Comportamentos associados ao sono em estudantes do ensino médio: análises transversal e prospectiva

Autores

  • Luana Peter Hoefelmann Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC. Florianópolis. Brasil.
  • Kelly Samara Silva Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC. Florianópolis. Brasil.
  • Valter Cordeiro Barbosa Filho Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC. Florianópolis. Brasil.
  • Jaqueline Aragoni da Silva Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC. Florianópolis. Brasil.
  • Markus Vinicius Nahas Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC. Florianópolis. Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.1590/1980-0037.2014v16s1p68

Palavras-chave:

Adolescente, Brasil, Comportamento do adolescente, Estudos prospectivos, Sono.

Resumo

A associação entre comportamentos de saúde e sono tem sido testada em jovens com dados transversais, mas evidências prospectivas são necessárias. O objetivo do estudo foi verificar associações transversais e prospectivas entre variáveis comportamentais e percepções de qualidade e duração de sono. Análise secundária transversal e longitudinal dos dados da pesquisa “Saúde na Boa”, desenvolvido de março a dezembro de 2006, com amostra aleatória de estudantes de ensino médio (14-24 anos) de 20 escolas públicas de Recife e Florianópolis. A percepção da qualidade e da duração do sono e as variáveis do estilo de vida foram obtidas por autorrelato. Utilizaram-se regressões logísticas binárias brutas e ajustadas. Nos dados transversais e longitudinais, 45,7% e 45,8% dos jovens relataram má qualidade e 76,7% e 77,5% reportaram duração insuficiente do sono, respectivamente. Na análise transversal, a menor prática de atividade física (OR = 0,74; IC 95%: 0,55; 0,99) e o maior consumo de salgados (OR = 1,67; IC 95%: 1,18; 2,36) estiveram associados à qualidade negativa do sono, enquanto o tempo excessivo de televisão (OR = 0,48; IC 95%: 0,30; 0,75) e de consumo de refrigerantes (OR = 1,84; IC 95%: 1,19; 2,84) associaram-se à duração insuficiente do sono. Na análise prospectiva, nenhum dos comportamentos estudados se manteve associado à qualidade e duração do sono. As prevalências de percepção de qualidade e duração do sono se mantiveram estáveis nos dois momentos analisados. Alguns comportamentos se associaram às percepções de sono em análises transversais, mas estes achados não se confirmaram em análises prospectivas.

 

Publicado

2014-05-08

Edição

Seção

Artigos Originais