Análise enunciativa das marcas modais presentes em corpus de interpretação simultânea de libras-português.

Anderson Almeida-Silva, Ana Paula Lima de Carvalho

Resumo


Este texto centra-se nas questões do trabalho do Intérprete de Língua de Sinais na condição de segundo enunciador da produção discursiva. Esses profissionais, no momento da interpretação, buscam recriar [atualizar] os conceitos emanados da língua fonte para a língua alvo, instaurando, assim, uma segunda instância enunciativa. O quadro teórico mobilizado situa-se na perspectiva da Linguística Enunciativa (BENVENISTE, 1989; FLORES, 2008, 2009a, 2009b, 2010) e no estudo dos modais em línguas orais e na LIBRAS. Tem-se, por objetivos, buscar as marcas deixadas pelo segundo sujeito enunciador do texto, neste caso, o intérprete, quanto ao uso de modais especificamente e analisar as escolhas desse segundo sujeito enunciador por utilizar um ou outro tipo de modal (no texto alvo), que esteja explícito ou implícito na primeira situação de enunciação (no texto fonte). Para análise, a fala de uma pessoa surda, com tempo total de 40' (quarenta minutos),  que estava sendo interpretada para o Português oral, foi transcrita. Após a transcrição, 6 (seis) excertos da fala total, com ocorrências de modais na língua fonte ou alvo, foram analisados. Em função das análises empreendidas, pontua-se: 1. a tendência de que a modalidade deôntica seja quase sempre interpretada como na língua fonte; 2. as escolhas interpretativas são sempre guiadas por pistas enunciativas deixadas na fala do primeiro enunciador, para as quais o intérprete deve revelar domínio de aspectos pertinentes tanto à língua fonte quanto à língua alvo; 3. na ausência de marcas modais explícitas, os intérpretes são sensíveis às noções modais extravasadas por toda a superfície textual; 4. a omissão temporal na interpretação de modais epistêmicos de grande valor de aderência podendo funcionar como uma estratégia interpretativa e não como um falseamento da informação original; 5. a noção de “tempo de checagem”, sendo proposta para recobrir o tempo (não cronológico) no qual o intérprete, após receber a informação da língua fonte, realizasua interpretação.  


Palavras-chave


Interpretação; Linguística Enunciativa; Modais; LIBRAS

Texto completo:

PDF/A

Referências


BENVENISTE, Émile. Problemas de linguística geral I. Trad. Maria da Glória Novak; Maria Luisa Neri. Ver. Isaac Nicolau Salum. 5.ed. Campinas, SP: Pontes, 2005.

CASTILHO, Ataliba, T. & CASTILHO, Célia Maria M. de. Advérbios Modalizadores. In: ILARI, Rodolfo (Org.) Gramática do Português Falado. Vol. II. Campinas: Editora da Unicamp, 1992. pp. 213-260.

CERVONI, Jean. A enunciação. Trad: L. Garcia dos Santos. São Paulo: Ática, 1989.

FRYDRYCH, Laura Amaral Kümmel; SURREAUX, Luiza Milano. Transcrição de LIBRAS na perspectiva da linguística da enunciação. In: Anais do II Congresso nacional de pesquisas em tradução e interpretação de LIBRAS e língua portuguesa, Florianópolis, SC, 2010. Disponível em: http://www.congressotils.com.br/anais.html. Acesso em: 30/03/2012.

FELIPE, Tânia Amaral. LIBRAS em Contexto. Rio de Janeiro: FENEIS, 2005

_____________. A relação sintático-semântica dos verbos e seus argumentos na LIBRAS. Tese de doutorado. UFRJ. Rio de Janeiro, 1998.

_______________. O signo gestual-visual e sua estrutura frasal na LSCB. Dissertação de Mestrado. UFPE. Recife. 1988.

FERREIRA-BRITO, Lucinda. Por uma gramática de línguas de sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1995.

FERREIRA-BRITO, Lucinda. Epistemic, alethic, and deontic modalities in a Brazilian Sign Language. In: FISCHER, Susan D. & SIPLE, Patricia (Eds.). Theoretical issues in sign languageresearch. v. 1: Linguistics, 224–260. Chicago: University of Chicago Press, 1990.

FLORES, Valdir do Nascimento . Introdução à linguística da enunciação. 2.ed. São Paulo: Contexto, 2010.

________________ et al (Orgs.). Dicionário de linguística da enunciação. São Paulo: Contexto, 2009a.

__________. et al. Dicionário de linguística da enunciação. São Paulo: Contexto, 2009b.

________________. et al. Enunciação e gramática. São Paulo: Contexto, 2008.

FLORES, Valdir do Nascimento; TEXEIRA, Marlene. Introdução à linguística da enunciação. 2.ed. São Paulo: Contexto, 2010.

GILE, Daniel. Fidelity Assessment in Consecutive Interpretation: An Experiment. Target, 1995b. In: __________. Consecutive Vs. Simulatenous: Which is more accurate?. Interpretation Studies, No.1, December, pp.8-20, 2001.

HERRMANN, Annika; STEINBACH, Markus (Eds.). Nonmanuals in sign language. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing, 2013.

LYONS, John. Lingua(gem) e Linguística: uma introdução. Rio de Janeiro: LTC, 2013.

METZGER, Melanie. Deconstructing the myth of neutrality. Washigton D.C: GU Press, 2011.

METZGER, Melanie. Sign Language Interpreting: Deconstructing the Myth of Neutrality. Washington, D.C: GU press, 2002.

NAPIER, Jemina; MCKEE, Rachel; GOSWELL, Della. Sign Language Interpreting: theory and practice in Australia and New Zealand. Austrália: The Federation Press, 2006.

PEREIRA, Maria Cristina Pires. Testes de proficiência linguística em línguas de sinais: as possibilidades para os intérpretes de LIBRAS.Dissertação (Mestrado em linguística aplicada) – UNISSINOS, São Leopoldo, 2008.

QUADROS, Ronice Müller de. Phrase Structure of Brazilian Sign Language. Tese de Doutorado - Programa de Pós-graduação em Linguística e Letras. Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS. 1999.

______________. As categorias vazias pronominais: uma análise alternativa com base na Língua Brasileira de Sinais e reflexos no processo de aquisição. Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-graduação em Linguística e Letras. Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS. 1995.

QUADROS, Ronice Müller de; KARNOPP, Lodenir. Língua de sinais brasileira: estudos lingüísticos. Porto Alegre: Artmed, 2004.

XAVIER, André Nogueira; WILCOX, Sherman. Necessity and possibility modals in Brazilian Sign Language (LIBRAS). In: Linguistic Typology, 18(3): 2014, pp. 449 – 488.

ZAVAGLIA, Adriana. Da invariância da linguagem à variância das línguas: contribuição para a elaboração de uma teoria enunciativa da tradução como um caso particular de paráfrase. Tese (Doutorado em Letras) - UNESP, Araraquara, SP, 2002.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2015v35nesp2p289



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.