“Imagina ela nua!”: Experiências de mulheres que se autodeclaram gordas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2020v28n260118

Resumo

Buscamos compreender os significados que mulheres que se autodeclaram gordas atribuem às suas experiências corporais cotidianas. Foi realizada uma pesquisa qualitativa de base fenomenológica envolvendo cinco interlocutoras, com idades entre 18 a 46 anos. Utilizou-se a entrevista semiestruturada como técnica de coleta de dados. A análise do material se deu por uma perspectiva fenomenológica e apontou os preconceitos sofridos, mas também as estratégias elaboradas por essas mulheres em sua rotina. Destacamos, ao fim, a necessidade de se ampliar as reflexões sobre a temática dentro das produções teóricas feministas e dos estudos de gênero.

Referências

ABREU, Flávia Sá de. GG: Genuinamente Gostosas: um estudo das representações visuais das mulheres gordas. 2017. Trabalho de Conclusão de Graduação (Comunicação Social – Publicidade e Propaganda) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

ALMEIDA, Talita Leão de. Uma beleza que vem da tristeza de se saber mulher: representações sociais do corpo feminino. 2009. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

ANGELI, Daniela. “Uma breve história das representações do corpo feminino na sociedade”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, n. 2, p. 243-245, maio/ago. 2004.

ARRAES, Jarid. “Gordofobia como questão política e feminista”. Revista Fórum, 2014. Disponível em https://www.revistaforum.com.br/digital/163/gordofobia-como-questao-politica-e-feminista/. Acesso em 08/02/2018.

BETTI, Marcella Uceda. Beleza sem medidas? Corpo, gênero e consumo no mercado de moda plus size. 2014. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

BETTI, Marcella Uceda. “Gênero e Consumo no mercado de moda plus size”. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO, 10, 2013, Florianópolis, USFC. Anais... Florianópolis: UFSC, 2013, p. 1-12.

BRAGA, Camila Bahia. “‘Nem sempre fica evidente pelo que estão me discriminando’”. Revista Cláudia, 2017. Disponível em https://claudia.abril.com.br/noticias/jesz-ipolito-gordofobiadiscriminando-negra-lesbica/. Acesso em 04/02/2018.

ÉPOCA NEGÓCIOS. “Para afastar gordas, Abercrombie se recusa a fazer roupas largas”. Revista Época Negócios, 2013. Online. Disponível em https://epocanegocios.globo.com/Inspiracao/Empresa/noticia/2013/05/para-afastar-gordas-abercrombie-se-recusa-fazer-roupas-largas.html. Acesso em 01/02/2018.

ESTADÃO. “Ativista responde piada considerada gordofóbica de Danilo Gentili”, Estadão, São Paulo, 2017. Disponível em http://emais.estadao.com.br/noticias/gente,youtuber-responde-piadaconsiderada-gordofobica-de-danilo-gentili,70002132227. Acesso em 01/02/2018.

FERRANI, Maria das Graças C. et al. “Auto-imagem corporal de adolescentes atendidos em um programa multidisciplinar de assistência ao adolescente obeso”. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife, v. 5, n. 1, p. 27-33, jan./mar. 2005.

FISCHLER, Claude. “Obeso benigno, obeso maligno”. In: SANT’ANNA, Denise (Org.). Políticas do corpo: Elementos para uma história das práticas corporais. São Paulo: Estação Liberdade, 1995. p. 69-79.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2008.

FREITAS, Clara Maria Silveira Monteiro de et al. “O padrão de beleza corporal sobre o corpo feminino mediante o IMC”. Rev. bras. Educ. Fís. Esporte, São Paulo, v. 24, n. 3, p. 389-404, jul./set. 2010.

GOLDENBERG, Mirian; RAMOS, Marcelo Silva. “A civilização das formas: o corpo como valor”. In: GOLDENBERG, Mirian (Org.). Nu & Vestido: dez antropólogos revelam a cultura do corpo carioca. Rio de Janeiro; São Paulo: Record, 2002. p. 19-33.

GONÇALVES, Clarissa Azevedo. “O ‘peso’ de ser muito gordo: um estudo antropológico sobre obesidade e gênero”. Mneme – Revista de Humanidades, Caicó, v. 5, n. 11, p. 599-642, jul./set. 2004.

LE BRETON, David. A sociologia do corpo. Petrópolis: Vozes, 2007.

LIPOVETSKY, Gilles. O Império do efêmero – a moda e seus destinos na sociedade moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

MATTOS, Rafael da Silva; LUZ, Madel Therezinha. “O estigma da gordura e as práticas corporais de saúde como produtoras de sentidos para o viver”. Coleção Pesquisa em Educação Física, v. 8, n. 4, p. 209-216, 2009.

MÉLO, Roberta de Sousa. Da visibilidade dos corpos disformes: um estudo sobre cirurgias cosméticas malsucedidas. 2012. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

MIELI, Paola. Sobre as manipulações irreversíveis do corpo e outros textos psicanalíticos. Rio de Janeiro: Contra Capa/Corpo Freudiano do Rio de Janeiro, 2002.

MINAYO, Maria Cecília S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 5. ed. São Paulo; Rio de Janeiro: Hucitec; ABRASCO, 1998.

MOREIRA, Virgínia. “O método fenomenológico de Merleau-Ponty como ferramenta crítica na pesquisa em psicopatologia”. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 17, n. 3, p. 447-456, 2004.

NÉSPOLI, Natália; NOVAES, Joana Vilhena; ROSA, Carlos Mendes. “O corpo na cultura: obesidade como doença, biopolítica e normalização”. DESAFIOS, Tocantins, v. 1, n. 2, p. 149-168, jan./jun. 2015.

OLIVEIRA, Deíse Moura de; MERIGHI, Miriam Aparecida Barbosa; JESUS, Maria Cristina Pinto de. “A decisão da mulher obesa pela cirurgia bariátrica à luz da fenomenologia social”. Rev. Esc. Enferm. USP, São Paulo, v. 48, n. 6, p. 970-976, 2014.

ORBACH, Susie. Fat is a feminist issue: the anti-diet guide to permanent weight loss. New York: Paddington Press, 1978.

RANGEL, Natália Fonseca de Abreu. “A emergência do ativismo gordo no Brasil”. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO & WOMEN’S WORLDS CONGRESS, 11 e 13, 2017, Florianópolis, UFSC. Anais... Florianópolis: UFSC, 2017. p. 1-13.

RIBEIRO, Luiza Santos Junqueira. Gorda: processo de criação e realização de curta-metragem documentário. 2016. Trabalho de Conclusão de Graduação (Comunicação – Habilitação em Radialismo) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

RODRIGUES, Ramilla; ARCOVERDE, Vanessa. Cinderela não é gorda: Análise da personagem Perséfone na novela Amor à Vida. 2014. Trabalho de Conclusão de Graduação (Comunicação Social – Jornalismo) – Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

SANT’ANNA, Denise Bernuzzi. Gordos, magros e obesos: uma história de peso no Brasil. São Paulo: Liberdade, 2016.

SCOTT, Joan. “Gênero: uma categoria útil de análise histórica”. Revista Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 5-22, 1990.

SILVA, Ana Márcia. “Corpo e diversidade cultural”. Rev. Bras. Cienc. Esporte, Brasília, v. 23, n. 1, p. 87-98, set. 2001.

STENZEL, Lucia Marques. Obesidade: o peso da exclusão. 2. ed. Porto Alegre: EDPUCRS, 2003.

VIGARELLO, Georges. As metamorfoses do gordo. História da obesidade. Petrópolis: Vozes, 2012.

Downloads

Publicado

2020-09-16

Edição

Seção

Artigos