Recurso didático digital: complexidade da performance docente na produção (hiper)textual

Juliana Sales Jacques, Elena Maria Mallmann

Resumo


O recurso didático digital, no âmbito do ensino-aprendizagem mediado por tecnologias em rede, constitui-se como mediador não humano que estabelece a relação entre o professor, o estudante e o saber a ser ensinado. A complexidade da performance docente no processo de transposição didática é elemento catalisador da complexidade da produção (hiper)textual mediada por tecnologias em rede. Neste artigo, a partir de revisão de literatura, argumentamos sobre a produção de recurso didático digital à luz da concepção interacionista da linguagem. Nesse viés, dado que a linguagem é dotada de intencionalidade, o propósito de um recurso didático digital é, como ação inerente ao processo ensino-aprendizagem, transformar através da palavra escrita (linguagem verbal) atrelada a todas as formas (sonora, visual, audiovisual, etc.) que perpassam o universo da linguagem. Inferimos, como considerações finais, que a transformação pressupõe, na produção do texto digital (recurso didático), inovação no design pedagógico. E, diante disso, defendemos como inovação, além da integração hipermidiática, a produção aberta em rede através da autoria e coautoria. Tudo isso para que, dentro de uma vertente linguística interacionista, as diferentes formas de leitura potencializem além da produção, a negociação de sentidos do (hiper)texto como recurso didático digital.

 


Palavras-chave


Recurso Didático Digital; Produção Textual; Hipermídia; Performance Docente; Autoria; Coautoria

Texto completo:

PDF/A

Referências


AMIEL, T. Educação aberta: configurando ambientes, práticas e recursos educacionais. In: SANTANA; Bianca, ROSSINI, Carolina e PRETTO, Nelson De Lucca (Organizadores). Recursos Educacionais Abertos: práticas colaborativas políticas públicas.1. ed., 1 imp. – Salvador: Edufba; São Paulo: Casa da Cultura Digital. 2012. Disponível em: . Acesso em: 21 mar. 2015.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei do Plano Nacional de Educação (PNE 2011/2020) No 8.035. Brasília, 2010. Disponível em: Acesso em: 26 mar. 2015.

BUSH, V. As we may think. The Atlantic Monthly, 1945. Disponível em: Acesso em: 23 mar. 2015.

CUNHA, M. I. da. (2008) Inovações pedagógicas: o desafio da reconfiguração de

saberes na docência universitária. Cadernos Pedagogia Universitária, USP. Disponível em: < http://www.prpg.usp.br/wp- content/uploads/Caderno_6_PAE.pdf> Acesso em: 25 mar. 2015.

DA SILVA, E. P.; VICENTE, K. B. AIRES, M. L. G. Concepção de linguagem na transposição do conhecimento científico para material didático da EAD/UNITINS. Texto livre: linguagem e tecnologia, 2010, volume 3, número 1.

DE MEDEIROS, L. L. Mídias na educação e co-autoria como estratégia pedagógica. Em Aberto. Brasília, v. 22, n. 79, p. 139-150, jan. 2009.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança. São Paulo: Paz e Terra, 1994.

JACQUES, J. S. Performance multidisciplinar nas ações de pesquisa, desenvolvimento e capacitação: produção de materiais didáticos hipermidiáticos no Moodle. 2014. 244 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, 2014.

JENKINS, H. Cultura da convergência: a colisão entre os velhos e os novos meios de comunicação. São Paulo: Aleph, 2009.

KOCH, I. V. A inter-ação pela linguagem. São Paulo: Contexto, 2010.

LEMOS, A. As estruturas antropológicas do ciberespaço. In: Textos de Cultura e Comunicação, no 35, Facom/UFBA, julho de 1996. Disponível em: . Acesso em: 14 abr. 2015.

LÉVY, P. As Tecnologias da Inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. São Paulo: Editora 34, 1993.

MARQUES, M. O. Escrever é preciso: o princípio da pesquisa. Ijuí: Ed. Unijuí, 2006.

MARTINS , L. G. F. A etimologia da palavra desenho (e design) na sua língua de origem e em quatro de seus provincianismos: desenho como forma de pensamento e de conhecimento. In: III Fórum de Pesquisa FAU. Mackenzie I 2007. São Paulo. 2007. Disponível em: . Acesso em: 25 mar. 2015.

PEDRO, N. Práticas inovadoras no domínio da utilização das tecnologias no ensino superior: framework de avaliação. Disponível em: Acesso em: 30 mar. 2015.

ROCHA, E. M. A produção de material didático para a educação a distância e os impactos na formação docente: entre práticas e reflexões. Educação em Perspectiva. Viçosa, v. 4, n. 2, p. 319-341, jul./dez. 2013.

TAROUCO, L. M. R; DA SILVA, C. C. G; GRANDO, A. Fatores que afetam o reuso de objetos de aprendizagem. Revista Novas Tecnologias na Educação. v. 9, n. 1, julho, 2011.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes Editora, 2005.




DOI: https://doi.org/10.5007/1807-9288.2015v11n2p53



Direitos autorais 2015 Juliana Sales Jacques, Elena Maria Mallmann

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Texto DigitalUniversidade Federal de Santa CatarinaFlorianópolisSanta Catarina, Brasil. ISSNe 1807-9288

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.