Escore de ambiente construído relacionado com a prática de atividade física no lazer: aplicação numa região de baixo nível socioeconômico

Autores

  • Alex Antonio Florindo Universidade de São Paulo. Grupo de Estudos e Pesquisas Epidemiológicas em Atividade Física e Saúde. São Paulo. SP. Brasil.
  • Leandro Martin Totaro Garcia Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública. São Paulo. SP. Brasil.
  • Vanessa Valente Guimarães Universidade de São Paulo. Escola de Artes. Ciências e Humanidades. São Paulo. SP. Brasil.
  • Emanuel Péricles Salvador Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública. São Paulo. SP. Brasil.
  • Homero Fonseca Universidade de São Paulo. Grupo de Estudos e Pesquisas em Infraestrutura de Dados Espaciais. São Paulo. SP. Brasil.
  • Rodrigo Siqueira Reis Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Escola de Saúde e Biociências. Grupo de Pesquisas em Atividade Física e Qualidade de Vida. Curitiba, PR, Brasil.
  • José Cazuza Farias Júnior Universidade Federal da Paraíba. Programa Associado de Pós-Graduação em Educação Física. João Pessoa, PB, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.1590/1980-0037.2013v15n2p243

Palavras-chave:

Ambiente, Atividade Física, Adulto.

Resumo

São escassas as evidências sobre a relação entre atividade física de lazer (AFL) e ambiente construído no Brasil, especialmente em áreas de baixo nível socioeconômico. Sendo assim, objetivou-se descrever indicadores de ambiente construído relacionados à prática de AFL de adultos de uma região de baixo nível socioeconômico. Trata-se de estudo transversal com 767 adultos que viviam no Distrito de Ermelino Matarazzo, em São Paulo, em 2007. A variável dependente foi a prática de AFL (em minutos por semana). As independentes foram 35 variáveis ambientais avaliadas por auditagem em 30 setores censitários. A AFL foi correlacionada (coeficiente de Spearman) com todas as variáveis ambientais e aquelas que tiveram p<0,20 foram selecionadas para compor dois escores (variáveis com p<0,05 tiveram peso 2): Instalações (escore 1) e Segurança para o deslocamento (escore 2). Ambos os escores foram categorizados em quintis e o ambiente construído foi composto pela soma dos quintis destes escores, com variação de 2 a 10 pontos. Quartis de ambiente construído foram calculados e o primeiro quartil foi considerado como um ambiente mais adequado para AFL. O escore de ambiente construído teve 14 variáveis significativamente associadas com a AFL e consideradas como atributos importantes para esta prática no lazer.

Downloads

Publicado

2013-03-01

Edição

Seção

Artigos Originais