Trabalho e gênero nas indústrias automotivas do Sul Fluminense

Autores

  • Letícia de França Paes Programa de Pós-Graduação em Sociologia (PPGS) da Universidade Federal Fluminense (UFF)
  • Ana Paula Vasconcelos Gonçalves Instituto de Estudos Sociais e Políticos (IESP) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Vitor Rodrigues Ferreira Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia (PPGSA) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7984.2021.e73395

Palavras-chave:

Gênero, Desigualdade, Trabalho, Sul Fluminense

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo compreender as relações de gênero nas fábricas automotivas do Sul Fluminense/RJ, através da análise exploratória dos dados da Relação Anual das Informações Sociais- RAIS.  Desde 1996, com a chegada da Volkswagen no município de Resende, o governo do estado passou a implementar medidas visando a atração de outras indústrias, em especial montadoras de veículos. Ao longo dos anos seguintes, os municípios localizados no Sul Fluminense se converteram em um novo polo automotivo, ocupado por uma diversidade de empresas que dinamizaram a economia local e geraram um grande volume de empregos. Com dados compreendidos entre os anos de 2007 e 2017, o trabalho buscou verificar de que maneira esse desenvolvimento se deu no tocante às disparidades retratadas na literatura sobre gênero e trabalho na indústria brasileira.

Referências

AUTOMOTIVE BUSINESS. Presença feminina no setor automotivo. Pesquisa e debates, 1ª edição. São Paulo, 2018.

BOTELHO, A. Reestruturação produtiva e produção do espaço: o caso da indústria automobilística instalada no Brasil. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, n. 15, 2002.

DULCI, J. A. Configurações do desenvolvimento em duas novas regiões automobilísticas: sul fluminense e Camaçari (BA). Revista de Ciências Sociais Política & Trabalho, v. 1, n. 48, p. 75-94, 2018.

FORTINO, S. Mixité au travail, genre et conditions de travail: la construction sociale d’un processus. In: CHAPPERT. Florence (org). Genre et conditions de travail. Mixité, organization du travail, santé et gestion des âges. Lyon: Editions Réseau Anact,p. 24-43, 2009.

HIRATA, H.; KERGOAT, D. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, v.37, n.132, pp.595-609, 2007.

HIRATA; H. Mudanças e permanências nas desigualdades de gênero: divisão sexual do trabalho numa perspectiva comparada. Friedrich Ebert Stiftung Brasil,São Paulo, Análise, n.7, 2015.

HOFFMANN, R. Desigualdade de gênero: análise adicional. Texto de discussão: n. 383. Campinas: IE/UNICAMP, 2020.

IBGE. Estatísticas do PIB 2010. Rio de Janeiro 2010.

IBGE. Regiões de influência das cidades. Rio de Janeiro, 2007.

IBGE. Sinopse do Censo demográfico 2010. Rio de Janeiro, 2011.

LAPA, T. S. Desigualdade salarial por sexo: persistências, transformações e desafios. Revista da ABET, v. 15, n. 1, p. 127-138, 2016.

LAPA, T. S. Mulheres metalúrgicas em setores predominantemente masculinos: mudanças sutis e barreiras persistentes. In 42º Encontro Anual da Anpocs, Caxambu, 2018.

LEONE, E; BALTAR, P. Um balanço da desigualdade de gênero no mercado de trabalho brasileiro. In: CONGRESO DE LA ASOCIACIÓN LATINOAMERICANA DE POBLACIÓN, 5., 23-26 out. 2012, Montevideo. Anais… Montevideo: ALAP2012. Disponível em: http://www.alapop.org/alap/index.php?option=com_content&view=article&layout=edit&id=1571&Itemid=821.

LIMA, R. J. da. Açúcar, Cola-Cola e Automóveis: ação político-empresarial na construção de um "município modelo" em Porto Real (RJ). Dissertação de mestrado (PPGSA/UFRJ), 2005.

LIMA, R. J. da C.; PAIVA, A. D. de. O Cluster Automotivo Sul Fluminense: experiência de arranjo produtivo ou arranjo institucional?. Desenvolvimento em Questão, [S. l.], v. 18, n. 50, p. 10–23, 2020. DOI: 10.21527/2237-6453.2020.50.10-23. Disponível em: https://www.revistas.unijui.edu.br/index.php/desenvolvimentoemquestao/article/view/8152. Acesso em: 8 jun. 2021.

LOBO; E.S. A classe operária tem dois sexos. São Paulo, Editora Brasiliense, 1991.

POSTHUMA, A. C. Mudança de políticas na indústria automobilística brasileira: vestígios da substituição de importações e os impactos da liberalização. IN: ABREU, Alice Rangel de Paiva, Produção flexível e novas institucionalidades na América Latina. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, p. 128-160, 2000.

RAIS. Relação Anual de Informações Sociais, 2007.

RAIS. Relação Anual de Informações Sociais, 2017.

RAMALHO, J. R. Novas conjunturas industriais e participação local em estratégias de desenvolvimento. Dados, 48/3, p. 491-523, 2005.

RAMALHO, J. R. Indústria e desenvolvimento: efeitos da reinvenção de um território produtivo no Rio de Janeiro. Revista Pós Ciências Sociais, v. 12, p. 117, 2015.

REIS, L. L. S. W. Proteção ao emprego e renda em tempos de crise: o PPE na Man Latin America. Revista Habitus, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, 2018. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index. php/habitus. Acesso em: 10 jun. 2020.

RESENDE. Municípios assinam protocolo de Consórcio Intermunicipal de Emprego e Renda. Prefeitura Municipal de Resende, 2013. Disponível em: https://resende.rj.gov.br/noticias/munic- pios-assinam-protocolo-de-cons-rcio-intermunicipal-de-emprego-e-renda. Acesso em: 05 jun. 2019.

RIZEK, C.. S.; LEITE, M. de. P. Dimensões e representações do trabalho fabril feminino. In: ABRAMO, L.; ABREU, A. R. P. Gênero e trabalho na sociologia latino-americana. São Paulo: ALAST/SERT, 1998. p. 281-307.

SILVEIRA, L. S; LEÃO, N. S. Segregação ocupacional e desigualdade de raça e gênero no Brasil, 2000-2010. In: ENCONTRO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SOCIOLOGIA, 18., 2017, Brasília. Anais... Brasília: SBS, 2017. Disponível em: http://www.adaltech.com.br/anais/sociologia2017/listaresumos.htm. Acesso em: 05 jun. 2019.

SILVERA, R. Os salários: mantidas as condições desiguais? In: MARUANI, M.; HIRATA, H.(org.). As novas fronteiras da desigualdade. Homens e mulheres no mercado de trabalho. São Paulo: Senac, 2003. p. 151-164.

SOARES, S.; IZAKI, R. S. A participação feminina no mercado de trabalho. Texto para Discussão do IPEA: n. 293. Rio de Janeiro: IPEA, 2002.

STEIL, A. V. Organizações, gênero e posição hierárquica – compreendendo o fenômeno do teto de vidro. RAUSP Management Journal, São Paulo, v. 32, n. 3, p. 62-69, 1997.

TEIXEIRA, M. O. Desigualdades salariais entre homens e mulheres a partir de uma abordagem de economistas feministas. Gênero – Revista do Núcleo Transdisciplinar de Estudos de Gênero, v. 9, n. 1, p. 32-45, 2008.

XAVIER, F. P., TOMÁS, M. C.; CANDIAN, J. F. Composição ocupacional por gênero, associação a sindicatos e desigualdades de rendimentos do trabalho no Brasil. Revista Econômica, v. 11, n. 1, p. 78-113, 2009.

Downloads

Publicado

2021-07-16