Cultura da computação para além da normatividade: participações e produções

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2021v29n260462

Palavras-chave:

cultura da computação, oficinas participativas, questões de gênero

Resumo

A área de computação pode ser considerada um espaço normativo nas perspectivas de gênero e, apesar das recentes problematizações que vêm ocorrendo, as discussões sobre as questões de exclusão, invisibilização e apagamento de figuras históricas ainda são incipientes. Seguindo esta reflexão, neste artigo, pretendemos questionar a cultura da computação enquanto construída pelos sujeitos da norma, abordando estas questões de forma participativa, a fim de promover espaços de fala e de atuação que estão relacionados a mudanças culturais, práticas e filosóficas da área. Essas discussões ocorreram em oficinas participativas e, como desdobramento, foram desenvolvidos dois artefatos para proporcionar a visibilização de figuras históricas desconsideradas pela área, a apresentação de conceitos da computação a partir da diversidade, fomentando os debates sobre gênero na área de computação.

Biografia do Autor

Leander Cordeiro Oliveira, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Programa de Pós-graduação em Tecnologia e Sociedade (PPGTE) - Linha Mediações e Culturas

Pricila Castelini, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Programa de Pós-graduação em Tecnologia e Sociedade (PPGTE) - Linha Mediações e Culturas

Patricia da Silva Leite, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Programa de Pós-graduação em Tecnologia e Sociedade (PPGTE) - Linha Mediações e Culturas

Leonelo Dell Anhol Almeida, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Programa de Pós-graduação em Tecnologia e Sociedade (PPGTE) - Linha Mediações e Culturas; Departamento de Informática (DAINF)

Marília Abrahão Amaral, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Programa de Pós-graduação em Tecnologia e Sociedade (PPGTE) - Linha Mediações e Culturas; Departamento de Informática (DAINF)

Referências

ADAMS, Ernest. Fundamentals of game design. Berkeley: Pearson Education, 2010.

BARDZELL, Shaowen. “Feminist HCI: taking stock and outlining an Agenda for Design”. In: CHI 2010: HCI FOR ALL. 2010, Atlanta-USA. Proceedings of the SIGCHI Conference on Human Factors in Computing Systems. Nova Iorque: Association for Computing Machinery, 2010. p. 1301-1310. Disponível em http://wtf.tw/ref/bardzell.pdf. Acesso em 10/11/2018.

BARDZELL, Shaowen. “Utopias of Participation: Feminism, Design, and the Futures”. ACM Transactions on Computer-Human Interaction, Nova Iorque, v. 25, n. 1, p. 1-24, fev. 2018. Disponível em https://doi.org/10.1145/3127359. Acesso em 13/11/2018.

BARDZELL, Shaowen; BARDZELL, Jeffrey. Humanistic HCI: synthesis lectures on Human-Centered Informatics. San Rafael: Morgan & Claypool Publishers, 2015. DOI http://dx.doi.org/10.2200/S00664ED1V01Y201508HCI031

BILIMORIA, Diana; STEWART, Abigail J. “‘Don’t Ask, Don’t Tell’: The Academic Climate for Lesbian, Gay, Bisexual, and Transgender Faculty in Science and Engineering”. NWSA Journal, Baltimore, v. 21, n. 2, p. 85-103, nov. 2009. Disponvel em https://www.jstor.org/stable/20628175?seq=1. Acesso em 13/11/2018.

BØDKER, Susanne; KYNG, Morten. “Participatory Design that Matters - Facing the Big Issues”. ACM Transactions on Computer-Human Interaction, Nova Iorque, v. 25, n. 1, p. 1-31, fev. 2018. Disponível em https://doi.org/10.1145/3152421. Acesso em 13/11/2018.

CASTELINI, Pricila. Mulheres na computação: percepções, memórias e participação de estudantes e egressas. 2018. Mestrado em Tecnologia e Sociedade - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil. Disponível em http://repositorio.utfpr.edu.br:8080/jspui/handle/1/2944. Acesso em 20/11/2018.

CECH, Erin A.; WAIDZUNAS, Tom J. “Navigating the heteronormativity of engineering: the experiences of lesbian, gay, and bisexual students”. Engineering Studies, Londres, v. 3-1, p. 1-24, fev. 2011. Disponível em https://doi.org/10.1080/19378629.2010.545065. Acesso em 20/11/2018.

COUTO, Luis Flávio Silva; SOUZA, Marcelo Fonseca Gomer de. “O estruturalismo em Jacques Lacan: da apropriação à subversão da corrente estruturalista no estabelecimento de uma teoria do sujeito do inconsciente”. Ágora, Rio de Janeiro, v. XVI, n. 2, p. 185-200, jul. 2013. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/agora/v16n2/v16n2a01.pdf. Acesso em 04/12/2018.

DE LAURETIS, Teresa. Technologies of gender: Essays on Essays on theory, film, and fiction. Indiana: Indiana University Press, 1987.

GROGAN, Abi. “‘It’s never good to carry a secret…’. Findings of the E&T magazine lesbian, gay, bisexual and transgender (LGBT) survey”. Engineering & Technology, v. 9, ed. 7, p. 40-42. ago. 2014. Disponível em https://ieeexplore.ieee.org/stamp/stamp.jsp?arnumber=6882921. Acesso em 04/10/2018.

HARRISON, Steve; TATAR, Deborah; SENGERS, Phoebe. “The three paradigms of HCI”. In: CHI CONFERENCE ON HUMAN FACTORS IN COMPUTING SYSTEMS (Alt. Chi. Session). 2007. p. 1-18. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/215835951_The_three_paradigms_of_HCI.

HIRATA, Helena; KERGOAT, Danièle. “Novas configurações da divisão sexual do trabalho”. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 132, p. 595-609, set. 2007. Disponível em https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-15742007000300005&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 01/11/2020.

HUGHES, Thomas P. “The seamless web: technology, science, etcetera, etcetera”. Social Studies of Science, v. 16, n. 2, p. 281-292, 1986. Disponível em http://www.jstor.org/stable/285206. Acesso em 01/11/2020.

JUNGK, Robert; MÜLLERT, Norbert. Future Workshops: How to create desirable futures. Londres: Institute of Social Inventions, 1987.

LEAVITT, David. O homem que sabia demais: Alan Turing e a invenção do computador. Ribeirão Preto: Novo Conceito, 2006.

LIGHT, Ann. “HCI as Heterodoxy: Technologies of Identity and the Queering of Interaction with Computers”. Interacting with Computers, v. 23, n. 5, p. 430-438, set. 2011.

LIMA, Michelle Pinto. “As mulheres na Ciência da Computação”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 21, n. 3, p. 793-816, set. 2013. Disponível em https://doi.org/10.1590/S0104-026X2013000300003. Acesso em 11/11/2018.

MARTINS, Maria do Carmo. “Ada Lovelace: a primeira programadora da história”. Correio dos Açores, Açores, p. 14, jul. 2016. Disponível em https://repositorio.uac.pt/bitstream/10400.3/4025/1/Ada-Lovelace-28-julho-2016-%28digitalizacao-CA%29.pdf. Acesso em 21/11/2018.

MERKLE, Luiz Ernesto; AMARAL, Marília Abrahão. “O espectro de uma terceira onda: questões e desafios da educação formal em IHC em uma instituição brasileira”. In: IV WORKSHOP SOBRE ENSINO DE IHC (WEIHC 2013), 4, 2013, Manaus, 2013, p. 19-24. Disponível em https://pdfs.semanticscholar.org/9d50/084648cebd6cee7189892f87dd47d2c87bd1.pdf?_ga=2.42078380.829978364.1539715405-1589682503.1539715405. Acesso em 16/10/2018.

MULLER, Michael J.; HASLWANTER, Jean Hallewell; DAYTON, Tom. “Participatory Practices in the Software Lifecycle”. In: HELANDER, Martin G.; LANDAUER, Thomas K.; PRABHU, Prasad V. (Eds.). Handbook of Human-Computer Interaction. Amsterdã: Elsevier Science, 1997. p. 255-297.

PAAR, Christof; PELZL, Jean. Understanding Cryptography: A Textbook for Students and Practitioners. Berlin: Springer-Verlag, 2010.

PEDRO, Joana Maria. “Relações de gênero como categoria transversal na historiografia contemporânea”. Topoi, Rio de Janeiro, v. 12, n. 22, p. 270-283, jan. 2011. Disponível em https://www.scielo.br/pdf/topoi/v12n22/1518-3319-topoi-12-22-00270.pdf. Acesso em 26/11/2020.

ROGERS, Yvonne. HCI theory: classical, modern, and contemporary. San Rafael: Morgan & Claypool Publishers, 2012.

SABOYA, Maria Clara Lopes. Alunas de engenharia elétrica e ciência da computação: estudar, inventar, resistir. 2009. Doutorado em Educação - Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. Disponível em http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-15092009-153720/ptbr.php. Acesso em 13/11/2018.

SANZ, Beatriz. “Quem são as cientistas negras brasileiras?”. El País Brasil [online], São Paulo, 2017. Disponível em https://brasil.elpais.com/brasil/2017/02/24/ciencia/1487948035_323512.html. Acesso em 01/07/2020.

SÁNZ, Verónica. “Género en el ‘contenido’ de la tecnología: ejemplos en el diseño de software”. Revista Iberoamericana de Ciencia, Tecnología y Sociedad, Buenos Aires, v. 11, n. 31, 2016. Disponível em http://www.scielo.org.ar/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S185000132016000100006. Acesso em 13/11/2018.

SPINUZZI, Clay. “A Scandinavian challenge, a US response: methodological assumptions in Scandinavian and US prototyping approaches”. In: CONFERENCE ON COMPUTER DOCUMENTATION, 20, 2002, Nova Iorque, Proceedings of the 20th Annual International Conference on Computer Documentation. Nova Iorque: Association for Computing Machinery, 2002. p. 208-215. Disponível em https://dl.acm.org/doi/10.1145/584955.584986. Acesso em 10/11/2018.

STAR, Susan Leigh. “Power, Technology and the Phenomenology of Conventions”. In: LAW, John (Org.). A Sociology of Monsters. London: Routledge, 1991.

STOUT, Jane G.; WRIGHT, Heather M. “Lesbian, Gay, Bisexual, Transgender, and Queer Students’ Sense of Belonging in Computing: An Intersectional Approach”. Computing in Science & Engineering, v. 18, n. 3, p. 24-30, 2016. Disponível em https://doi.org/10.1109/MCSE.2016.45. Acesso em 11/10/2018.

TRENSHAW, Kathryn F.; HETRICK, Ashley; OSWALD, Ramona F.; VOSTRAL, Sharra L.; LOUI, Michael C. “Lesbian, Gay, Bisexual, and Transgender Students in Engineering: Climate and Perceptions”. In: 43rd IEEE ANNUAL FRONTIERS IN EDUCATION CONFERENCE (FIE), 43, 2013, Oklahoma. Proceedings - Frontiers in Education Conference, Oklahoma, p. 1238-1240, 2013.

VIDAL, Rene Victor Valqui. “The Future Workshop: Democratic problem solving”. Economic Analysis Working Papers (2002-2010). Atlantic Review of Economics (2011-2016), Colexio de Economistas de A Coruña, Spain and Fundación Una Galicia Moderna, v. 5, p. 1-25, 2006. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/46542051_The_Future_Workshop_Democratic_problem_solving.

WAJCMAN, Judy. El tecnofeminismo. Madrid: Ediciones Cátedra, 2006.

WAJCMAN, Judy. “Feminist theories of technology”. Cambridge Journal of Economics, v. 34, ed. 1., p. 143-152, jan. 2010. Doi: https://doi.org/10.1093/cje/ben057.

Downloads

Publicado

2021-10-21

Edição

Seção

Artigos