Entre o remédio e o corpo inquieto: de qual infantil falamos?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7984.2021.e75312

Palavras-chave:

Medicalização, Educação, Infância, Corpo, Psicanálise

Resumo

Tendo como temática a medicalização na educação, embasado na psicanálise freudiana, o presente trabalho visa a promover uma reflexão sobre as estratégias medicalizantes de educadores quanto a um aluno dito inquieto, ocorridas ao longo de um estudo de caso. Parte da hipótese que tanto o ideário de infantil do adulto educador quanto o de corpo podem estar articulados a um discurso que compreende a inquietude sobretudo por um viés que reduz a compreensão de comportamentos ao uso/não uso do medicamento. Apresenta, como possível resultado, os efeitos na relação adulto-criança que as concepções medicalizantes ensejam: individualização, redução da compreensão ampliada e relacional da questão, patologização do comportamento e desresponsabilização da escola.

Biografia do Autor

Cristiana Carneiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Psicanalista. Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1992), especialização em Psicanálise pela Universidade Santa Úrsula (1997), mestrado em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1997) e doutorado em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2002). Foi professora do curso de Especialização em Psicanálise da Associação Universitária Santa Úrsula e do Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro até 2009. Atualmente é Professora Adjunta da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro e coordenadora do NIPIAC (Núcleo Interdisciplinar de Estudo e Pesquisa para a Infância e Adolescência Contemporâneas).

Referências

ARIÈS, P. História Social da Criança e da Família. 2ed. Rio de. Janeiro: LTC, 1981.

ASSOOUN, P L. Corps et symptôme. Paris: Anthropos, 1997.

CAMBI, F. História da Pedagogia. Ed. Unesp, São Paulo, 1999.

CALASTRE, G. A criança no adulto. In: Miller, J. A criança no discurso analítico (p. 130- 145). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

CARNEIRO, C. Tempo e destino no contemporâneo: uma leitura do sujeito a partir da adolescência. Tese de doutorado. Instituto de psicologia, UFRJ, 2002.

CARNEIRO, C. Infância e esquecimento, construindo os fios da história. Tempo Psicanalítico, Rio de Janeiro, v. 47.2, p. 127-137, 2015.

CARNEIRO, C. O estudo de casos múltiplos: estratégia de pesquisa em psicanálise e educação. Psicologia-Universidade de SP-USP (Impresso), v. 29, p. 314-321, 2018.

CARNEIRO, C; LEITE, Suellen. F.; MEDEIROS, Julia P. S.; COUTINHO, Luciana G. Infância e expressões do mal-estar na escola: estudo de casos. Estudos Contemporâneos da Subjetividade, v. 8, p. 328-340, 2018.

CARNEIRO, C.; COUTINHO, L. G.; MAGALHÃES, L. Vozes de crianças e adolescentes: o que dizem da escola? Revista Psicologia Escolar e Educacional, v. 22, p. 185-193, 2018.

CASTRO, L R. Infância e adolescência na cultura do consumo. Rio de Janeiro: NAU, 1997.

CASTRO, L R. O futuro da infância e outros escritos. Rio de Janeiro: 7 letras, 2013.

COLLARES, C A L; MOYSÉS, M A. Preconceitos no cotidiano escolar: a medicalização do processo ensino-aprendizagem. In: CRP-SP; GIQE (Org.). Medicalização de crianças e adolescentes: conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doenças de indivíduos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2015, p.221-244.

CONNAS (Conselho Nacional de Secretários da Saúde). CI n. 323 – Publicada a Resolução Conanda n. 177 que dispõe sobre o direito da criança e do adolescente de não serem submetidos à excessiva medicalização. 18 dez. 2005. http://www.conass.org.br/ci-n-233-publicada-a-resolucao-conanda-n-177-que-dispoe-sobre-o-direito-da-crianca-e-do-adolescente-de-nao-serem-submetidos-a-excessiva-medicalizacao/. Acesso em: 28 jun. 2020.

FOUCAULT M. O nascimento da medicina social. In: Machado R, organizador. Microfísica do poder. São Paulo: Graal; 1984. p. 79-98.

FREUD, S. Três ensaios sobre a Teoria da Sexualidade. Tradução de J. Salomão. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, volume VII, Rio de Janeiro: Imago, 1980. (Original publicado em 1905).

FREUD, S. O interesse Científico da Psicanálise. In Freud, S. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. 3. Rio de Janeiro: Imago, 1980. (Original publicado em 1913).

FREUD, S. Além do princípio do prazer. ESB, volume XVIII, RJ: Imago, 1980. (Original publicado em 1920).

FREUD, S. ([1930]. O mal-estar na civilização. Tradução de J. Salomão. In: FREUD, S. Edição Standard brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, Vol. XXI. Rio de Janeiro: Imago, 1976. p. 75-174.

FREUD, S . Análise terminável e interminável. ESB, volume XXIII, RJ: Imago, 1980. (Original publicado em 1937).

GORI, R.; DEL VOLGO, M. La santé totalitaire. Essai sur la médicalisation de l’existence. Paris: Denoël, 2005.

GUARIDO, R; & VOLTOLINI, R (2009). O que não tem remédio, remediado está? Educação em Revista, 25 (1), 239-263.

LAJONQUIÉRE, L. Figuras do infantil: a psicanálise na vida cotidiana com as crianças. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

LAJONQUIERE, L. Infância e ilusão (psico) pedagógica. Petrópolis: Vozes, 1999.

LAJONQUIERE, L. Quando o sonho cessa e a ilusão psicopedagógica nos invade, a escola entra em crise. Notas comparativas Argentina, Brasil, França Educação Temática Digital. Campinas, SPv.21n.2p.297-315abr./ jun. 2019 DOI 10.20396/etd.v21i2.8651506.

LAPASSADE, G. La Estradas en La Vida. Madri: Fundamentos, 1975. (Original em 1971).

LAPLANCHE, J & PONTALIS, J-B. Vocabulário de psicanálise. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

LIMA, R. Somos todos desatentos? O TDA/H e a construção de bioidentidades. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2005.

LINDENMEYER, C. Chorégraphies du corps. Revue Française de Psychanalys. 5: 1581-1587, 2010.

MARTINHAGO, F; CAPONI, S. TDAH em crianças e adolescentes: estudo com professores em uma escola pública do Sul do Brasil. Revista Brasileira de Saúde Mental, v. 11, n. 30, 2019.

POSTMAN, N. O desaparecimento da infância. Rio de Janeiro: Graphia; 2005.

QVORTRUP, J. Visibilidades das crianças e da infância. Linhas Críticas, vol. 20, núm 41, enero-abril, 2014, pp. 23-42.

RESOLUÇÃO do Conselho Nacional da Saúde (CSN) para a promoção de práticas não medicalizantes. Fórum de Medicalização da Educação e da Sociedade, 19 out. 2015. Disponível em: http://medicalizacao.org.br/resolucao-do-conselho-nacional-da-saude-csn-para-a-promocao-de-praticas-nao-medicalizantes/. Acesso em: 28 jun. 2020

SUCHET, D. Encore sauvage ou la force du sexuel infantile. In: P. Merot (ed.) L’enfant de la psychanalyse. Retour sur l’angoisse. Paris: Press Universitaires de France-PUF, pp. 43–58, 2018.

TUBERT, S. A Morte e o Imaginário na Adolescência. RJ: Companhia de Freud, 1999.

Downloads

Publicado

2021-07-16