Quando o amor é o problema: feminismo e poliamor em debate

Antonio Cerdeira Pilão

Resumo


Poliamor é um termo que designa a possibilidade de estabelecer múltiplas relações afetivas
e sexuais de forma concomitante, consensual e igualitária. No presente artigo é analisado como esse modelo de conjugalidade foi apresentado, interpretado e debatido na internet por feministas e poliamoristas. O objetivo é investigar em que medida ele foi entendido como contraditório ou compatível com o feminismo. A pesquisa foi conduzida a partir da análise de três textos que apresentam problemas na aplicação do poliamor em um contexto de desigualdades de gênero, de raça e de classe social.


Palavras-chave


Conjugalidade; Sexualidade; Não-monogamia; Poliamor; Feminismo

Texto completo:

PDF

Referências


ANAPOL, Deborah. Polyamory in the 21st Century: Love and Intimacy with Multiple Partners. Maryland: Rowman & Littlefield, 2010.

ANUNCIADA, Patricia. “Feminismo interseccional: um conceito em construção”. Blogueiras negras, 29/09/2015. Disponível em: http://blogueirasnegras.org/2015/09/29/feminismo-interseccional-umconceito-em-construcao/. Acesso em: 29 out. 2017.

BARBOSA, Mariana. “#Monogamiapraquem?”. Blogueiras negras, 04/09/2014. Disponível em: http://blogueirasnegras.org/2014/09/04/monogamia-pra-quem/.

BARKER, Meg; LANGDRIDGE, Darren. “Whatever happened to non-monogamies? Critical reflections on recent research and theory”. Sexualities, v. 13, n. 6, p. 748-772, 2010.

BEIRA, Gabriella. “Por que o poliamor e as relações livres podem ser privilégios para os homens?”. Capitolina, 15/11/2014. Disponível em: http://www.revistacapitolina.com.br/por-que-o-poliamor-erelacoes-livres-podem-ser-privilegios-para-os-homens/.

BOZON, Michel. “Amor, sexualidade e relações sociais de sexo na França contemporânea”. Revista Estudos Feministas, v. 3, n. 1, p. 122-135, 1995.

BOZON, Michel. Sociologia da sexualidade. Rio de Janeiro: EDUFGV, 2004.

CARDOSO, Daniel. Amando vári@s – Individualização, redes, ética e poliamor. 2010. Dissertação (Mestrado) – Universidade Nova de Lisboa, Lisboa.

CASTILLO, Constanza A.; HIDALGO, Samuel. “Manifesto Godx: o punk nunca fará dieta”. Revista Rosa, 04/02/2014. Disponível em: https://medium.com/revista-rosa-1/manifesto-gordx-4873f9e3ccf6. Acesso em: 12 nov. 2017.

CHEN, Vivienne. “Poliamor é para pessoas ricas e bonitas”. Blogueiras Feministas, 19/02/2014. Tradução de Gui Beno. Disponível em: https://blogueirasfeministas.com/2014/02/19/poliamor-e-parapessoas-ricas-e-bonitas/.

CRENSHAW, Kimberlé. Demarginalizing the Intersection of Race and Sex: A Black Feminist Critique of Antidiscrimination Doctrine, Feminist Theory and Antiracist Politics. Chicago: University of Chicago Legal Forum, 1989. p. 139-167.

CUENCA, João Paulo. “Stephanie Ribeiro: feminismo branco não liga para negras”. Folha de S. Paulo, 2015. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/colunas/joaopaulocuenca/2015/11/1705813-stephanie-ribeiro-eu-ainda-nao-sou-mulher-agoraequesaoelas.shtml#_=_. Acesso em: 13 out. 2018.

ELISA, Laura. “Sobre poliamor”. Marginália, 03/06/2015. Disponível em: https://negrasolidao.wordpress.com/2015/06/03/sobre-poliamor/.

FACCHINI, Regina. “Movimento homossexual no Brasil: recompondo um histórico”. Cadernos Arquivo Edgard Leuenroth, Unicamp, v. 10, n. 18/19, p. 79-123, 2003.

FÉRES-CARNEIRO, Terezinha. “Pesquisa e prática clínica: construindo articulações teóricas”. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 21, n. 3, p. 349-355, 2008.

FILHO, Aziz. “Amor demais”. Revista Isto É, 18/10/2006. Disponível em: https://istoe.com.br/4456_AMOR+DEMAIS/.

FIRESTONE, Shulamith. A dialética do sexo. Rio de Janeiro: Labor, 1976.

G1 BAURU E MARÍLIA. União estável entre três pessoas é oficializada em cartório de Tupã, SP, 23/08/2012. Disponível em: http://g1.globo.com/sp/bauru-marilia/noticia/2012/08/uniao-estavel-entre-trespessoas-e-oficializada-em-cartorio-de-tupa-sp.html.

GOLDENBERG, Mirian. “O corpo como capital: para compreender a cultura brasileira”. Arquivos em movimento, v. 2, n. 2, p. 115-123, 2006.

GOLDENBERG, Mirian. Por que homens e mulheres traem? Rio de Janeiro: Best bolso, 2010.

GREGORI, Maria Filomena. “Relações de violência e erotismo”. Cadernos Pagu, n. 20, p. 87-120, 2003. Disponível em: http://ref.scielo.org/q3rt4n. Acesso em: 14 out. 2017.

HARITAWORN, Jin; LIN, Chin-ju; KLESSE, Christian. “Poly/logue: A Critical Introduction to Polyamory”. Sexualities, v. 9, n. 5, p. 515-529, 2006.

HEILBORN, Maria Luiza. Dois é par: gênero e identidade sexual em contexto igualitário. Rio de Janeiro: Garamond, 2004.

HEILBORN, Maria Luiza. “Entre as tramas da sexualidade brasileira”. Revista Estudos Feministas, v.14, n. 1, p. 43-59, jan./abr. 2006.

KLESSE, Christian. “Notions of Love in Polyamory – Elements in a Discourse on Multiple Loving”. Laboratorium, v. 3, n. 2, p. 4-25, 2011.

MacRAE, Edward. O militante homossexual no Brasil da abertura. 1985. Tese (Doutorado em Antropologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

MASSON, Lucrecia. “Un rugido de rumiantes, apuntes sobre la disidencia corporal desde el activismo gordo”. In: SOLÁ, Miriam; URKO, Elena. Transfeminismos – epistemes, fricciones y flujos. Navarra: Txalaparta, 2013. p. 225-233.

PEREIRA, Henrique de Carvalho. “Da metamorfose dos deuses: capitalismo e arquétipo no século XXI”. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v. 9, n. 2, p. 376-388, 2009.

PILÃO, Antonio Cerdeira; GOLDENBERG, Mirian. “Poliamor e monogamia: construindo diferenças e hierarquias”. Revista Ártemis, v.13, p. 61-73, jan./jul. 2012.

PILÃO, Antonio Cerdeira. “Reflexões sócio-antropológicas sobre Poliamor e amor romântico”. Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, v. 12, n. 35, p. 505-524, 2013.

PILÃO, Antonio Cerdeira. “Entre a liberdade e a igualdade: princípios e impasses da ideologia poliamorista”. Cadernos Pagu, n. 44, p. 391-422, jun. 2015. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8637379. Acesso em: 14 out. 2017.

PISCITELLI, Adriana. “Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras”. Revista Sociedade e Cultura, v. 11, n. 2, p. 263-274, 2008.

RAMOS, Maria Eduarda. Pornografia, resistências e feminismos: estratégias políticas feministas de produções audiovisuais pornográficas. 2015. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

RITCHIE, Ani; BARKER, Meg. “Hot bi babes and feminist families: Polyamorous women speak out”. Lesbian and Gay Psychology Review, v. 8, n. 2, p. 141-151, 2007.

RUBIN, Gayle. “The traffic in Women: Notes on the ‘Political Economy of Sex’”. In: REITER, Rayna. Toward an Anthropology of Women. New York: Monthly Review Press, 1975. p. 157-210.

RUBIN, Gayle. “Thinking sex: notes for a radical theory of politics of sexuality”. In: VANCE, Carol (Org.). Pleasure and danger: exploring female sexuality. Nova York: Routledge, 1984. p. 267-293.

SALEM, Tania. “O casal igualitário: princípios e impasses”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v.3, n. 9, p. 24-37, fev. 1989.

SANTIAGO, Larissa. “Enegrecer o feminismo, uma questão de prática”. Blogueiras negras, 09/07/2013. Disponível em: http://blogueirasnegras.org/2013/07/09/enegrecer-o-feminismo-uma-questaode-pratica/. Último acesso: em 29 out. 2017.

SANTOS, Joaquim Ferreira dos. O futuro é do poliamor. “Matutina – Segundo Caderno”, O Globo, 15/06/2007, p. 3.

SILVA, Vania Sandeleia Vaz da; NERES, Geraldo Magella; SILVA, Rosangela da. “Michel Foucault e o Poliamor: cuidado de si, parresía e estética da existência”. Revista Tempo da Ciência, v. 24, n. 48, 2017. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/tempodaciencia/article/view/18968. Acesso em: 14 dez. 2017.

SILVÉRIO, Maria. Swing: Eu, tu ... eles. Lisboa: Chiado, 2014.

VALLERIO, Ciça. “Uma forma diferente de amar”. Jornal Estadão, 25/08/2007. Disponível em: https://emais.estadao.com.br/noticias/geral,uma-maneira-diferente-de-amar,40947.

VANCE, Carole (Ed.). Pleasure and Danger: Exploring Female Sexuality. New York: Routledge, 1984.

VON DER WEID, Olivia. “O adultério consentido”. Revista Estudos Feministas, v. 18, n. 3, p. 789-810, 2010.




DOI: https://doi.org/10.1590/1806-9584-2019v27n355097

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.