Dos diagnósticos aos manuais: mercado farmacêutico e transtornos mentais da infância em questão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7984.2020.e75323

Palavras-chave:

mercado, diagnóstico, infância, TDAH, indústria farmacêutica

Resumo

O intuito do artigo é situar o momento de mudança - tanto nos artigos como nos procedimentos de pesquisa - que marca o DSM III enquanto forma de abordagem dos transtornos psiquiátricos situando a indústria farmacêutica na conformação de novos discursos. Este é o momento da reemergência do TDAH e marca o confronto com a abordagem psicodinâmica freudiana que será secundada pela alternativa de testes e procedimentos estatísticos. Qual o contexto destas transformações? Mobilizamos autores da sociologia econômica para pensar o mercado de medicamentos enquanto campo de lutas – luta em torno dos critérios de classificação da realidade - tão bem como a dinâmica de interatuação com o campo da saúde. O artigo parte de pesquisa bibliográfica e análise documental. O argumento é o de que a nosologia do TDAH como qualquer outro arbitrário cultural, não é neutra e expressa relações de poder. Se diversas pesquisas apontam o poder médico como poder biopolítico, é possível constatar como novos arranjos entre indústria farmacêutica e psiquiatria ampliam o espaço de atuação da primeira alcançando adolescência e infância somando a atuação da indústria farmacêutica como reforço biopolítico.

Biografia do Autor

Marcia da Silva Mazon, UFSC

Departamento de Sociologia e Ciência Política

Sociologia

Referências

ARAÚJO, T. Verdades inconvenientes sobre a indústria de remédios. 2011. Disponível em: https://super.abril.com.br/saude/verdades-inconvenientes-sobre-a-industria-dos-remedios/. Acesso em: 20 mar. 2020.

ARIÈS, P. [1981]. História social da criança e da família. Tradução de Dora Flaksman. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2011.

BOURDIEU, P. As estruturas sociais da economia. Lisboa: Instituto Piaget, 2000.

BOURDIEU, P. O campo econômico. Política e Sociedade, Florianópolis, v. 4, n.6, p. 15-57, 2005.

BOURDIEU, P. A produção da crença. Contribuição para uma economia dos bens simbólicos. 3. ed. RGS: Zouk, 2006.

BOURDIEU, P. O senso prático. Rio de Janeiro:Editora Vozes, 2009.

CAPONI, S. História do poder psiquiátrico.Ciência e Saúde Coletiva, v. 14, n. 1, p. 95-103, 2009a.

CAPONI, S. Biopolítica e medicalização dos anormais. Physis: Revista de saúde coletiva, v. 19, n.2, p. 529-549, 2009b.

CAPONI, S. Emil Kraepelin and the problem of degeneration. História, Ciência, Saúde – Manguinhos. Rio de Janeiro, v. 17, supl.2,p. 475-494, 2010.

CAPONI, S. O DSM como dispositivo de segurança. Physis: Revista de saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 24, n. 3, p. 741-763, 2014.

CAPONI, S. Vigiar e medicar: o DSM 5 e os transtornos ubuescos da infância. In:CAPONI, S.; VÁSQUEZ VALENCIA, M. F.; VERDI, M. (org.).Vigiar e medicar: estratégias de medicalização da infância. São Paulo: LiberArs, 2016. p. 29-46.

CAPONI, S. Uma sala tranqüila. Neurolépticos para uma biopolítica da indiferença. SP: LiberArs, 2019.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA (CFM). Atualização de posicionamento conjunto: em defesa de boas práticas no relacionamento entre a classe médica e a indústria farmacêutica, 2017. Disponível em: http://portal.cfm.org.br/images/PDF/documento_interfarma.pdf. Acesso em: 16 jul. 2019

ECKS, S.Eating drugs: Psychophamarceutical pluralism in India. NewYork: New York University Press, 2013.

EWALD, F. Norms, disciplines and the law. Representations, 30,Special Issue: Law and the Order of Culture, p. 138-161, 1990.Disponível em: https://www.jstor.org/stable/2928449?read-now=1&refreqid=excelsior%3A4250ff2d02326039647d0100aa23bb6eseq=10#page_scan_tab_contents.Acesso em: 20 mar. 2020.

FIUZA, E. P. S.; LISBOA, M. B. Bens credenciais e poder de mercado: um estudo econométrico da indústria farmacêutica Brasileira. Technical report.Texto para discussão n. 846. Rio de Janeiro: IPEA, 2001.

FLIGSTEIN, N.; MARA-DRITA, I. How to make a market: reflections on the attempt to create a Single Market in the European Union.Am. Journal of Sociology, v. 102, n. 1, p. 1-33, 1996.

FLIGSTEIN, N. Mercado como política: uma abordagem político-cultural das instituições de mercado.Contemporaneidade e Educação, ano 6, n. 9, p. 26-55, 2001a.

FLIGSTEIN, N. Le mythe du marché.Actes de la Recherche, v. 139, n. 1, p. 3-12, 2001b.

FOUCAULT, M. Os anormais: curso no Collège de France (1974-1975).São Paulo: WMF Martins Fontes, 2018.

FOURCADE, M. Cents and Sensibility: Economic Valuation and the Nature of “Nature”. American Journal of Sociology, v. 116, n. 6, p. 1721-1777, 2011.

FOURCADE, M.; HEALY, K. Seeing like a market. Socio-EconomicReview, v. 15, n. 1, p. 9-29, 2017.

FRANCES, A. Voltando ao normal. Como o excesso de diagnósticos e a medicalização da vida estão acabando com a nossa sanidade e o que pode ser feito para retomarmos o controle. 1. ed. Rio de Janeiro: Versal Editores, 2016.

FRANCES, A. Advice To DSM V.Change Deadlines And Text, Keep Criteria Stable. Psyquiatric Times, 26 aug. 2009. Disponível em: https://www.psychiatrictimes.com/view/advice-dsm-vchange-deadlines-and-text-keep-criteria-stable.Acesso em: 20 mar. 2020.

FIRST, M.; FRANCES, A. Issues for DSM-V. Unintended consequences of small changes: the case of paraphilias. Am J Psychiatry, v. 165, p.240-1241, 2008. Disponível em: https://ajp.psychiatryonline.org/doi/pdf/10.1176/appi.ajp.2008.08030361. Acesso em: 20 mar. 2020.

GAY, P. Freud. Uma vida para nosso tempo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

HEALY, D.The new medical oikumene. In:PETRYNA, A.; LAKOFF, A.; KLEINMAN, A. (ed.). Global Pharmaceuticals. Ethics, Markets, Practices. Durham and London: Duke University Press, 2006. p. 61-84.

KANNER, L. [1972]. Child psychiatry. 4th ed. Springfield. IL: C. C. Thomas, 2000.

LAKOFF, A. Adaptative will: the evolution of attention deficit desorder. Journal of the History of the Behavioral Sciences, v. 36, n. 2, p. 149-169, 2000.

LAKOFF, A. Pharmaceutical reazon. Knowledge and value in global psychiatry. Cambridge University Press, 2005.

LAKOFF, A. High Contact, gifts and surveillance in Argentina. In:PETRYNA, A.; LAKOFF, A.; KLEINMAN, A. (ed.). Global Pharmaceuticals. Ethics, Markets, Practices. Durham and London: Duke University Press, 2006. p. 112-135.

LIEBERMAN, J.; OGAS, O.Psiquiatria – uma história não contada. 2. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2019.

LOPES, J. L. A psiquiatria na época de Freud. Rev Bras Psiquiatr, v. 23, n. 1, p. 28-33, 2001.

MARTINHAGO, F.; CAPONI, S. Breve história das classificações em psiquiatria. R. Inter. Interdisc. INTERthesis, v. 16, n. 1, p. 74-91, 2019.

MARTINHAGO, F.; CAPONI, S.; LAVAGNINIO, N. J.; FOLGUERA, G.; CAPONI, S. Risk factors and genetic bases: the case of attention deficit hyperactivity disorder. Salud Colectiva v. 15: e1952,2019. Disponível em: http://revistas.unla.edu.ar/saludcolectiva/article/view/1952/1445. Acesso em: 20 mar. 2020.

MAZON, M. S. Padrões de qualidade e segurança alimentar no terreno institucional brasileiro. Dados, v. 52, n. 4, p. 1003-1044, 2009.

MAZON, M. S. Indústria farmacêutica e psiquiatria no quadro da Sociologia Econômica: uma agenda de pesquisa. Política & Sociedade, v. 18, p. 136-161, 2019.

MAZON, M. S.; MOURA, W. G. Cachorros e humanos. Mercado de rações pet em perspectiva sociolólogica. Civitas. Revista de Ciências Sociais, v. 17 n. 1, p. 138-158, 2017.

PEARCE, J. Dr. Stella Chess, Child Development Specialist, Dies at 93. New York Times, 2007. Disponível em: https://www.nytimes.com/2007/03/22/nyregion/22chess.html. Acesso em: 20 mar. 2020.

PETRYNA, A.; LAKOFF, A.; KLEINMAN, A. Introduction. In:PETRYNA, A.; LAKOFF, A.;

KLEINMAN, A. (ed.). Global Pharmaceuticals. Ethics, Markets, Practices. Durham and London: Duke University Press, 2006. p. 206-239.

POLS, H.; OAK, S. Bmed, F. War and Military Menthal Health. The US Psychiatric Response in the 20th. Century Am J Public Health, v. 97, n. 12, p. 2132-2142, 2007. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2089086/.Acesso em: 20 mar. 2020.

ROBERTS, L. W.; LOUIE, A. K. Guia de estudos para o DSM-5. Tradução deRegis Pizzato. Porto Alegre: Artmed; 2017.

VEJA.Déficit de atenção atinge 4,4% de crianças e adolescentes, Veja – Educação, nov. 2011. Disponível em: https://veja.abril.com.br/educacao/deficit-de-atencao-atinge-44-de-criancas-eadolescentes/. Acesso em: 20 mar. 2020.

VIANA, A. L. A. As políticas de saúde nas décadas de 80 e 90: o longo período das reformas. In:CANESQUI, A. M. (org.).Ciências Sociais e Saúde para o ensino médico. São Paulo: Fapesp; Hucitec, 2000. p.113-133.

WHITE, W. Thomas And Chess: Temperament Type Longitudinal Study And Findings, Better Help, 2020, Disponível em: https://www.betterhelp.com/advice/temperament/thomas-and-chesstemperament-type-longitudinal-study-and-findings/. Acesso em: 20 mar. 2020.

WHITAKER, R. Anatomia de uma pandemia. Pílulas Mágicas, drogas psiquiátricas e o aumento assombroso da doença mental. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2017.

ZELIZER, Viviana. Economic lives: how culture shapes the economy. Princeton University Press, 2011.

ZELIZER, V. [1985]. Princing de priceless child. The changing social value of children. Princeton University Press: [S.l.], 1994.

Downloads

Publicado

2021-01-29

Edição

Seção

Dossiê Temático