Representações de gênero em Vira-Vira, Violeta

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2020v28n267748

Palavras-chave:

Gênero, Ecofeminismo, Literatura Infantojuvenil

Resumo

LACERDA, Socorro. Vira-vira, Violeta. Petrolina, PE: Edição da Autora, 2017.

Biografia do Autor

Rozeane Porto Diniz, Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal Rural de Pernambuco.

Pós-Doutoranda em História pela UFRPE. Doutora e Mestra em Literatura e Interculturalidade pela UEPB. Mestra em História pela UFPB. Participa do Núcleo de Investigações e Intervenções em Tecnologias Sociais/NINETS, do Grupo de Pesquisa: Estudos de Gênero e de sexualidades, ambos da Universidade Estadual da Paraíba e do Laboratório de Estudos e Intervenções em Patrimônio Cultural e Memória Social/LEPAM da UFRPE.

Geam Karlo-Gomes, Universidade de Pernambuco

Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Literatura e Interculturalidade (UEPB), com concentração de estudo na linha de pesquisa Literatura e Hermenêutica. É líder do ITESI-UPE-CNPq. Atualmente é professor da Universidade de Pernambuco. Orienta dissertações de mestrado no Programa de Pós-Graduação em Formação de Professores e Práticas Interdisciplinares.

Referências

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos. Trad. de Vera da Costa e Silva. Rio de Janeiro: José Olympio, 2017.

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano: a essência das religiões. Trad. de Rogério Fernandes. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

LACERDA, Socorro. Vira-vira, Violeta. Petrolina, PE: Edição da Autora, 2017.

NOLASCO, Sócrates. De Tarzan a Homer Simpson: banalização e violência masculina em sociedades contemporâneas ocidentais. Rio de Janeiro, Rocco, 2001.

PRIORE, Mary Del. História do amor no Brasil. São Paulo: Contexto, 2006.

WITTIG, Monique. “Ninguém nasce mulher”. In: CASTILHOS, Clarisse; PESSAH, Marian. (Orgs.) Em rebeldia da bloga ao livro. Porto Alegre: Coleção Libertaria, 2009. p. 237-248.

Downloads

Publicado

2020-09-16

Edição

Seção

Resenhas