Da Grécia a Cronenberg ou por que existem as mulheres

Ana Isabel Rodrigues de Sá Saraiva

Resumo


Propomos uma leitura do filme de D. Cronenberg Irmãos Inseparáveis (Dead Ringers), à luz de um referencial proveniente do universo simbólico da Grécia Antiga. Embora o filme trate temáticas emblemáticas da tardo-modernidade – identidades estilhaçadas, relações problemáticas do eu com o corpo ou as representações dos géneros cada vez mais marcadas pela ambivalência e conflito – é possível encontrar na produção mítico-poética e na ciência gregas áreas de significado que replicam as mesmas inquietações exploradas no filme. Adicionam-se, ainda, alguns exemplos provenientes das sociedades ágrafas que sublinham o alcance universal dos conteúdos explorados no filme.


Palavras-chave


Feminino; Masculino; Sexualidade; Eu; Corpo

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2011000200002

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 Licença Creative Commons
A Revista Estudos Feministas está sob a licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional

 

Revista Estudos Feministas, ISSN 1806-9584, Florianópolis, Brasil.