‘Uma Canção de Liberdade’ de William Blake: discurso profético e tradução poética

Autores

  • Enéias Farias Tavares Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4237.2010n7p166

Palavras-chave:

Tradução literária, William Blake, Uma canção de liberdade

Resumo

O objetivo desse trabalho é apresentar algumas reflexões sobre minha tradução de um poema de William Blake. Usarei por corpus de análise e tradução o poema Uma canção de liberdade, texto que conclui Marriage of heaven and hell. Minha reflexão, além de aludir aos críticos de Blake, em especial àqueles que se debruçaram especificamente sobre esse poema, como Northrop Frye, June Singer, David Erdman, Foster Damon, G. E. Bentley e Andréa Lima Alves, também problematizará algumas questões linguísticas e interpretativas que auxiliaram na minha tradução, sendo a mais marcante a observação e análise das lâminas originais do poema. O artigo conclui com a reprodução das lâminas originais e com a tradução do poema para o português brasileiro.

 

Biografia do Autor

Enéias Farias Tavares, Universidade Federal de Santa Maria

Possui graduação em Letras - Português/Inglês e respectivas Literaturas pela Universidade Federal de Santa Maria (2005). Concluiu o mestrando em Literatura Comparada pela mesma instituição sob orientação do Prof. Dr. Lawrence Flores Pereira. Durante o periodo de escrita da dissertação, concluiu a tradução de Otelo - O Mouro de Veneza, de Shakespeare, trabalho que recebeu montagem teatral sob a direção de Aline Castaman. Possui experiência na área de Letras, nas línguas Portuguesa e Inglesa, com ênfase em Literaturas Clássicas. Foi professor substituto da disciplina Literatura Greco-Latina na UFSM, entre Maio de 2007 e Maio de 2009. Atualmente, é doutorando em Estudos Literários na mesma instituição, centrando seu estudo na arte poética e pictórica de William Blake.

Downloads

Publicado

2010-06-26

Edição

Seção

Traduções Comentadas / Translations with Commentaries