Apontamentos materialistas à interseccionalidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2021v29n176725

Palavras-chave:

feminismo materialista, feminismo interseccional, Saffioti, Crenshaw, Direito

Resumo

A partir dos ensinamentos de Heleieth Saffioti, este artigo desenvolve questões elaboradas pelo feminismo materialista ao feminismo interseccional, expondo limites para a utilização da interseccionalidade enquanto método de análise da realidade. Assim, primeiramente, o artigo apresenta a perspectiva da interseccionalidade desenvolvida pela professora e advogada norte americana Kimberlé Crenshaw e, para tanto, seleciona, traduz e analisa trechos de documentos oficiais de dois casos notórios de discriminação contra mulheres negras nos EUA. Em seguida, debate quatro questões dirigidas à interseccionalidade e desenvolvidas no seio de estudos feministas que utilizam o materialismo histórico dialético como método de análise da realidade, em especial, as obras da socióloga brasileira Heleieth Saffioti.

Biografia do Autor

Isis Dantas Menezes Zornoff Táboas, Universidade de Brasília

Doutora em Direito, Estado e Constituição pela Universidade de Brasília (UnB), com estágio doutoral sanduíche no International Institute of Social Studies da Universidade de Rotterdam, Holanda. É mestra em Direitos Humanos e Cidadania, vencedora do Prêmio UnB Dissertação 2015, eixo Direitos Humanos, que originou o livro de sua autoria É LUTA! Feminismo camponês popular e enfrentamento à violência.

Referências

AFRICAN AMERICAN POLICY FORUM (AAPF). Our mission. New York, 2021. Disponível em https://www.aapf.org/. Acesso em 22/04/2021.

CISNE, Mirla. Feminismo e consciência de classe no Brasil. São Paulo: Cortez, 2014.

COLLINS, Patricia Hill. Black feminist thought: knowledge, consciousness, and the politics of empowerment. New York: Routledge, 2000.

CRENSHAW, Kimberlé. “A construção jurídica da igualdade e da diferença”. In: DORA, Denise Dourado (Org.). Feminino masculino: igualdade e diferença na justiça. Porto Alegre: Sulina, 1997. p. 17-26.

CRENSHAW, Kimberlé. “Desmarginalizing the intersection of race and sex: a black feminist critique of antidiscrimination doctrine, feminist theory and antiracist politics”. In: UNIVERSITY OF CHICAGO LEGAL FORUM, v. 1989, article 8 [online]. Chicago: University of Chicago, 1989. Disponível em http://chicagounbound.uchicago.edu/uclf/vol1989/iss1/8. Acesso em 25/07/2017.

CRENSHAW, Kimberlé. “Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero”. Revista Estudos Feministas, v. 10, n. 1, p. 171-188, 2002. ISSN 1806-9584. Disponível em https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2002000100011&lng=pt&tlng=pt. Acesso em 10/07/2018.

CRENSHAW, Kimberlé. “Mapping the margins: intersectionality, identity politics, and violence against women of color”. Stanford Law Review, Palo Alto, v. 43, p. 1.241-1.299, jul. 1991.

CRENSHAW, Kimberlé. “Why intersectionality can’t wait”. The Washington Post, Opinion, [online]. Washington, 24/09/2015. Disponível em https://www.washingtonpost.com/news/in-theory/wp/2015/09/24/why-intersectionality-cant-wait/?postshare=5351443143466154&utm_term=.3d14eaafc9c4. Acesso em 23/07/2017.

DEGRAFFENREID V. GENERAL MOTORS ASSEMBLY DIV., ETC., 413 F. Supp. 142 (E. D. Mo. 1976), [Memorando assinado pelos juízes da Corte de Missouri, EUA, em 04/05/1976]. Disponível em http://law.justia.com/cases/federal/district-courts/FSupp/413/142/1660699/. Acesso em 20/06/2017.

DEGRAFFENREID V. GENERAL MOTORS ASSEMBLY DIV., ETC., 413 F. Supp. Court of Appeal, 15/07/1977. [Tribunal de Recursos: caso DeGraffenreid v. General Motors, em 15/07/1977]. Disponível em http://faculty.law.miami.edu/zfenton/documents/DeGraffenreidv.GM.pdf. Acesso em 21/07/2017.

FERREIRA, Verônica et al. (Orgs.) Patriarcado desvendado: teorias de três feministas materialistas: Colette Guillaumin, Paola Tabet e Nocole-Claude Mathieu. Recife: SOS Corpo, 2014.

HANCOCK, Ange-Marie. “Empirical intersectionality: a tale of two approaches”. UC Irvine Law Review, Irvine, v. 3, p. 259-296, 2013.

HILL, Anita. Opening statement to the Senate Judiciary Committee, 11/10/1991. Disponível em http://www.americanrhetoric.com/speeches/PDFFiles/Anita%20Hill%20-%20Opening%20Statement.pdf. Acesso em 24/07/2017.

HIRATA, Helena. “Gênero, classe e raça: interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais”. Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 61-73, jun. 2014.

KERGOAT, Daniéle. “Dinâmica e consubstancialidade das relações sociais”. Novos Estudos Cebrap, São Paulo, n. 86, p. 93-103, mar. 2010.

SAFFIOTI, Heleieth. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. 3. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado, violência. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular; Fundação Perseu Abramo, 2015.

THOMAS, Clarence. “Nomination of Judge Clarence Thomas to be Associate Justice of the Supreme Court of the United States”. Hearings before the Committee on the Judiciary United States Senate. Washington: U.S. Government Printing Office, 1993.

Downloads

Publicado

2021-07-21

Edição

Seção

Heleieth Saffioti – 50 anos d’A Mulher na Sociedade de Classes