A generificação dos corpos de atletas trans e políticas de biologização do sexo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2021v29n279304

Palavras-chave:

Esporte, Gênero, Sexualidade, Biotecnologia, Dispositivo

Resumo

Objetivamos problematizar o esporte enquanto um dispositivo que interpela os corpos a partir de saberes biológicos e práticas biotecnológicas para a construção de gênero, sexo e sexualidade em atletas. Discutimos essas práticas em situações que envolveram tanto atletas mulheres como transexuais no cenário esportivo nacional e internacional, e os modos como se operaram testes para discernir a que categorias esses sujeitos deveriam pertencer no âmbito esportivo. Nessas situações, os recursos de categorização de sexo, em seus desdobramentos de gênero e sexualidade, foram sustentados sob a égide da biologia e das biotecnologias moleculares e gênicas. Consideramos que a biologia do corpo de atletas não deveria se colocar como recurso discursivo totalizante nas marcações identitárias desses sujeitos.

Biografia do Autor

Fabio Zoboli, Universidade Federal do Sergipe (UFS)

Pós Doutor em Educação do corpo pela Universidad Nacional de La Plata – UNLP/ Argentina. Professor do Departamento do Educação Física e Do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGED) da Universidade Federal de Sergipe – UFS.

George Saliba Manske, Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI

Doutor em Educação (UFRGS). Professor do curso de Educação Física e dos Programas de Pós-graduação em Educação (PPGEDU) e em Saúde e Gestão do Trabalho (PPGSGT) da Universidade do Vale do Itajaí – UNIVALI. Coordenador do Grupo de Estudos e Pesquisas em Estudos Culturais (GEPEC/CNpQ).

 

Eduardo Galak, Universidad Nacional de La Plata (UNLP)

Pós-doutor em Educação, Conhecimento e Integração Social pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG-Brasil). Doutor em Ciências Sociais e Mestre em Educação Corporal pela Universidad Nacional de La Plata – UNLP/Argentina. Pesquisador Adjunto do Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Tecnológicas (CONICET, Argentina). Professor ordinário da Universidad Nacional de La Plata, atuando na graduação e pós-graduação.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Chapecó: ARGOS, 2009.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp, 2008.

BUENO JÚNIOR, Carlos Roberto; PEREIRA, Marcelo Gomes. “A biologia molecular como ferramenta no esporte de alto desempenho: possibilidades e perspectivas”. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Porto Alegre, v. 31, n. 3, p. 231-249, maio 2010. Disponível em https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32892010000300016&lng=es&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em 01/06/2020

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão de identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CAMARGO, Wagner Xavier de. “Dilemas insurgentes no esporte: as práticas esportivas dissonantes”. Movimento, Porto Alegre, v. 22, n. 4, p. 1.337-1.350, out./dez. 2016. Disponível em https://seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/66188. Acesso em 31/05/2020.

CAMARGO, Wagner Xavier de. “O armário da sexualidade no mundo esportivo”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 26, n. 1, e42816, 2018. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/42816. Acesso em 01/06/2020.

CONNELL, Robert William. “La organización social de la masculinidad”. In: VALDÉS, Teresa; OLAVARRIA, José (Orgs.). Masculinidad/es poder y crisis. Santiago, Chile: FLACSO, 1997. p. 31-61.

DURANGO, Jheyner A. “Primera transexual colombiana compite por cupo a Olímpicos de Río”. El Colombiano, 23/04/2016. Disponível em https://www.elcolombiano.com/deportes/otros-deportes/primera-transexual-colombiana-compite-por-cupo-a-olimpicos-de-rio-AF4025534. Acesso em 29/06/2021.

ESPOSITO, Roberto. Bios: biopolítica e filosofia. Tradução de Wander Melo Miranda. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2017.

FAUSTO-STERLING, Anne. “Dualismos em duelo”. Cadernos Pagu, Campinas, n. 17-18, p. 9-79, 2002. Disponível em https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-83332002000100002&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 01/06/2020.

GARCIA, Rafael Marques; PEREIRA, Erik Giuseppe Barbosa. A trajetória pessoal de Tifanny Abreu no esporte de alto rendimento. Movimento, Porto Alegre, v. 25, e25032, 2019. Disponível em https://seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/66188. Acesso em 01/06/2020.

GLOBO ESPORTE. “Envolvida em polêmica, Tiffany desabafa: ‘Força de uma mulher’”. Globo Esporte, Rio de Janeiro, 14/01/2018. Disponível em https://globoesporte.globo.com/programas/esporte-espetacular/noticia/envolvida-em-polemica-tiffany-desabafa-forca-de-uma-mulher.ghtml. Acessado em: 07/04/2020.

GOELLNER, Silvana Vilodre. “Mães fortes fazem filhos fortes”: esporte, eugenia e nacionalismo no Brasil no início do século XX. 2004. Mimeografado.

JAEGER, Angelita Alice; GOELLNER, Silvana Vilodre. “O músculo estraga a mulher? A produção de feminilidades no fisiculturismo”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 3, 2011. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2011000300016. Acesso em 01/06/2020.

ISTO É. “Jogadores de futebol transgênero abrem caminho na Argentina”. Isto é, 24/04/2020. Disponível em https://istoe.com.br/jogadores-de-futebol-transgenero-abrem-caminho-na-argentina/. Acesso em: 18/10/2020.

LE BRETON, David. Rostos: ensaio de antropologia. Tradução de Guilherme João de Freitas Teixeira. Petrópolis: Vozes, 2019.

LEAL, Ignacio. “¿Qué fue de la atleta fantástica?”. La Tercera, 26/02/2020. Disponível em https://www.latercera.com/el-deportivo/noticia/que-fue-de-la-atleta-fantastica/3XLNBZY7QBAK7J5BNQOB5DOH4Y/. Acesso em: 18/10/2020.

LOURO, Guacira Lopes. “Sexualidades contemporâneas: políticas de identidade e de pós identidade”. In: UZIEL, Ana Paula; RIOS, Luis Felipe; PARKER, Richard (Orgs.). Construções da sexualidade: gênero, identidade e comportamento em tempos de AIDS. Rio de Janeiro: Pallas: Programa de Gênero e Sexualidade IMS/UERJ e ABIA, 2004.

MADEIRA, Cláudia. Híbrido: do mito ao paradigma invasor? Lisboa: Editora Mundos Sociais, 2010.

NICHOLSON, Linda. “Interpretando o gênero”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 8, n. 2, 2000. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/11917. Acesso em 01/06/2020.

PRECIADO, Paul. Testo junkie: sexo, drogas e biopolítica na era farmacopornográfica. São Paulo: N-1 edições, 2018.

PRECIADO, Paul. Manifesto contrassexual. Tradução de Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: N-1 edições, 2014.

RABINOW, Paul. “Artificialidade e iluminismo: da sociobiologia à biossociabilidade”. In: RABINOW, Paul. Antropologia da razão. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002. p. 135-157.

SANTOS, Ana. “Corpos transviados, corpos falhados: a arte queer do fracasso no desporto”. Revista Transversos, Rio de Janeiro, n. 14, p. 150-165, dez. 2018. Disponível em https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos/article/view/39335/27598. Acesso em 01/06/2020.

SIBILIA, Paula. O homem pós-orgânico: corpo, subjetividade e tecnologias digitais. 2. ed. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

SILVEIRA, Viviane Teixeira; VAZ, Alexandre Fernandez. “Doping e controle de feminilidade no esporte”. Cadernos Pagu, Campinas, v. 42, p. 447-475, jan./jun. 2014. Disponível em https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0104-83332014000100447&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em 01/06/2020.

TIQQUN. Contribuições para a guerra em curso. Tradução de Vinícius Nicastro Honesko. São Paulo: N-1 edições, 2019.

UOL. “Bicampeã olímpica recorre à Justiça contra regra para reduzir testosterona”. UOL, São Paulo, 18/05/2018. Disponível em https://www.uol.com.br/esporte/atletismo/ultimas-noticias/2018/06/18/bicampea-olimpica-recorre-a-justica-contra-regra-para-reduzir-testosterona.htm?cmpid=copiaecola. Acesso em 03/04/2020.

VEJA. “Vôlei: Tifanny Abreu passa por cirurgia de feminização facial”. Veja, São Paulo, 10/05/2018. Disponível em https://veja.abril.com.br/esporte/volei-tifanny-abreu-passa-por-cirurgia-de-feminizacao-facial/. Acesso em 07/04/2020.

WADA-AMA. WORLD ANTI-DOPING AGENCY. Wada News, n. 1, Feb. 2002. Disponível em https://www.wada-ama.org/en/resources/play-true/wada-news-february-2002. Acesso em 01/06/2020.

WADA-AMA. WORLD ANTI-DOPING AGENCY. Play True, n. 2, 2007. [PDF].

WADA-AMA. WORLD ANTI-DOPING AGENCY. Play True, Special Issue: Commonwealth Youth Games, Jan. 2008. Disponível em https://www.wada-ama.org/en/resources/education-and-awareness/play-true-magazine-2008-commonwealth-youth-games. Acesso em 01/06/2020.

Downloads

Publicado

2021-10-21

Edição

Seção

Gênero, tecnologias e (novas) formas de subjetivação nas práticas esportivas