Alteridade, vida pública e educação: discussões a partir de Richard Sennet e Zygmunt Bauman

Autores

  • Giuliana Franco Leal Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro/RJ

DOI:

https://doi.org/10.5007/2178-4582.2017v51n1p144

Palavras-chave:

esfera pública, alteridade, educação

Resumo

Neste artigo, estabelece-se uma relação entre a educação e as dificuldades de construção de formas civis de convivência entre pessoas estranhas umas às outras, no mundo contemporâneo. A pesquisa, teórica, baseia-se em textos de Richard Sennet e Zygmunt Bauman sobre a crise na vida pública. Os objetivos são responder, acrescentando reflexões próprias às suas obras: (1) Como se dá uma crise na vida pública entre os séculos XX e XXI? (2) Quais são suas consequências sociais? (3) Existem alternativas àquela crise, das quais a educação – em especial a educação formal, no ensino básico – possa participar? Como? Um olhar sobre a realidade mostra que a educação tende a se voltar a finalidades privadas, mas a escola pode ser também um dos instrumentos de fortalecimento da vida pública, por caminhos aqui discutidos.

Biografia do Autor

Giuliana Franco Leal, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro/RJ

Professora de Sociologia no Campus Macaé da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

ARENDT, Hanna. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 1978.

____. A condição humana.. Rio de Janeiro: Forense Universitária,1999.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. As transformações da esfera pública e a ação ecológica: educação e política em tempos de crise da modernidade. Revista Brasileira de Educação, vol.11, n.32, p.308-315, maio/ago.2006.

CARVALHO, José Sergio F. O declínio do sentido público da educação. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Brasilia, vol.89, n.223, p.411-424, set./dez.2008.

CASTEL, Robert. Les metamorphoses de la question sociale: une chronique du salariat. Paris: Fayard, 1995.

DURKHEIM, Émile. A divisão do trabalho social. Lisboa: Editorial Presença, 1984.

BAUMAN, Zygmunt. O mal estar na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

____. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

____. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

____. Vida líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

GOFFMAN, Erving. Relations in public: microstudies of the public order. New York: Basic Books, 1971.

HIRATA, Helena. Flexibilidade, trabalho e gênero. In: Hirata, H.; Segnini, L. (org.). Organização, trabalho e gênero. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2007. Pp.89-107.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes trópicos, Lisboa/São Paulo: Ed. 70/Martins Fontes, 1981.

MARQUES, Francisco P.J.A. Debates políticos na internet. Opinião Pública, Campinas, vol.12, n.1, abr.-mai.2006.

RIBEIRO, Luci. Estranhos no mundo contemporâneo: exclusão social, preconceito e intolerância. Curitiba: Appris, 2014.

SENNETT, Richard. O declínio do homem público: as tiranias da intimidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

____. A corrosão do caráter: consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro, São Paulo: Editora Record, 2005.

____. A cultura do novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2012.

____. Carne e pedra: o corpo e a cidade na civilização ocidental. Rio de Janeiro: BestBolso, 2014.

SOUZA, Erika Renata de. Marcadores sociais da diferença e infância: relações de poder no contexto escolar. Cadernos Pagu (26), p.169-199, jan.-jun.2006.

STRECK, Danilo. A educação popular e a (re)construção do público. Há fogo sobre as brasas? Revista Brasileira de Educação, vol.11, n.32, p.272-284, maio/ago.2006.

WEINTRAUB, Jeff. The theory and politics of the public/privated distinction. In: WEINTRAUB, J.; KUMAR, K. (ed.). Public and private in thought and practice: perspectives on a grand dichotom. Chicago: The University of Chicago Press, 1997, p.01-42.

Downloads

Publicado

2017-11-16

Edição

Seção

Artigos