Jornalismo e gênero: a emergência de uma disciplina e um relato de docência compartilhada

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2020v28n258720

Palavras-chave:

Jornalismo, Gênero, Educação, Docência, Ensino Superior

Resumo

Neste artigo apresentamos o surgimento da disciplina Jornalismo e Gênero no curso de Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e debate sobre a sua necessidade e emergência na formação de jornalistas. Os debates no campo do Jornalismo sobre/a partir das temáticas de Gênero ainda são incipientes, apesar da urgência da construção de discussões que repensem as práticas da profissão, as relações entre os profissionais e o ensino. Neste relato, tecemos algumas considerações sobre nossa experiência docente à frente da disciplina, apresentando os avanços, dificuldades e procurando contribuir para o crescimento do campo e a construção de conhecimento sobre os temas de Gênero no Jornalismo.

Biografia do Autor

Daiane Bertasso, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora Adjunta no Departamento de Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da UFSC. Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Pesquisadora nos Grupos de Pesquisa do CNPq Jornalismo, Cultura e Sociedade (UFSC) e TRANSVERSO: estudos em jornalismo, interesse público e crítica (UFSC).

Fernanda Nascimento, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda no Programa Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestra em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e jornalista formada pela mesma instituição. Bolsista Capes.

Jessica Gustafson, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Jornalismo (PPGJOR) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestra em Jornalismo pelo PPGJOR/UFSC e jornalista formada na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Referências

ALMEIDA, Gabriela Cavalcanti Carneiro de. A mulher na pesquisa em jornalismo: teses e dissertações defendidas em Programas de Pós-Graduação em Jornalismo e Comunicação do Brasil (1972-2015). 2018. 149f. Dissertação (Mestrado em Jornalismo) – Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, RS, Brasil, 2018.

BARRENO, Maria Isabel et al. Novas Cartas Portuguesas. São Paulo: Círculo do Livro, 1974.

BENTO, Berenice Alves de Melo. O que é transexualidade. São Paulo: Brasiliense, 2008.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

COLETIVO JORNALISMO SEM MACHISMO. Página oficial no Facebook. Disponível em https://www.facebook.com/jorsemmachismo/. Acesso em 10/08/2018.

CRENSHAW, Kimberlé W. “A interseccionalidade na discriminação de raça e gênero”. In: VV.AA. Cruzamento: raça e gênero. Brasília: EDUnifem, 2004, p. 7-16.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. Rio de Janeiro: Boitempo, 2016.

ESCOSTEGUY, Ana Carolina; MESSA, Márcia. “Os estudos de gênero na pesquisa em comunicação”. Revista Contemporânea, Salvador, v. 4, p. 65-82, 2006.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. “O dispositivo pedagógico da mídia: modos de educar na (e pela) TV”. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 151-162, jan./jun. 2002.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade – A vontade de saber. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

FRIEDAN, Betty. “O problema sem nome”. In: FRIEDAN, Betty. Mística feminina. Petrópolis: Vozes, 1971. p. 17-31.

FRY, Peter; MacRAE, Edward John Baptista das Neves. O que é homossexualidade. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1991.

GUSTAFSON, Jessica. Jornalistas e Feministas – A construção da perspectiva de gênero no Jornalismo. Florianópolis: Insular, 2019.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 10. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

HARAWAY, Donna. “Saberes localizados: A questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial”. Cadernos Pagu, Campinas, Unicamp, n. 5, p. 7-41, 1995.

HARAWAY, Donna. “‘Gênero’ para um dicionário marxista: a política sexual de uma palavra”. Cadernos Pagu, Campinas, Unicamp, n. 22, p. 201-246, 2004.

LAURETIS, Teresa de. “A tecnologia de gênero”. In: HOLANDA, Heloisa Buarque de (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica cultural. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. p. 206-242.

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

LUGONES, María. “Rumo a um feminismo descolonial”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 935-952, 2014.

MARTINEZ, Monica; LAGO, Cláudia; LAGO, Mara Coelho de Souza. “Estudos de gênero na pesquisa em Jornalismo no Brasil: uma tênue relação”. Revista Famecos – Midia, Cultura e Tecnologia, Porto Alegre, PUC, v. 23, n. 2, 2016. ID22464

MOITA LOPES, Luiz Paulo da. “Falta homem até pra homem: a construção da masculinidade hegemônica no discurso midiático”. In: HEBERLE, Viviane Maria; OSTERMANN, Ana Cristina; FIGUEIREDO, Débora de Carvalho (Orgs.). Linguagem e gênero: no trabalho, na mídia e em outros contextos. Florianópolis: EDUFSC, 2006. p. 131-157.

NASCIMENTO, Fernanda. Bicha (nem tão) má – LGBTs em telenovelas. Rio de Janeiro: Multifoco, 2015.

PEDRO, Joana Maria. “Traduzindo o debate: o uso da categoria gênero na pesquisa histórica”. História, São Paulo, USP, v. 24, n. 1, p. 77-98, 2005.

PEREIRA, Eduarda; BONALDO, Manoela dos Santos. “Coletivo Jornalismo sem Machismo: Militância e produção de conhecimento no curso de jornalismo da UFSC”. I AQUENDA DE COMUNICAÇÃO, GÊNEROS E SEXUALIDADES. Anais... Ed. I, Porto Alegre, RS, 2018. Disponível em https://aquenda.files.wordpress.com/2019/04/eduarda-pereira-e-manoela-dos-santos-bonaldo.pdf. Acesso em 10/08/2018.

RUBIN, Gayle. “Pensando sobre sexo: notas para uma teoria radical da política da sexualidade”. In: RUBIN, Gayle. Políticas do Sexo. São Paulo: Ubu, 2017. p. 63-128.

SARTI, Cynthia Andersen. “O feminismo brasileiro desde os anos 1970: revisitando uma trajetória”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, n. 2, p. 35-50, 2004.

SCOTT, Joan W. “Gênero: uma categoria útil de análise histórica”. Educação e Realidade, Porto Alegre, UFRGS, v. 20, n. 2, p. 71-79, 1995.

SEFFNER, Fernando. Derives da masculinidade: representação, identidade e diferença no âmbito da masculinidade bissexual. 2004. 260f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2004. SILVA, Tomaz Tadeu da. “A produção social da identidade e da diferença”. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 73-102.

STOCKER, Pâmela; DALMASO, Silvana. “Uma questão de gênero: ofensas de leitores à Dilma Rousseff no Facebook da Folha”. Revista Estudos Feministas, v. 24, n. 3, p. 679-690, setembro/dezembro 2016.

TOMAZETTI, Tainan Pauli; CORUJA, Paula. “Relações de gênero: os desafios para além das binariedades, identidades e representações”. In: JACKS, Nilda et al. Meios e Audiências III: reconfigurações dos estudos de recepção. Porto Alegre: Sulina, 2017. p. 171-192.

VEIGA DA SILVA, Marcia. Masculino, o gênero do Jornalismo: Modos de produção das notícias. Florianópolis: Insular, 2014.

VEIGA DA SILVA, Marcia. Saberes para a profissão, sujeitos possíveis: um olhar sobre a formação universitária dos jornalistas e a implicação dos regimes de saber-poder nas possibilidades de encontro com a alteridade. 2015. 276f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil, 2015.

Downloads

Publicado

2020-09-16

Edição

Seção

Artigos