Da Grécia a Cronenberg ou por que existem as mulheres

Autores

  • Ana Isabel Rodrigues de Sá Saraiva Universidade de Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0104-026X2011000200002

Palavras-chave:

Feminino, Masculino, Sexualidade, Eu, Corpo

Resumo

Propomos uma leitura do filme de D. Cronenberg Irmãos Inseparáveis (Dead Ringers), à luz de um referencial proveniente do universo simbólico da Grécia Antiga. Embora o filme trate temáticas emblemáticas da tardo-modernidade – identidades estilhaçadas, relações problemáticas do eu com o corpo ou as representações dos géneros cada vez mais marcadas pela ambivalência e conflito – é possível encontrar na produção mítico-poética e na ciência gregas áreas de significado que replicam as mesmas inquietações exploradas no filme. Adicionam-se, ainda, alguns exemplos provenientes das sociedades ágrafas que sublinham o alcance universal dos conteúdos explorados no filme.

Biografia do Autor

Ana Isabel Rodrigues de Sá Saraiva, Universidade de Lisboa

Possui licenciatura, mestrado e doutoramento em Antropologia Cultural pela Universidade Nova de Lisboa. É professora auxiliar da Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa, e sóciafundadora e vice-presidente da AIEM – Associação Interdisciplinar para o Estudo da Mente.

 

Downloads

Publicado

2011-01-01

Edição

Seção

Artigos