A objetificação da mulher nas adaptações cinematográficas de Iracema

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2178-4582.2019.e65743

Palavras-chave:

Iracema, Cinema nacional, Objetificação da mulher, Psicologia social, Gênero

Resumo

Este estudo aborda a objetificação da mulher no cinema a partir dos filmes em Iracema, uma transa amazônica (1974) e Iracema, a virgem dos lábios de mel (1979). Valeu-se de pesquisa bibliográfica acerca da teoria do cinema e do contexto sociopolítico do Brasil nos anos de 1970 e trabalhou com análise fílmica a partir da teoria feminista do cinema. Os resultados apontaram que, mesmo tratando-se de dois filmes com propostas distintas, visto que um tem intenção política de denúncia social e o outro reflete uma adaptação fílmica do tipo canônico, ambos apresentam sinais do processo de objetificação da mulher na construção da protagonista, evidenciado por teóricas feministas nos anos de 1970 nos filmes clássicos hollywoodianos. Isto evidencia a preexistência de processos misóginos na produção do cinema contemporâneo. Concluímos que a teoria feminista do cinema segue como um referencial crítico relevante a análises e releituras fílmicas.

Biografia do Autor

Aline Rebouças Azevedo Soares, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza/CE, Brasil.

Doutoranda em Psicologia pela UFC com bolsa/FUNCAP-CE, pesquisando narrativas biográficas de pessoas trans em documentários brasileiros. Mestre em Comunicação pela UFC – Universidade Federal do Ceará, com bolsa/FUNCAP-CE, onde fez estudos de adaptação fílmica no cinema brasileiro. Graduou-se em Publicidade e Propaganda pela Unifor – Universidade de Fortaleza, com bolsa PROBIC-Unifor por dois anos pelo grupo de pesquisa História e memória da radiodifusão cearense. É estudante de graduação em psicologia pela Unifor – Universidade de Fortaleza, e foi bolsista/FUNCAP por dois anos com o Museu Virtual do Índio Cearense.

Marcelo Dídimo Souza Vieira, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza/CE, Brasil.

Marcelo Dídimo possui Graduação (1997) em Informática pela Universidade de Fortaleza, Mestrado (2001) e Doutorado (2007) em Multimeios / Área Cinema pela Universidade Estadual de Campinas, onde pesquisou O Cangaço no Cinema Brasileiro, livro de sua autoria que foi publicado em 2010. Entre 2013 e 2014, realizou Estágio Pós-Doutoral na Columbia University, New York, onde pesquisou as influências e aproximações entre o Western e o Cangaço. Atualmente é Professor Associado II do Curso de Graduação em Cinema e Audiovisual e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação do Instituto de Cultura e Arte da Universidade Federal do Ceará. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Cinema, atuando principalmente nos seguintes temas: cinema, cinema brasileiro, análise cinematográfica, direção e roteiro.

Aluísio Ferreira de Lima, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza/CE, Brasil.

Psicólogo com Pós-Doutorado (2010), Doutorado (2009) e Mestrado (2005) em Psicologia (Psicologia Social) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP) e Especialista em Saúde Mental (2007) pela Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (EEUSP). É Professor Adjunto II do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Ceará/UFC, credenciado como Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia, do Programa de Pós-Graduação em Saúde da Família e do Mestrado Profissional em Saúde da Família (UFC/RENASF). Atualmente é também Vice-Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Psicologia. Lidera o PARALAXE: Grupo Interdisciplinar de Estudos, Pesquisas e Intervenções em Psicologia Social Crítica UFC, é Co-lider do Grupo Interdisciplinar de Pesquisa sobre Identidade Humana - NEPIM/PUCSP e membro do Laboratório em Psicologia Subjetividade e Sociedade - LAPSUS/UFC, todos cadastrados no diretório de grupos de pesquisas do CNPq e certificado pelas instituições. Colaborou como Professor Investigador Visitante no Departamento Interfacultativo de Psicología Social da Universidad Complutense de Madrid - UCM/Espanha (novembro e dezembro de 2012) e no Programa de Fundamentos Históricos y Políticos de las Prácticas Psicológicas del Instituto de Fundamentos y Métodos en Psicología da Universidad de la Republica - UDELAR/Uruguay (novembro e dezembro de 2011). Foi Coordenador do Curso de Psicologia do Campus Sobral da UFC (2009-2010) e bolsista de produtividade pela FUNCAP BPI/FUNCAP (2010-2012). É membro do GT de Psicologia Política da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação e Psicologia (ANPEPP) e da Rede Iberoamericana de Pesquisadores em História da Psicologia RIPeHP. Coordena o Núcleo Sobral da ABRAPSO e participa como sócio da Associação Brasileira de Psicologia Social (ABRAPSO), da Sociedade Interamericana de Psicologia (SIP), da Associação Brasileira de Psicologia Política e da Associação Brasileira de Saúde Mental (ABRASME). No que se refere à trabalhos técnicos realizados, tem atuado como membro de Conselho Editorial, como parecerista de periódicos científicos nacionais e internacionais, parecerista ad hoc de agências de fomento à pesquisa e de Conselhos Científicos de Congressos da área de atuação. Também é credenciado como avaliador na Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde CNRMS. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Social. É autor do livro: Metamorfose, Anamorfose e Reconhecimento Perverso: a identidade na perspectiva da Psicologia Social Crítica. São Paulo: FAPESP/EDUC, 2010 e organizador do livro: Psicologia Social Crítica Paralaxes do Contemporâneo. Porto Alegre: Sulina, 2012.

Deborah Christina Antunes, Universidade Federal do Ceará, Sobral/CE, Brasil.

Doutora em Filosofia. Professora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFC.

Referências

ADORNO, Theodor. W. Minima Moralia: reflexões sobre a vida lesada. Rio de Janeiro: Beco do Azouge, 2008.

ABREU, Nuno Cesar. Boca do Lixo: cinema e classes populares. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2006.

ACSELRAD, Marcio. A teoria feminista vai ao cinema: configurações e reconfigurações do feminino na tela. Vozes e Diálogo, v. 14, n. 01, 2015.

AUGÉ, Marc. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Papirus Editora, 1994.

BERGER, John. Modos de ver. Rio de Janeiro, Rocco, 1999.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1970.

DOANE, Mary A. The Desire to Desire: The Woman's Film of the 1940's. Indiana University Press, 1987.

HASKELL, Molly. From reverence to rape: The treatment of women in the movies. University of Chicago Press, 2016.

JOHNSTON, Claire. Women’s cinema as counter-cinema. Londres: Society for Education in film and television, 1973.

JUNIOR, Luis Alberto Gottwald. Pornochanchada ou filme histórico?: uma análise do erotismo em Iracema: a virgem dos lábios de mel-1979. Métis: história & cultura, v. 13, n. 26, 2014.

KAMITA, Rosana Cássia. Relações de gênero no cinema: contestação e resistência. Estudos Feministas, v. 25, n. 3, p. 1393-1404, 2017.

KAPLAN, E. Ann. A mulher e o cinema: os dois lados da câmera. Trad. Helen M. Potter Pessoa. Rio de Janeiro: Rocco, 1995.

KILOMBA, Grada. Plantation Memories: Episodes of Everyday Racism. Münster: Unrast Verlag, 2012. Disponível em: https://goo.gl/w3ZbQh. Acesso em: 12 dez 2017.

LORDE, Audre. Não existe hierarquia de opressão. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (Org). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019a.

LORDE, Audre. Idade, raça, classe e gênero: mulheres redefinindo a diferença. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (Org). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019b.

MACHADO, Arlindo. O sujeito na tela: modos de enunciação no cinema e no ciberespaço. São Paulo: Paulus, 2007.

MULVEY, Laura. Prazer visual e o cinema narrativo. In: XAVIER, Ismail (org). A experiência do cinema. Rio de Janeiro: Edições Graal: Embrafilme, 2008.

NOGUEIRA, Conceição. Gênero na psicologia social e as teorias feministas: dois caminhos entrecruzados. In: Portugal, FT; Jacó-Vilela, A.N.(Org) Clio-psyché. Gênero, psicologia e história. Rio de Janeiro: NAU, 2012.

STAM, Robert. Introdução à teoria do cinema. Campinas: Papirus, 2003.

WOOLF, Virgínia. Um teto todo seu. São Paulo: Tordesilhas, 2014.

WOITOWICZ, Karina Janz; PEDRO, Joana Maria. O Movimento Feminista durante a ditadura militar no Brasil e no Chile: conjugando as lutas pela democracia política com o direito ao corpo. Espaço Plural, v. 21, p. 43-56, 2009.

Downloads

Publicado

2019-12-16

Edição

Seção

Artigos