Padrão de adiposidade em crianças e jovens de Moçambique: um estudo de genética quantitative

Autores

  • Silvio Saranga Universidade Pedagógica de Moçambique. Faculdade de Ciências da Educação Física e Desporto. Maputo. Moçambique
  • Rogério César Fermino Universidade Federal do Paraná. Programa de Pós-Graduação em Educação Física. Curitiba, PR. Brasil.
  • Leonardo Nhantumbo Universidade Pedagógica de Moçambique. Faculdade de Ciências da Educação Física e Desporto. Maputo. Moçambique
  • Antonio Prista Universidade Pedagógica de Moçambique. Faculdade de Ciências da Educação Física e Desporto. Maputo. Moçambique
  • José António Ribeiro Maia Universidade do Porto. CIFI2D. Faculdade de Desporto. Porto, Portugal.

DOI:

https://doi.org/10.1590/1980-0037.2012v14n2p164

Palavras-chave:

Adiposidade, Genética, Moçambique, Africa.

Resumo

O objetivo foi estimar a contribuição dos fatores genéticos no padrão de adiposidade subcutânea de crianças e jovens de Moçambique. Foram mensuradas seis dobras cutâneas (DC) e os sete fenótipos marcadores do padrão de adiposidade foram: Σ6DC, ΣDC tronco, ΣDC das extremidades, razão ΣDC tronco/extremidades (RTE), primeira, segunda e terceira componentes principais. A heritabilidade (h2) e a correlação (r) nos pares de irmãos foi calculada nos módulos ASSOC e FCOR do software de Epidemiologia Genética SAGE 5.3. A h2 foi elevada nos fenótipos RTE (65%) e terceira componente (50%); e moderada no Σ6DC (48%), ΣDC das extremidades (45%), ΣDC do tronco (42%), primeira e segunda componente (39% e 33%, respectivamente). No geral, os valores de r foram moderados nos irmãos do mesmo sexo (r entre 0,21 e 0,44) e baixos nos irmãos do sexo oposto (r entre -0,02 e 0,18). Conclui-se que os fatores genéticos são responsáveis por 33 a 65% da variabilidade dos diferentes fenótipos do padrão de adiposidade. Os irmãos do mesmo sexo apresentaram maior agregação familiar do que irmãos de sexo oposto.

Publicado

2012-02-14

Edição

Seção

Artigos Originais