Da exclusão à inclusão consentida: negros e mulheres na diplomacia brasileira

Autores

  • Karla Gobo Escola Superior de Propaganda e Marketing Universidade Veiga de Almeida

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7984.2018v17n38p440

Palavras-chave:

Itamaraty, Diplomatas, Burocracia

Resumo

Inteligência, sofisticação, gosto apurado, domínio de várias línguas, conhecimentos estabelecidos de arte, cultura e o uso das regras de etiquetas. Esses aspectos, de forma naturalizada, compõem o habitus diplomático. A diplomacia brasileira por muito tempo se manteve fiel às normas e ao espaço que a consagravam e distinguiam do restante da sociedade brasileira, por isso até à redemocratização o Itamaraty era o espelho de sua elite, isso inclui a maioria expressiva de homens brancos. Somente a partir da segunda metade dos anos 1990 se adotam medidas mais efetivas com a preocupação de diversificar os quadros da carreira. Considerando a construção histórica do campo, do habitus diplomático e as medidas adotadas nas últimas décadas, pretende-se investigar as formas de exclusão e inclusão das minorias, sobretudo mulheres e negros. A investigação sobre esse espaço social é fundamental na medida em que a produção acerca desse campo e de seus agentes é bastante escassa. Para a análise foram empregados métodos quantitativos e qualitativos: survey, entrevistas, livros de memórias, biografias, consulta a banco de dados com a origem geográfica e formação escolar, anuários e editais de concurso.

Biografia do Autor

Karla Gobo, Escola Superior de Propaganda e Marketing Universidade Veiga de Almeida

Doutora em Sociologia pela UNICAMP, possui mestrado em Ciência Política (USP) e graduação em Ciências Sociais (UFPR). Atualmente é professora nos cursos de Publicidade e Propaganda na ESPM e Relações Internacionais na Universidade Veiga de Almeida. 

Referências

ALMEIDA, Paulo Roberto. Formação da Diplomacia Econômica no Brasil: As relações econômicas internacionais no Império. São Paulo: SENAC, 2005. 675

ALONSO, Angela. Perfis brasileiros: Joaquim Nabuco. São Paulo: Companhia das Letras. 2007.

AMARAL, Luis Gurgel.. O meu velho Itaramaty: de amanuense a secretario de legação: 1905-1913. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional. 1947. p. 21.

AZAMBUJA, Marcos. Casa bem-assombrada: O Itamaraty antes da sua ida para Goiás. In: Revista Piauí. Edição 54. Março de 2011.

BALBINO, Viviane Rios. Diplomata, substantivo comum de dois gêneros: um retrato da presença feminina no Itamaraty no início do século XXI. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão. 2011. 212 p.

BOURDIEU, Pierre. Campo de poder e Habitus de classe. In: A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva. 2007.

______. Sistemas de Ensino e Sistemas de Pensamento. In: A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva. 2007.

______. Reprodução Cultural e Reprodução social. In: A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva. 2007.

______. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 2006.

______. Espaço social e Espaço Simbólico. In: Razões Práticas. Campinas: Papirus. 2005. p. 13 – 33.

______. Espírito de Estado: Gênese e Estrutura do Campo Burocrático. In: Razões Práticas. Campinas: Papirus. 2005. p. 91-136.

______. A economia das trocas linguísticas. São Paulo: Edusp. 2008.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1951: Rio de Janeiro: 1951, 68 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1952: Rio de Janeiro: 1952, 179 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1953, 1954, 1955: Rio de Janeiro: 1955, 201 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1956, 1957: Rio de Janeiro: 1957, 148 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1958, 1959, 1960: Rio de Janeiro: 1960, 192 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1961, 1962, 1963: Rio de Janeiro: 1963, 244 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1964, 1965: Rio de Janeiro: 1965, 186 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1966, 1967: Rio de Janeiro: 1967, 278 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1968, 1969: Rio de Janeiro: 1969, 262 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1970: Brasília - DF: 1970, 209 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1971: Brasília - DF: 1971, 204 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1972: Brasília - DF: 1972, 187 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1973: Brasília - DF: 1974, 175 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1974: Brasília - DF: 1974, 159 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1975: Brasília - DF: 1975, 207 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1976: Brasília - DF: 1976, 184 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1977: Brasília - DF: 1977, 248 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1978, 1979, 1980: Brasília - DF: 1980, 257 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1981: Brasília - DF: 1981, 116 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1982: Brasília - DF: 1982, 131 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1983: Brasília - DF: 1983, 125 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1984: Brasília - DF: 1984, 153 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1985: Brasília - DF: 1985,160 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1986: Brasília - DF: 1986, 182 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1987: Brasília - DF: 1987, 259 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1988: Brasília - DF: 1988, 432 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 1989, 1990: Brasília - DF: 1990, 325 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 2013: Brasília - DF: 2014, 324 p.

BRASIL. Anuário do Instituto Rio Branco. 2014: Brasília - DF: 2015, 334 p.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Edital. Brasília, 2015.

CARVALHO, José Murilo. Os bestializados. São Paulo: Companhia das Letras. 2012. 196 p.

CHEIBUB, Zairo Borges. Diplomacia e Construção Institucional: O Itamaraty em Perspectiva Histórica. Dados, Rio de Janeiro, n 28, p. 113-131. 1985.

______. Diplomacia, Diplomatas e Política externa: Aspectos do processo de institucionalização do Itamaraty. Rio de Janeiro, Dissertação de Mestrado, Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro. 1984.

ELIAS, Norbert. A sociedade de corte. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores. 2001.

_________. O processo civilizador. Rio de Janeiro: Zahar editores. 2011.

FREYRE, Gilberto . Ordem e Progresso. Rio de Janeiro: Nova Aguilar Editores. 2010.

GOFFMAN, Erving. Ritual de interação: ensaios sobre o comportamento face a face. Petrópolis, RJ: Vozes. 2012.

______. Estigma: Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: LTC. 2008.

LEQUESNE, Christian. Ethongraphie du Quai d’Orsay. Paris : CNRS Editions, 2016.

LIMA, Oliveira. Memórias: estas minhas reminiscencias. Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora. 1937.

LIMA, Vera Lúcia Alves Rodrigues. A inserção do negro na carreira de diplomata: ação afirmativa para o Instituto Rio Branco. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em Sociologia e Antropologia do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, da Universidade Federal do Rio de Janeiro. 2005.

LOUREIRO, Maria Rita; ABRUCIO, Fernando Luiz; PACHECO, Regina Silvia (orgs.). Burocracia e política no Brasil: desafios para a ordem democrática no século XXI. Rio de Janeiro: Editora FGV. 2010.

OLIVEIRA, Ana Paula Conceição. Diplomatas Negros (as): Ação afirmativa no Instituto Rio Branco e Trajetória de Diplomatas (ex-bolsistas). Dissertação de mestrado presentada ao Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Estudos Étnicos e Africanos, da Universidade Federal da Bahia. 2011. Disponível em: < https://goo.gl/3V61Tb>. Acesso em: 25 de maio de 2015.

STRAUSS, L.évi. Espelhos e Máscaras. São Paulo: Edusp. 1999

FONTES E SITES:

CARDOSO, Fernando Henrique. Discurso na cerimónia de entrega do Prémio Nacional dos Direitos Humanos. Palácio do Planalto, Brasília. 2001.

DIPLOMATIZZANDO. Ingresso no Itamaraty: pequena polemica em copo d'agua. Disponível em: <https://goo.gl/fnuf4j>. Acesso em 02 de novembro de 2014.

EXTRA GLOBO. A nova cara do Itamaraty. Disponível em: https://goo.gl/HZNfuW. Acesso em 12 junho de 2015.

FOLHA ONLINE. Negros contam com o apoio de intelectuais para ingressar no Itamaraty. Disponível em: <https://goo.gl/Kpxolf>. Acesso em 20 de agosto de 2015.

INSTITUTO RIO BRANCO. Programa de ação afirmativa. Disponível em: <https://goo.gl/l1wvNk>. Acesso em 15 de junho de 2015.

ITAMARATY. Discurso do secretário José Ijino Santana. Disponível em: <https://goo.gl/7BYvbw>. Acesso em: 18 de novembro de 2015.

JUSBRASIL. Como e quando o Itamaraty discriminou Joaquim Barbosa. Disponível em: <https://goo.gl/fPrJUu>. Acesso em 10 de outubro de 2015.

MACEDO, Ana Paula; JUNGBLUT, Cristiane. FH abre vagas para negros no curso preparatório para a prova do Itamaraty. O Globo, Rio de Janeiro-RJ, 20 de Dez. 2001.

MUNDORAMA. Filhos da democracia: A descolonização da diplomacia brasileira. Disponível em: <https://goo.gl/OPFJhU>. Acesso em 10 de outubro de 2015.

TARRAFEL, Andressa. Manoel Pio Corrêa Jr. (1918-2013) - O diplomata, as viagens e os livros. Folha de São Paulo. São Paulo. 2012. Disponível em: <https://goo.gl/5a2XPq>. Acesso em: 14 de novembro de 2015.

UOL. Minha História Benedicto Fonseca Filho, 47 . 2011. Disponível em: Http://Www1.Folha.Uol.Com.Br/Fsp/Mundo/Ft0601201107.Htm.

VEJA. O dia em que Joaquim Barbosa foi reprovado no Itamaraty. Disponível em: <https://goo.gl/cAl6sa>. Acesso em: 10 de abril de 2015.

Downloads

Publicado

2018-06-08

Edição

Seção

Artigos