Famílias de setores populares e escolarização: acompanhamento escolar e planos de futuro para filhos e filhas

Marília Pinto de Carvalho, Tatiana Avila Loges, Adriano Souza Senkevics

Resumo


Com o objetivo de compreender a influência da socialização familiar nas diferenças
entre o desempenho escolar de meninas e meninos, foi realizado estudo qualitativo junto a oito famílias de setores populares na cidade de São Paulo. Este artigo enfoca a presença dos
responsáveis no cotidiano escolar e os projetos de futuro traçados por adultos e crianças. A
mobilização das famílias na escolha da escola não apresentava diferenças conforme o sexo
do filho/a, mas pais e mães acompanhavam mais estritamente a escolarização dos meninos.
Havia a expectativa de que os meninos entrassem para o mercado de trabalho em torno dos 16 anos e, paralelamente, as meninas eram responsabilizadas desde antes dos 10 anos por tarefas domésticas. E havia diferenças sutis nas expectativas parentais de profissão e escolarização, mais altas para os filhos, apesar de suas irmãs apresentarem melhor desempenho na escola e traçarem planos profissionais mais ambiciosos.


Palavras-chave


Gênero; Escolarização; Socialização; Família; Setores Populares Urbanos

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/%25x

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.