Anomalias de forma e de conteúdo em português brasileiro: um estudo preliminar de rastreamento ocular da leitura e de avaliação de aceitabilidade

Autores

  • Marcus Maia Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Guilherme Nascimento Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2020v40nesp2p45

Palavras-chave:

Anomalias Gramaticais, Anomalias Semânticas, Rastreamento ocular

Resumo

O presente estudo usou a metodologia de rastreamento ocular para investigar em que medida a leitura de frases em português brasileiro pode diferir em relação a anomalias gramaticais e semânticas e como essas frases são avaliadas quanto à sua boa formação, tomando-se como controle frases bem formadas gramatical e semanticamente. A partir da análise dos dados on-line, foi possível identificar que as sentenças que apresentam anomalias de traço de concordância de número no sintagma nominal, ainda que melhor aceitas na medida off-line do que as frases com anomalias semânticas pelos falantes escolarizados da língua, são processadas de forma inicialmente mais custosa em termos dos padrões de fixação e de refixação. Avalia-se que os resultados obtidos aduzem evidências em favor dos modelos estruturais de processamento de frases.

Biografia do Autor

Marcus Maia, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Marcus Maia é doutor em Linguística pela University of Southern California - USC, (1994). Realizou estágio de pós-doutorado na área de Processamento da Linguagem como pesquisador visitante na City University of New York - CUNY (2003-2004). Atualmente é Professor Titular de Linguística do Departamento de Linguística e do Programa de Pós-graduação em Linguística da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Foi coordenador do Programa de Pós-graduação em Linguística entre 2010 e 2015. Representou o Centro de Letras e Artes da UFRJ no Conselho Superior de Pós-graduação (CEPG/UFRJ), por dois mandatos, entre 2009 e 2015. É bolsista de Produtividade em Pesquisa, nível 1B (CNPq/ 2020-2023) e foi Cientista do Nosso Estado (FAPERJ) no triênio 2015-2018. Foi professor visitante no Departamento de Línguas, Literaturas e Culturas e no Language Acquisition Research Center (LARC), da University of Massachusetts, Amherst, no primeiro semestre de 2012. Foi pesquisador visitante no Departamento de Linguística da Massey University, Nova Zelândia, em setembro/outubro de 2015 e no segundo semestre de 2017 (Programa de Estágio Sênior no Exterior - CAPES) e no Departamento de Espanhol e Português da University of Toronto, Canada, em novembro de 2015. Fundou e coordena o Laboratório de Psicolingüística Experimental (LAPEX), grupo de pesquisa da UFRJ, registrado no CNPq, em 2001. Coordenou o Grupo de Trabalho de Psicolingüística da ANPOLL no biênio 2006-2008. Organizou, em parceria com professores da UMass, a Conferência Internacional e a Escola de Altos Estudos Recursion in Brazilian Languages & Beyond, na UFRJ, com apoio da CAPES, CNPq e FAPERJ, em agosto de 2013, havendo uma seleção de trabalhos apresentados neste congresso resultado no livro Recursion Across Domains, publicado em 2018 pela Cambridge University Press. Membro fundador da Rede Nacional de Ciência para a Educação (Rede CpE). Membro do corpo editorial do Journal of Cultural Cognitive Science https://www.springer.com/journal/41809 . Atua nas áreas de Psicolinguística, Teoria e Análise Linguística e Línguas Indígenas Brasileiras, desenvolvendo pesquisas e orientando projetos sobre processamento sintático e lexical, sintaxe experimental, teoria da gramática, psicolinguística e educação, línguas indígenas brasileiras.

Referências

Boland, Julie E. “The relationship between syntactic and semantic processes in sentence comprehension.” Language and Cognitive Processes. 12.4, (1997): 423-484.

Braze, David, et al. “Readers’ eye movements distinguish anomalies of form and content”. Journal of psycholinguistic research. 31.1, (2002): 25-44.

Chomsky, Noam. Syntactic structures. The Hague: Mouton, 1957. Chomsky, Noam. “Aspects of the Theory of Syntax. 11”. Cambridge, MA: MIT Press, 1965.

Epstein, William. “The influence of syntactical structure on learning”. The American Journal of Psychology. 74.1, (1961): 80-85.

Ferreira, Fernanda; Karl GD Bailey; Ferraro, Vittoria. “Good-enough representations in language comprehension”. Current directions in psychological science. 11.1, (2002): 11-15.

Fodor, Janet Dean, et al. “Tasks and timing in the perception of linguistic anomaly”. Journal of Psycholinguistic Research. 25.1, (1996): 25-57.

França, Aniela Improta. Concatenações linguísticas: estudo de diferentes módulos cognitivos na aquisição e no córtex. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2002.

Frazier, Lyn. On comprehending sentences: Syntactic parsing strategies. Doctoral dissertation, University of Connecticut (1979).

Frazier, Lyn; Fodor, Janet Dean. “The sausage machine: A new two-stage parsing model”. Cognition. 6.4, (1978): 291-325.

Frazier, Lyn; Rayner, Keith. “Making and correcting errors during sentence comprehension: Eye movements in the analysis of structurally ambiguous sentences”. Cognitive psychology. 14.2, (1982): 178-210.

Friederici, Angela D.; Pfeifer, Erdmut; Hahne, Anja. “Event-related brain potentials during natural speech processing: Effects of semantic, morphological and syntactic violations”. Cognitive brain research. 1.3, (1993): 183-192.

Kutas, Marta; Hillyard, Steven A. “Reading between the lines: Event-related brain potentials during natural sentence processing”. Brain and Language. 11.2, (1980): 354-373.

MacDonald, Maryellen C.; Pearlmutter, Neal J.; Seidenberg, Mark S. “The lexical nature of syntactic ambiguity resolution”. Psychological review. 101.4, (1994): 676.

Maia, Marcus (a). “Linguística experimental: aferindo o curso temporal e a profundidade do processamento”. Revista de Estudos da Linguagem. 21.1, (2013): 9-42.

Maia, Marcus. (Org.) (b). Psicolinguística e Metacognição na Escola. Campinas: Mercado de Letras, 2019.

McElree, Brian; Griffith, Teresa. “Syntactic and thematic processing in sentence comprehension: Evidence for a temporal dissociation”. Journal of Experimental Psychology: Learning, Memory, and Cognition. 21.1, (1995): 134.

Miller, George A.; Isard, Stephen. “Free recall of self-embedded English sentences”. Information and Control. 7.3, (1964): 292-303.

Osterhout, Lee; Holcomb, Phillip J. “Event-related brain potentials elicited by syntactic anomaly”. Journal of memory and language. 31.6, (1992): 785-806.

Ribeiro, Antonio João Carvalho. “Late Closure e Good-Enough no processamento de frases garden-path do português do Brasil: evidências de eyetracking”. ReVEL. 10.18, (2012).

Trueswell, John C.; Tanenhaus, Michael K.; Garnsey, Susan M. “Semantic influences on parsing: Use of thematic role information in syntactic ambiguity resolution”. Journal of memory and language. 33.3, (1994): 285-318.

Trueswell, John C.; Tanenhaus, Michael K.; Kello, Christopher. “Verb-specific constraints in sentence processing: separating effects of lexical preference from garden-paths”. Journal of Experimental psychology: Learning, memory, and Cognition. 19.3, (1993): 528.

Yang, Yang; Wu, Fuyun; Zhou, Xiaolin. “Semantic processing persists despite anomalous syntactic category: ERP evidence from Chinese passive sentences”. PloS one, 10.6 (2015).

Downloads

Publicado

2020-12-07