Aptidão cardiorrespiratória em crianças e adolescentes

Autores

  • Kenia Rejane de Oliveira Batista Universidade Federal de Sergipe
  • Mona Gizelle Dreger de Oliveira Universidade Federal de Sergipe
  • Carla Fabiane dos Santos Lemos Universidade Federal de Sergipe
  • Josiene de Oliveira Couto Universidade Federal de Sergipe
  • Nara Michelle Moura Soares Universidade Federal de Sergipe
  • Roberto Jeronimo dos Santos Silva Universidade Federal de Sergipe http://orcid.org/0000-0002-4578-7666

DOI:

https://doi.org/10.1590/1980-0037.2018v20n6p535

Palavras-chave:

Adolescente, Aptidão cardiorrespiratória, Criança

Resumo

Aptidão cardiorrespiratória é um importante indicador da condição de saúde. Objetivou-se verificar a capacidade cardiorrespiratória, conforme grupo etário e sexo, em crianças e adolescentes do Estado de Sergipe. Trata-se de um estudo com delineamento transversal. A amostra foi composta por 195 adolescentes de ambos os sexos com média de idade de 11,75±3,0 anos. Para a caracterização dos participantes, utilizou-se um questionário com dados sociodemográficos. Aplicou-se uma avaliação antropométrica, de forma a estimar o estágio maturacional por meio do  pico de velocidade de crescimento (PVC) e o teste de vai e-vem de 20 metros para a estimativa da capacidade cardiorrespiratória. ANOVA two-way foi aplicada com amostra dividida em dois grupos (“até 13 anos” e “acima de 13 anos”). Foi aplicado contraste polinomial para identificar o tipo de tendência para a aptidão cardiorrespiratória, e contraste simples para comparações múltiplas. Todos os procedimentos adotaram p < 0,05 e utilizaram o software SPSS versão 22.0. No grupo etário “acima dos 13 anos”, encontrou-se efeito significativo no comportamento da capacidade cardiorrespiratória conforme “sexo” [F(1, 45) = 5,54, p = 0,02, r=0,33] e “idade” [F(4, 45) = 3,37, p = 0,02, r=0,48]. O contraste polinomial revelou tendência linear para o VO2 em relação à idade de corte de 13 anos (p=0,04). O contraste simples identificou comportamento crescente da capacidade cardiorrespiratória em relação aos grupos etários de 15 e 16 anos quando comparados ao grupo de 14 anos. Conclui-se que o sexo e a idade influenciam positivamente na capacidade cardiorrespiratória a partir da idade de referência maturacional.

Biografia do Autor

Kenia Rejane de Oliveira Batista, Universidade Federal de Sergipe

Universidade Federal de Sergipe

Mona Gizelle Dreger de Oliveira, Universidade Federal de Sergipe

Universidade Federal de Sergipe

Carla Fabiane dos Santos Lemos, Universidade Federal de Sergipe

Universidade Federal de Sergipe

Josiene de Oliveira Couto, Universidade Federal de Sergipe

Universidade Federal de Sergipe

Nara Michelle Moura Soares, Universidade Federal de Sergipe

Universidade Federal de Sergipe

Roberto Jeronimo dos Santos Silva, Universidade Federal de Sergipe

Universidade Federal de Sergipe

Referências

Baxter-Jones AD, Eisenmann JC, Sherar LB. Controlling for maturation in pediatric exercise science. Pediatr Exerc Sci 2005;17(1):18-30.

Machado DRL, Bonfim MR, Costa LT. Pico de velocidade de crescimento como alternativa para classificação maturacional associada ao desempenho motor. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2009;11(1):14-21.

Shephard RJ, Bouchard C. Population evaluations of health related fitness from perceptions of physical activity and fitness. Can J Appl Physiol 1994;19(2):151-173.

Ortega FB, Ruiz JR, Castillo MJ, Sjöström M. Pediatric rewiew physical fitness in childhood and adolescence: a powerful marker of health. Int J Obes (Lond) 2008;32(1):1–11.

Ferrari GLM, Bracco MM, Matsudo VKR, Fisberg M. Cardiorespiratory fitness and nutritional status of schoolchildren: 30-years evolution. J Pediatr (Rio J) 2013;89(4):366-73.

Ferreira RV, Leadl JC, Brunherotti MAA. Desempenho e indicadores cardiorrespiratórios. Rev Bras Med Esporte 2017; 23(3):189–93.

Silva RJS, Petroski EL. Consumo máximo de oxigênio e estágio de maturação sexual de crianças e adolescentes. Motri 2008;4(1):13-9.

Machado FA, Guglielmo LGA, Denadai BS. Velocidade de corrida associada ao consumo máximo de oxigênio em meninos de 10 a 15 anos. Rev Bras Med Esporte 2002;8(1):1-6.

Armstrong N. Aerobic fitness of children and adolescents. J Pediatr (Rio J) 2006;82(6):406-8.

Tomkinson GR, Lang JJ, Tremblay MS. Temporal trends in the cardiorespiratory fitness of children and adolescents representing 19 high-income and upper middleincome countries between 1981 and 2014. Br J Sports Med in press.

International Society for the Advancement of Kinanthropometry - ISAK. International standards for anthropometric assessment. Sydney: ISAK; 2001.

Mirwald RL, Baxter-Jones ADG, Bailey DA, Beunen GP. An assessment of maturity from anthropometric measurements. Med Sci Sports Exerc 2002;34(4):689–94.

Leger LA, Lambert J. A maximal multistage 20-m shuttle run test to predict VO2 max applied. Eur J Appl Physiol Occup Physiol 1982;49(1):1-12.

Cohen J. Statistical power analysis for the behavioral sciences. 2.ed. New York, USA: Lawrence Erlbaum Associates; 1988.

Miranda VPN, Faria FR, Faria ER, Priore SE. Somatic maturation and body composition in female healthy adolescents with or without adjustment for body fat. Rev Paul Pediatr 2014;32(1):78–84.

Armstrong N, Welsman JR. Peak oxygen uptake in relation to growth and maturation in 11 to 17-year-old humans. Eur J Appl Physiol 2001;85(6):546–51.

Ruiz JR, Castro-Piñero J, España-romero V, Artero EG, Ortega FB, Cuenca MM, et al. Field-based fitness assessment in young people: the ALPHA health-related fitness test battery for children and adolescents. Br J Sports Med 2011;45(6):518–24.

Machado FA, Guilherme L, Guglielmo A, Denadai S. Velocidade de corrida associada ao consumo máximo de oxigênio em meninos de 10 a 15 anos. Rev Bras Med Esporte 2002;8(1):8–13.

Pereira S, Katzmarzyk PT, Gomes TN, Souza M, Chaves RN, Karina F, et al. A multilevel analysis of health-related physical fitness: the portuguese sibling study on growth, fitness, lifestyle and health. PLoS One 2017;12(2):1–15.

Pelegrini A, Minatto G, Claumann G, Silva D, Grigollo L, Schwinn F, et al. Cardiorespiratory fitness in adolescents. Rev Andal Med Deport 2017;10(3):152–7.

Souza VS, Batista MB, Cyrino ES, Blasquez G, Serassuelo Junior H, Romanzini M, et al. Associação entre aptidão cardiorrespiratória e participação regular de adolescentes em esportes. Rev Bras Ativ Fís Saúde 2013;18(4):511–9.

Soares NMM, Silva RJS, Melo EV, Oliveira ACC. Cardiorespiratory fitness in school. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2014;16(2):223-32.

Downloads

Publicado

2018-12-31

Edição

Seção

Artigos Originais