Juventude ciborgue e a transgressão das fronteiras de gênero

Autores

  • Shirlei Rezende Sales Universidade Federal de Minas Gerais
  • Marlucy Alves Paraíso Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0104-026X2011000200015

Palavras-chave:

Juventude Ciborgue, Gênero, Currículo, Orkut

Resumo

Pessoas e máquinas estão cada vez mais conectadas por meio de um processo de intensa simbiose. As/os jovens são o alvo primordial desse processo, constituindo a subjetividade ciborgue. Este artigo analisa o processo de ciborguização da juventude na interface entre currículo escolar e currículo do Orkut (site de relacionamentos). A pesquisa que subsidia este artigo investigou a interface entre o currículo de uma escola pública de ensino médio e as comunidades e os perfis no Orkut das/os alunas/os dessa escola. O referencial teórico é constituído pelos estudos de gênero e de currículo, em uma perspectiva pós-crítica. O argumento desenvolvido é o de que as estratégias utilizadas em um currículo podem ser traduzidas no outro, por meio da interface entre eles, tendo como efeito ora a transgressão, ora o fortalecimento das fronteiras de gênero.

Biografia do Autor

Shirlei Rezende Sales, Universidade Federal de Minas Gerais

Professora adjunta do Departamento de Administração Escolar da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), é doutora pela mesma instituição, vinculada à linha de pesquisa educação escolar: instituições, sujeitos e currículos. É membro do Observatório da Juventude e do Grupo de Estudos e Pesquisas em Currículos e Culturas (GECC) da FAE/UFMG. Tem experiência na área de educação, com ênfase em teoria geral de planejamento e desenvolvimento curricular, atuando principalmente nas seguintes temáticas: currículo, práticas culturais, juventude, política educacional, projeto político pedagógico e coordenação pedagógica.

Marlucy Alves Paraíso, Universidade Federal de Minas Gerais

É professora do Departamento de Administração Escolar da Faculdade de Educação da Universidade
Federal de Minas Gerais (FAE/UFMG) desde 1995 e do Programa de Pós-Graduação em Educação da mesma instituição desde 2003. É pesquisadora do CNPq e fundadora e coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Currículos e Culturas (GECC) da FAE/UFMG. É professora colaboradora do mestrado em Currículo da Universidade Salesiana de Quito, Equador. Tem trabalhado uma vez por ano como professora visitante na Universidade de Valencia, Espanha. Participa do GT “Currículo” da ANPEd desde 1992. Possui pósdoutorado em Educação pela Faculdad de Filosofia y Ciências de la Educación de la
Uiversidad de Valência, Espanha (2009); doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ, 2002); mestrado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS, 1995) e graduação em Pedagogia pela Universidade Federal de Viçosa (UFV, 1992). Todos os seus trabalhos de ensino, pesquisa, extensão e orientação têm como foco os currículos escolares e não escolares.

Downloads

Publicado

2011-01-01

Edição

Seção

Dossiê