Movimentos emaranhados: travestis, movimentos sociais e práticas acadêmicas

Gilson Goulart Carrijo, Keila Simpson, Emerson Fernando Rasera, Marco Aurelio Máximo Prado, Flavia Bonsucesso Teixeira

Resumo


As narrativas sobre as travestis e transexuais integram um conjunto significativo de trabalhos
acadêmicos no Brasil, revelando diferentes formas de (re)contar a sociabilidade delas. Esse artigo é uma proposta coletiva de (re)pensar o lugar da academia na (re)produção das vidas travestis, a partir da construção de uma estratégia narrativa que inclua a perspectiva de uma epistemologia situada na experiência. Nosso argumento é que diferentes estratégias de pesquisas podem reconstruir e ressignificar a discussão sobre o “lugar de fala” que tem marcado uma tensa relação entre academia e movimento social.


Palavras-chave


Travestis; Movimento Social; Produção Acadêmica; Documentário

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.1590/1806-9584-2019v27n254503

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.