A influência da profundidade de agachamento no desempenho e em parâmetros biomecânicos do salto com contra movimento

Autores

  • Rodrigo Ghedini Gheller Universidade Federal do Amazonas
  • Juliano Dal Pupo Universidade Federal de Santa Catarina
  • Luis Antonio Pereira de Lima Universidade Federal de Santa Catarina
  • Bruno Monteiro de Moura Universidade Federal de Santa Catarina
  • Saray Giovana dos Santos Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.1590/1980-0037.2014v16n6p658

Palavras-chave:

Ciclo alongamento-encurtamento, Desempenho, Salto vertical

Resumo

O objetivo do presente estudo foi analisar a influência de diferentes profundidades de agachamento no desempenho e em parâmetros biomecânicos no salto com contra movimento (CMJ). Participaram do estudo 22 atletas de voleibol ou basquetebol do sexo masculino, participantes de competições em nível regional e universitário. Os CMJ foram realizados em três condições: 1) com flexão relativa do joelho ao final da fase de contra movimento menor que 90° (CMJ<90°); 2) maior que 90° (CMJ>90°) e; 3) posição preferida (CMJPREF). Durante os CMJ foram mensurados: altura do salto, variáveis cinemáticas, cinéticas e eletromiográficas. ANOVA para medidas repetidas com post-hoc de Bonferroni foi utilizado na comparação das variáveis, adotando-se nível de significância de p≤0,05. O desempenho foi maior na situação PREF e <90° comparado ao CMJ >90°. A potência média e pico, a força máxima normalizada e absoluta, apresentaram os maiores valores na posição >90°. O pico de velocidade e as velocidades angulares de quadril e joelho apresentaram os maiores valores na posição <90°. A EMG do vasto lateral, durante as fases descendente e ascendente, foi maior na posição >90°. Os músculos reto femoral e bíceps braquial não apresentaram diferença entre as condições. Conclui-se que o desempenho e as variáveis biomecânicas analisadas no CMJ são influenciados pelo nível de flexão do joelho. As maiores alturas foram obtidas nos saltos realizados a partir de uma maior profundidade de agachamento, assim, tal estratégia técnica poderia ser utilizada por atletas a fim de otimizar a altura do salto vertical nos treinamentos e competições.

Biografia do Autor

Rodrigo Ghedini Gheller, Universidade Federal do Amazonas

Faculdade de Educação Física e Fisioterapia. Laboratório de Estudos do Desempenho Humano. Manaus, AM.

Juliano Dal Pupo, Universidade Federal de Santa Catarina

Centro de Desportos. Laboratório de Biomecânica. Florianópolis, SC

Luis Antonio Pereira de Lima, Universidade Federal de Santa Catarina

Centro de Desportos. Laboratório de Biomecânica. Florianópolis, SC

Bruno Monteiro de Moura, Universidade Federal de Santa Catarina

Centro de Desportos. Laboratório de Biomecânica. Florianópolis, SC

Saray Giovana dos Santos, Universidade Federal de Santa Catarina

Centro de Desportos. Laboratório de Biomecânica. Florianópolis, SC

Publicado

2014-10-30

Edição

Seção

Artigos Originais