Linn da Quebrada e os engajamentos performativos com as mídias digitais: uma análise sociológica de uma trajetória artística dissidente de gênero

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2021v29n267834

Palavras-chave:

Linn da Quebrada, Engajamentos performativos, Mídias digitais, Gênero, Sexualidade.

Resumo

No artigo, analisamos o uso das mídias digitais por Linn da Quebrada, artista dissidente em termos de gênero, sexualidade, raça e classe social. Linn se identifica enquanto bixa, preta, ora travesti, ora transexual e “da quebrada”, tendo conquistado certa visibilidade midiática a partir da publicação de produções audiovisuais no YouTube. A abordagem metodológica consistiu em etnografia digital por perambulação, na qual percorremos os fluxos de relações constituídas pela artista a partir do uso do YouTube, nos anos de 2016 e 2017, visando refletir sobre os engajamentos performativos que ela adotou em plataformas digitais. Também demonstramos como a emergência da artista se dá a partir da problematização das normas de gênero e sexualidade, em momento de acirramento do debate político sobre essas mesmas no país e da consolidação de uma configuração midiática altamente segmentada em uma sociedade digital.

Biografia do Autor

Patrick Borges Ramires de Souza

Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). É bacharel em Direito formado pela Universidade Regional Integrada, campus Santiago, e mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Santa Maria. Integrou, entre os anos de 2016 a 2018, o Coletivo VOE de Diversidade Sexual, e desde 2017 é integrante do NEERD (Núcleo de Estudos em Emoções e Realidades Digitais). Atualmente, é doutorando em Ciências Sociais pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Fernando de Figueiredo Balieiro, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Doutor e Professor Adjunto do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). É autor de artigos e livros voltados às mídias e às diferenças em perspectiva sociológica afinada com os estudos culturais. Atualmente, é um dos coordenadores do GT de Sociologia Digital do Congresso Brasileiro de Sociologia.

Referências

ABSOLUT VODKA. Absolut Art Resistance, 23/11/2017. Disponível em https://www.absolutartresistance.com.br/. Acesso em 06/08/2019.

ÁVILA, Simone. Transmasculinidades: A emergência de novas identidades políticas e sociais. 1. ed. Rio de Janeiro: Simmer & Amorim Edição e Comunicação Ltda., 2014.

BALIEIRO, Fernando de Figueiredo. “‘Não se meta com meus filhos’: a construção do pânico moral da criança sob ameaça”. Cadernos Pagu, n. 53, 2018. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0104-83332018000200406&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 29/01/2019.

BAYM, Nancy K. Playing to the crowd: musicians, audiences, and the intimate work of connection. New York: New York University Press, 2018.

BRAH, Avtar. “Diferença, Diversidade, Diferenciação”. Cadernos Pagu, Campinas, Núcleo de Estudos de Gênero Pagu, n. 26, p. 329-376, 2006.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. 13. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

CARVALHO, Mario Felipe de Lima; CARRARA, Sérgio. “Ciberativismo trans: considerações sobre uma nova geração militante”. Contemporânea, comunicação e cultura, v. 13, n. 2, p. 382-400, maio/ago. 2015. Disponível em https://portalseer.ufba.br/index.php/contemporaneaposcom/article/view/13865. Acesso em 06/08/2019.

CASTELLS, Manuel. O poder da comunicação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015. (cap. 2)

COLLING, Leandro. “A emergência dos artivismos das dissidências sexuais e de gênero no Brasil da atualidade”. Revista Sala Preta, v. 18, n. 1, 2018. Disponível em http://www.revistas.usp.br/salapreta/article/view/125684. Acesso em 06/08/2019.

COLLING, Leandro; SOUZA, Alexandre Nunes de; SENA, Francisco Soares. “Enviadescer para produzir interseccionalidades”. In: OLIVEIRA, João Manuel de; AMÂNCIO, Lígia. Gêneros e Sexualidades: Interseções e Tangentes. Lisboa: Centro de Investigação e Intervenção Social, 2017. p. 193-214.

GENARI, Tayná Ribeiro. Processos de Identificação de gênero e Transexualidades na Era das mídias digitais. 2017. Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Sociologia) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, Brasil.

GLOBO PLAY. Amor & Sexo, 02/03/2017. Disponível em https://globoplay.globo.com/v/5695481/. Acesso em 10/01/2019.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Rio de Janeiro, 2015. Disponível em https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv98887.pdf. Acesso em 07/01/2019.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, com foco para Acesso à Internet e à Televisão e Posse de Telefone Móvel Celular Para uso Pessoal. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv99054.pdf. Acesso em 07/01/2019.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. Rio de Janeiro, 2017. Disponível em https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/pesquisas/pesquisa_resultados.php?id_pesquisa=149. Acesso em 07/01/2019.

LEITÃO, Débora Krishke; GOMES, Laura Graziela. “Gênero, sexualidade e experimentação de si em plataformas digitais on-line”. Civitas, Porto Alegre, v. 18, n. 1, p. 171-186, jan./abr. 2018. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/civitas/v18n1/1519-6089-civitas-18-01-0171.pdf. Acesso em 14/04/2018.

LEITÃO, Débora Krishke; GOMES, Laura Graziela. “Etnografia em ambientes digitais: perambulações, acompanhamentos e imersões”. Revista Antropolítica, Niterói, n. 42, p. 41-65, 2017. Disponível em http://www.revistas.uff.br/index.php/antropolitica/article/view/546. Acesso em 06/07/2019.

LEITE JUNIOR, Jorge. “Nossos corpos também mudam”: Sexo, gênero e a invenção das categorias “Travesti” e “Transexual” no discurso científico. 2008. Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais) - Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, SP, Brasil. Disponível em https://tede2.pucsp.br/bitstream/handle/3992/1/Jorge%20Leite%20Junior.pdf. Acesso em 28/04/2018.

LEITE JUNIOR, Jorge. “Travestis brasileiras e exotismo sexual”. Ciências Sociais Unisinos, São Leopoldo, v. 50, n. 1, p. 41-47, jan./abr. 2014.

LINN DA QUEBRADA feat. “As Bahias e a Cozinha Mineira, Absolutas”. YouTube, 24/11/2017 (3m33s). Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=uunqc97qexU. Acesso em 06/08/2019.

LINN DA QUEBRADA. “MC Linn da Quebrada - Enviadescer - Clipe Oficial”. YouTube, 25/05/2016 (2m54s). Direção: Isabela Ribeiro, John Halles e Thiago Felix. Produção: Thiago Felix, Verônica Vieira, Luciana Rabassallo e Sentidos Produções. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=saZywh0FuEY. Acesso em 05/07/2019.

MISKOLCI, Richard; PEREIRA, Pedro Paulo Gomes. “Educação e Saúde em disputa: movimentos anti-igualitários e políticas públicas”. Interface (Botucatu. Online), v. 23, e180353-14, 2019.

MISKOLCI, Richard. “Prefácio”. In: ÁVILA, Simone. Transmasculinidades: A emergência de novas identidades políticas e sociais. 1. ed. Rio de Janeiro: Simmer & Amorim Edição e Comunicação Ltda, 2014.

MISKOLCI, Richard. “Sociologia Digital: notas sobre pesquisa na era da conectividade”. Contemporânea, v. 6, n. 2, p. 275-297, jul.-dez. 2016. Disponível em http://www.contemporanea.ufscar.br/index.php/contemporanea/article/view/525. Acesso em 06/08/2019.

MISKOLCI, Richard. Desejos digitais: uma análise sociológica da busca por parceiros on-line. 1 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

MISKOLCI, Richard; BALIEIRO, Fernando de Figueiredo. “Sociologia Digital: balanço provisório e desafios”. Revista Brasileira de Sociologia, v. 06, n. 12, jan./abr. 2018. Disponível em http://www.sbsociologia.com.br/rbsociologia/index.php/rbs/article/view/352. Acesso em 06/08/2019.

NEXO JORNAL. “A música e os corpos políticos com Linn da Quebrada”. YouTube, 17/05/2018 (11m42s). Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=W17OoImPFV4&t=189s. Acesso em 02/07/2019.

PATRICIO, Maria Cecília. “No Truque: fluxos migratórios de travestis brasileiras à Espanha sob uma perspectiva transnacional”. Carta Internacional, 2009.

PELÚCIO, Larissa. “‘Toda Quebrada na Plástica’: Corporalidade e construção de gênero entre travestis paulistas”. Campos, v. 6, p. 97-112, jan./fev. 2005.

PELÚCIO, Larissa. Abjeção e desejo: uma etnografia travesti sobre o modelo preventivo de aids. São Paulo: Annablume: Fapesp, 2009.

PELÚCIO, Larissa. “Desejos, brasilidades e segredos: o negócio do sexo na relação entre clientela espanhola e travestis brasileiras”. Bagoas, n. 06, p. 243-266, 2011a.

PELÚCIO, Larissa. “Próteses, desejos e glamour: tecnologias de si na construção de corpos travestis no mercado do sexo transnacional”. In: SANTOS, Luís Henrique Sacchi dos; RIBEIRO, Paula Regina Costa (Orgs.). Corpo, gênero e sexualidade: instâncias e práticas de produção nas políticas da própria vida. Rio Grande: EDFURG, 2011b. p. 77-86.

QUEIROZ, Flávio de Araújo. Ney Matogrosso: sentimento contramão, transgressão e autonomia artística. 2009. Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Sociologia) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil.

REGINA VOLPATO. “Ser bixa preta e enviadescer / Prazer, eu sou Mc Linn da Quebrada!” YouTube, 06/09/2016 (11m51s). Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=jBEKL9lnYGA. Acesso em 05/07/2019.

SOLIVA, Thiago Barcelos. “Sobre o talento de ser fabulosa: os ‘shows de travestis’ e a invenção da ‘travesti profissional’”. Cadernos Pagu, n. 53, 2018. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/cpa/n53/1809-4449-cpa-18094449201800530014.pdf. Acesso em 06/08/2019.

SOUZA, Patrick Borges Ramires de. Bixa, Preta, Trans e Periférica: Linn da Quebrada e as performatividades de gênero dissidentes com as mídias digitais. 2019. Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.

TEIXEIRA, Flávia do Bonsucesso. “L’Italia dei Divieti: entre o sonho de ser europeia e o badalo da prostituição”. Cadernos Pagu, n. 31, p. 275-308, jul./dez. 2008. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/cpa/n31/n31a13.pdf. Acesso em 06/08/2019.

TGEU. TRANSGENDER EUROPE. “TMM annual report”. TvT Publication Series, Berlin, v. 14, 2016. Disponível em https://transrespect.org/wp-content/uploads/2016/11/TvT-PS-Vol14-2016.pdf. Acesso em 08/02/2019.

VAN DIJCK, José. La cultura de la conectividad. Buenos Aires: Siglo Veintiuno Editores, 2016.

Downloads

Publicado

2021-10-21

Edição

Seção

Artigos