Caminhos entrelaçados: Feminismos e Lesbianidades na Pesquisa em Educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2021v29n382528

Palavras-chave:

educação, feminismos, gêero, lesbianidades, produção acadêmica

Resumo

A partir da memória como fio condutor e de critérios definidos em pesquisa, este texto se coloca como lugar de diálogo entre estudos que se referem ao campo da educação e gênero e pesquisas que focalizam mulheres lésbicas e bissexuais, seja como trabalhadoras, professoras, inspetoras, faxineiras e educadoras sociais, seja como estudantes, em suas narrativas acerca de sua formação. Ao considerar a análise de bancas de mestrado e doutorado presenciadas pela autora, seja como orientadora ou como avaliadora, trava-se diálogo sobre lesbianidade e educação, esta entendida da Educação Básica ao Ensino Superior. Como uma das conclusões, há de se citar que, ainda que não seja possível - e nem desejável - um simples espelhar entre bandeiras de luta e produção científica, foi notória a possibilidade de visualização de itinerários entrelaçados, nos quais se transita do feminismo ao gênero, do gênero aos feminismos, e dos feminismos às lesbianidades.

Biografia do Autor

Daniela Auad, Universidade Federal de São Carlos/Universidade Federal de Juiz de Fora

Daniela Auad (auaddaniela@ufscar.br; daniela.auad@ufjf.br) é Professora Permanente do PPGEd-So/UFSCar, na Linha de Pesquisa Educação, Comunidade e Movimentos Sociais; docente permanente no PPPGE/FACED/UFJF. Cursou, na Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP), doutorado em Educação, mestrado em Educação e graduação em Pedagogia. Daniela Auad é coordenadora do Grupo de Pesquisa Educação, Comunicação e Feminismos - Flores Raras (CNPq).

Referências

ANZALDÚA, Gloria. “Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo”. Revista Estudos Feministas, UFSC, Florianópolis, v. 8, n. 1, 2000. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/9880. Acesso em 05/04/2021.

AUAD, Daniela. Formação de Professoras: um estudo dos Cadernos de Pesquisa a partir do referencial de gênero. 1998. Mestrado (Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo) - FEUSP, São Paulo, SP, Brasil.

AUGUSTO, Cyndel Nunes. Estudos feministas e Educação Física cultural: possíveis entrecruzamentos. 2020. Relatório de Qualificação de Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Educação) - Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

BITENCOURT, Luisa M. Lésbicas e Ensino Superior: em busca da visibilidade na produção acadêmica. 2020. Relatório de Qualificação de Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Educação) - Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, Brasil.

BOSI, Ecléa. Memória & sociedade: lembrança de velhos. São Paulo: T. A. Queiroz Editor, 1983.

BOURDIEU, Pierre. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: UNESP, 2004.

CALVINO, Italo. Por que ler os clássicos. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

CLARKE, Cheryl. “O Lesbianismo: um ato de resistência”. In: MORAGA, Cherríe; CASTILLO, Ana. Esta Puente, mi espalda: Voces de las tercermundistas en los Estados Unidos. São Francisco: ISM Press, 1988.

FARGANIS, Sondra. “O feminismo e a reconstrução da Ciência Social”. In: JAGGAR, Alison M.; BORDO, Susan R. (Orgs.). Gênero, Corpo, Conhecimento. Rio de Janeiro: Record; Rosa dos Tempos, 1997.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

FREITAS, Laís Tosta M. de. Trabalhadoras Lésbicas em Instituições Escolares: Histórias de Vida no Leste do Mato Grosso do Sul. 2018. Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Educação) - Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, MS, Brasil.

hooks, bell. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. 1 ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2018.

hooks, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade. São Paulo: WMF, 2020.

LIMA, Vanini. “Mentir para si mesmo é sempre a pior mentira”: A Heteronormatividade na narrativa da trajetória escolar de mulheres lésbicas e bissexuais. 2016. Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Educação) - Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

LORDE, Audre. Irmã outsider: ensaios e conferências. Belo Horizonte: Autêntica, 2020a.

LORDE, Audre. Sou sua irmã: escritos reunidos. São Paulo: Ubu, 2020b.

LUNA, Luedji. Um corpo no mundo. São Paulo, YB Music Studio, 2017. Disponível em https://youtu.be/V-G7LC6QzTA. Acesso em 05/04/2021.

MENDONÇA, Viviane Melo de. “Mulheres em Movimento: estudos de identidade, sujeito e formação política em coletivos feministas e LGBT”. In: VIEIRA, Luciana Leila F.; RIOS, Luis Felipe; QUEIROZ, Tacinara Oliveira de. Gays, Lésbicas e Travestis em foco: diálogos sobre sociabilidade e acesso à educação e saúde. Recife: UFPE, 2016. p. 83-100. Disponível em https://www.academia.edu/26025062/Mulheres_em_Movimento_Identidade_Sujeito_e_Forma%C3%A7%C3%A3o_Pol%C3%ADtica_em_Coletivos_Feministas_e_LGBT. Acesso em 05/04/2021.

NOGUEIRA, Nadia. Invenções de si em histórias de amor: Lota de Macedo Soares e Elizabeth Bishop. Rio de Janeiro: Apicuri, 2008.

NUNES, Virginia de Santana Cordolino. Antropologia, diversidade sexual e educação: uma experiência etnográfica em uma escola pública na Bahia. 2016. Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social) - Universidade Federal de Santa Catarina, SC, Brasil.

PEDROSA, Amanda. A Lesbofobia no Ensino Superior: Expressões e possibilidades de enfrentamento. 2019. Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Educação) - Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, MG, Brasil.

PETIT, Michèle. A arte de ler ou como resistir à adversidade. São Paulo: 34, 2009.

RAMOS, Maria Rita N.; AUAD, Daniela. “Educação infantil e gênero: uma relação multifacetada e uma política não consolidada”. In: 13º MUNDOS DE MULHERES & FAZENDO GÊNERO 11, 2017, Florianópolis, UFSC. Anais... Florianópolis: UFSC/Instituto de Estudos de Gênero, 2017. p. 1-11. Disponível em http://www.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1499376993_ARQUIVO_FG_RAMOSAUADtextoFG2017.pdf. Acesso em 05/04/2021.

RICH, Adrienne. Heterossexualidade Compulsória, Existência Lésbica e Outros Ensaios. Rio de Janeiro: A Bolha, 2019.

ROSEMBERG, Fúlvia. “Caminhos cruzados: educação e gênero na produção acadêmica”. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 27, n. 1, 2001. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022001000100004&lng=en&nrm=iso. Acesso em 05/04/2021.

ROSENO, Camila. Trajetórias de professoras lésbicas na Educação Básica: saberes docentes e resistências. 2020. Relatório de Qualificação de Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Educação) - Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, Brasil.

SADER, Eder. Quando novos personagens entraram em cena: experiências, falas e lutas dos trabalhadores da Grande São Paulo, 1970-80. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

SCAVONE, Lucila. “Estudos de gênero: uma sociologia feminista?”. Revista Estudos Feministas, UFSC, Florianópolis, v. 16, n. 1, 2008. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2008000100018. Acesso em 05/04/2021.

SONTAG, Susan. Diante da dor dos outros. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

SONTAG, Susan. Sobre a fotografia. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

SPONCHIADO, Justina Inês. Docência e relações de gênero: estudo da produção acadêmica no período de 1981 a 1995. 1997. Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Educação) - Faculdade de Educação da Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, SP, Brasil.

SPOSITO, Marília Pontes. “Uma perspectiva não escolar no estudo sociológico da escola”. Revista USP, São Paulo, n. 57, mar./maio 2003.

SOARES, Suane Felippe. “Procura-se Sapatão: Histórias invisibilizadas do movimento lesbofeminista brasileiro”. In: REDOR, 18, 2014, Recife, UFRP. Anais... Recife: UFRP/UFPB, 2014. p. 1439-1451. Disponível em http://www.ufpb.br/evento/index.php/18redor/18redor/paper/view/726/719. Acesso em 05/04/2021.

TORRES, Patrícia. Entre-laços que educam: tramas discursivas de identidades ‘desviantes’ e modos de subjetivação lésbicos (1980-2017). 2020. Relatório de Qualificação de Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Educação) - Universidade Federal de Pernambuco, PE, Brasil.

USHER, Shaun. Cartas Extraordinárias: a correspondência inesquecível de pessoas notáveis. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

VERGÈS, Françoise. Um feminismo decolonial. São Paulo: Ubu, 2020.

WELLER, Wivian; ZARDO, Sinara Pollom. “Entrevista narrativa com especialistas: aportes metodológicos e exemplificação”. Revista da FAEEBA: educação e contemporaneidade, Universidade do Estado da Bahia, Salvador, v. 22, n. 40, 2013. Disponível em http://www.mnemos.unir.br/uploads/13131313/arquivos/O_que___um_Estudo_de_Caso_1216831041.pdf. Acesso em 05/04/2021.

Downloads

Publicado

2021-12-10

Edição

Seção

Dossiê Feminismos e Lesbianidades em Movimento: a visibilidade como lugar