Apropriação tecnológica na formação de professores: entre aprender e conectar

Maria Elizabete Souza Couto, Lívia Andrade Coelho

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar as relações que os discentes de um curso de Licenciatura em Pedagogia (ingressantes em 2015, modalidade a distância – EaD) estabelecem com as tecnologias digitais e de que forma essa apropriação influencia na sua formação. Trata-se de uma pesquisa qualitativa e para coleta dos dados usamos um questionário on-line, que foi respondido por 133 alunos do referido curso. Os dados revelaram que as relações estabelecidas com as tecnologias influenciaram no seu processo formativo, visto que a EaD é uma nova cultura e demanda o estabelecimento de relações com colegas, conteúdos, metodologias de ensino e avaliação, com mudanças pontuais em seus contextos e processos, indicando novas relações mediadas pelas tecnologias digitais na formação de professores. Além disso, foi evidenciado que as políticas públicas precisam contemplar essas novas maneiras de construir conhecimentos, de estar em relação com o outro e com o mundo, oferecendo, também, condições para a apropriação tecnológica.

 

 


Palavras-chave


Apropriação tecnológica; Educação a distância; Formação de professores

Texto completo:

PDF/A

Referências


BONILLA, M. H.; PRETTO N. De L.. Política educativa e cultura digital: entre práticas escolares e práticas sociais. Perspectiva, Florianópolis, v. 33, n. 2, p. 499-521, maio/ago., 2015. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175-795X.2015v33n2p499. Acesso: 02 maio 2018.

BRZEZINSKI, I. (org.). Profissão professor: identidade e profissionalização docente. Brasília: Plano Editora, 2002.

CASTELLS, M. A era da informação: economia, sociedade e cultura, v. 3. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

CHARLOT, B.. Relação com o saber e com a escola entre estudantes de periferia. Cadernos de Pesquisa, n. 97, p. 47-63, maio,1996.

CONTRERAS, J. A autonomia de professores. São Paulo: Cortez Editora, 2002.

CRESWELL, J. W. Projeto de Pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Tradução Magda Lopes. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

FERREIRO, E. Acerca de rupturas ou continuidades na leitura e na escrita. In: FERREIRO, E. O ingresso na escrita e nas culturas do escrito. Seleção de textos de pesquisa. São Paulo: Cortez, 2013.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Editora Paz e Terra,1996.

FRIZON, V. et al. Formação de professores, complexidade e trabalho docente. EDUCERE. XII Congresso Nacional de Educação, Paraná, 2015.

GATTI, B. A. (coord.); BARRETO, E. S. de S. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília, UNESCO, 2009.

KENSKI, V. M. A profissão do professor em um mundo em rede: exigências de hoje, tendências e construção do amanhã: professores, o futuro é hoje. Tecnologia Educacional. Rio de Janeiro/RJ, v. 26, n. 143, p. 65-69, 1998.

KENSKI, V. M. Novas tecnologias: desafio para a escola. Rio de Janeiro: Jornal do Brasil, 2003.

KENSKI, V. M. Avaliação e acompanhamento da aprendizagem em ambientes virtuais a distância. In: MILL, D. R. S.; PIMENTEL, N. M. Educação a distância: desafios contemporâneos. São Carlos: EdUFSCAR, 2013.

KENSKI, V. M. Comunidades de aprendizagem em direção a uma nova sociabilidade na educação, 2005. Disponível em: http://firgoa.usc.es/drupal/node/23559/print. Acesso em: 9 maio 2018.

KERCHOVE, D. Connected Intelligence: the arrival of the web society. Toronto, Somerville House Books, 1999.

LÉVY, P. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: Ed. 34, 1999.

LITWIN, E. (org.). Educação a Distância. Temas para o debate de uma nova agenda educativa. Porto Alegre: Artmed, 2001.

NÚCLEO DE INFORMAÇÃO E COORDENAÇÃO DO PONTO BR - CECTI. BR. Pesquisa TIC domicílios, 2016. Disponível em: https://www.cetic.br/tics/domicilios/2016/domicilios/A4/. Acesso em: 2 maio. 2018.

PALOFF, R.; PRATT, K. Construindo comunidades de aprendizagem no ciberespaço: estratégias eficientes para a sala de aula on-line. Porto Alegre: Artmed, 2002.

RAMOS, D. K. A formação de professores para o uso das tecnologias: um mosaico de concepções e emoções. Porto Alegre: Cinted, v. 7. n. 1, jul., 2009.

SERRES, M. Diálogo sobre a ciência, a cultura e o tempo. Lisboa: Instituto Piaget, 1996.

SILVA, A. E. D. C. da; COUTO, E. S. Cultura da mobilidade: relações de professores com o smartphone. In: PORTO et al (org.). Pesquisa e mobilidade na cibercultura: itinerância docentes. Salvador: Edufba, 2015.

SILVA, M. Sala de aula interativa. 6. ed. Rio de Janeiro: Quartet, 2001.

TECNOLOGIA & GAMES. 69% dos brasileiros já têm acesso à internet pelo celular, afirma IBGE. Tecnologia IG, 2018. Disponível em: https://tecnologia.ig.com.br/2018-04-27/acesso-a-internet.html. Acesso em: 23 maio 2018.

TEIXEIRA, B. de B. Educação a distância: política nacional e formação de professores. In: TEIXEIRA, B. de B. BUENO, A. R. Tem professor na rede. Juiz de Fora: Editora UFJF, 2010.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-9288.2019v15n2p229



Direitos autorais 2020 Maria Elizabete Souza Couto, Lívia Andrade Coelho

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Texto DigitalUniversidade Federal de Santa CatarinaFlorianópolisSanta Catarina, Brasil. ISSNe 1807-9288

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.