceito do político. Petrópolis: Vozes, 1992.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7984.2017v16n37p377

Direitos autorais 2018 Política & Sociedade

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Visite nossa página no Facebook:

https://www.facebook.com/revistapoliticaesociedade/

Creative Commons License

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
Revista Política & Sociedade - ISSNe 2175-7984
Florianópolis - SC - Brasil

CNPq CAPES