Mudanças na atividade física de lazer, locomoção e tempo de televisão entre homens e mulheres usuários do Sistema Único de Saúde em uma cidade de médio porte: seguimento de 18 meses

Autores

  • Rafael Orbolato Universidade Estadual Paulista
  • Rômulo Araújo Fernandes Universidade Estadual Paulista
  • Bruna Camilo Turi Universidade Estadual Paulista
  • Monique Yndawe Castanho-Araujo Universidade Estadual Paulista
  • Carolina Rodrigues Bortolatto Universidade Estadual Paulista
  • Kelly Akemi Kikuti Koyama Universidade Estadual Paulista
  • Luana Carolina de Morais Universidade Estadual Paulista
  • Jamile Sanches Codogno Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.1590/1980-0037.2018v20n1p20

Palavras-chave:

Atividade motora, Doença crônica, Epidemiologia, Locomoção, Sistema único de saúde

Resumo

Dada a importância da atividade física para promoção da saúde, assim como para a prevenção de doenças crônicas não transmissíveis, o Sistema Único de Saúde (SUS) mudou a estratégia de atuação nas últimas décadas, procurando adotar atividades preventivas, buscando melhorar a qualidade de vida da população brasileira e diminuir gastos com tratamento de doenças. Objetivou-se investigar as mudanças na prática de atividade física e tempo de televisão em usuários do SUS durante um período de 18 meses e o impacto do sexo e tempo nessas variáveis. Foram avaliados 198 participantes (58 homens e 140 mulheres). Nível de atividade física foi mensurado através do questionário de Baecke. Homens apresentaram maiores escores em todas as variáveis de atividade física: caminhada (p-valor 0,013), ciclismo (p-valor = 0,001) e locomoção (p-valor = 0,007) do que mulheres, mas não para assistir à televisão (p-valor = 0,362). Após 18 meses, em toda a amostra, o escore de caminhada aumentou 25,9% (IC 95% = 10,6 - 41,1), mas não ciclismo (1,5% [IC 95% = -2,7 – 5,7]), locomoção (14,4% [IC 95% = -0,4 – 29,3]) e televisão (1,6% [IC 95% = -5,7 – 9,1]). Entre usuários do SUS, homens foram usualmente mais ativos que mulheres em comportamentos ativos, mas não ao assistir televisão. Porém, diferenças ao longo do tempo foram similares entre os sexos.

Biografia do Autor

Rafael Orbolato, Universidade Estadual Paulista

Universidade Estadual Paulista

Rômulo Araújo Fernandes, Universidade Estadual Paulista

Universidade Estadual Paulista

Bruna Camilo Turi, Universidade Estadual Paulista

Universidade Estadual Paulista

Monique Yndawe Castanho-Araujo, Universidade Estadual Paulista

Universidade Estadual Paulista

Carolina Rodrigues Bortolatto, Universidade Estadual Paulista

Universidade Estadual Paulista

Kelly Akemi Kikuti Koyama, Universidade Estadual Paulista

Universidade Estadual Paulista

Luana Carolina de Morais, Universidade Estadual Paulista

Universidade Estadual Paulista

Jamile Sanches Codogno, Universidade Estadual Paulista

Universidade Estadual Paulista

Downloads

Publicado

2018-03-14

Edição

Seção

Artigos Originais