A escrita como prática humana: do efeito retroativo ao efeito enunciativo da proposta de intervenção da redação ENEM no ensino-aprendizagem da escrita

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8420.2020v21n2p189

Palavras-chave:

Linguística Aplicada, Linguística da Enunciação, Efeito retroativo, Efeito enunciativo, Redação Enem

Resumo

Este trabalho, a partir do diálogo entre a Linguística Aplicada – mais precisamente os estudos sobre avaliação linguística – e a Linguística da Enunciação – mais precisamente a teorização enunciativa de Émile Benveniste –, busca responder às seguintes questões: 1ª) que efeito retroativo a Competência 5 avaliada na redação Enem pode ter sobre o ensino-aprendizagem da escrita na educação básica? 2ª) que efeito enunciativo essa competência pode ter sobre a constituição, por parte do aluno, do texto como um espaço para a plena expressão de sua singularidade como sujeito de linguagem? Para tanto, são analisados quatro recortes enunciativos advindos de textos que alcançaram nota mil nas edições de 2017 e 2018 do Enem. Os resultados da análise conduzem às seguintes respostas às questões formuladas: 1ª) a Competência 5 avaliada na redação Enem pode ter, como efeito retroativo na educação básica, o ensino-aprendizagem de um modelo de texto rígido, caracterizado pelo fixação de expressões e pela repetição de ideias atinentes a agentes, ações, meios e efeitos sociais das propostas de intervenção elaboradas nas produções textuais estudantis; 2ª) essa competência pode ter ainda, como efeito enunciativo na escrita do aluno, a cristalização de relações significantes que geram uma reificação de seu texto, minando-o como espaço para a plena expressão de sua singularidade como sujeito de linguagem.

Biografia do Autor

Giovane Fernandes Oliveira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Doutorando em Estudos da Linguagem, vinculado à linha de pesquisa "Análises Textuais, Discursivas e Enunciativas", do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Graduado em Licenciatura em Letras - Língua Portuguesa, Língua Francesa e suas Literaturas pela mesma instituição (2016). Realizou um semestre de mobilidade acadêmica na Université de Rouen (França), onde cursou disciplinas na graduação em Sciences du Langage - Français Langue Étrangère e no mestrado em Sciences du Langage - Diffusion du Français (2015). Seus interesses de pesquisa circunscrevem-se a três campos do saber: 1) Epistemologia da Linguística e História das Ideias Linguísticas, com foco nos legados de Ferdinand de Saussure, Émile Benveniste e Michel Pêcheux; 2) Aquisição da Linguagem, com foco na aquisição da fala e da escrita em língua materna a partir da perspectiva enunciativa benvenistiana; 3) Estudos do Letramento, com foco em leitura, produção textual e oralidade letrada nos letramentos escolar e acadêmico. Membro da Associação Brasileira de Linguística (ABRALIN). Integrante do projeto de pesquisa "A (re)invenção de discursos na aquisição e no processo de ensino-aprendizagem de língua materna: uma abordagem enunciativa", coordenado pela Profa. Dra. Carmem Luci da Costa Silva. Organizador do site "Estudos enunciativos", página de divulgação científica que busca dar a conhecer as pesquisas desenvolvidas na UFRGS a partir da teoria da linguagem benvenistiana. Suas experiências profissionais circunscrevem-se a duas áreas de atuação: 1) docência em Língua Portuguesa, com ênfase em ensino e avaliação de textos dissertativo-argumentativos em contexto de preparação para vestibulares e o ENEM; 2) revisão e assessoria linguística na elaboração de textos técnico-científicos.

Carolina Knack, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Professora Adjunta de Língua Portuguesa do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas do Instituto de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Doutora em Estudos da Linguagem, pela linha de pesquisa Análises Textuais, Discursivas e Enunciativas do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestre pela mesma linha de pesquisa (UFRGS).

Referências

BENVENISTE, É. Problemas de Linguística Geral I. 5. ed. Campinas, SP: Pontes, 2005.

BENVENISTE, É. Problemas de Linguística Geral II. 2. ed. Campinas, SP: Pontes, 2006.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Redação no Enem 2018: Cartilha do Participante. Brasília, 2018.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). A redação no Enem 2019: Cartilha do Participante. Brasília, 2019.

DESSONS, G. Émile Benveniste, l’invention du discours. Paris: Éditions in Press, 2006.

FLORES, V. N. Introdução à teoria enunciativa de Émile Benveniste. São Paulo: Parábola, 2013.

FLORES, V. N. Saussure e Benveniste no Brasil: quatro aulas na École Normale Supérieure. São Paulo: Parábola Editorial, 2017.

KNACK, C. A língua como prática humana: desdobramentos das relações entre língua e sociedade. Desenredo - Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade de Passo Fundo, v. 14, n. 3, p. 394-403, set./dez. 2018.

KNACK, C.; SILVA, C. L. da C.; OLIVEIRA, G. F. A potencialidade da teoria da linguagem benvenistiana para o estudo da relação língua-indivíduo-sociedade: o caso dos estrangeirismos no português brasileiro contemporâneo. Calidoscópio, v. 17, p. 513-527, 2019.

MOITA LOPES, L. P. da. Uma linguística aplicada mestiça e ideológica: interrogando o campo como linguista aplicado. In: MOITA LOPES, L. P. da. (Org.) Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

OLIVEIRA, G. F.; CHITTOLINA, R. M. M. Do redigir ao revisar: uma reflexão enunciativa sobre a revisão textual e seus efeitos na escrita. In: LAU, H. D.; MICHALKIEWICZ, Z. A. (Orgs.). Pesquisar em tempos de resistência: a balbúrdia de quem faz Linguística Aplicada. 1ed.São Paulo: Pimenta Cultural, 2019, p. 246-290.

RIO GRANDE DO SUL. Secretária da Educação. Departamento Pedagógico. Referencial Curricular: Lições do Rio Grande. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, v. 1, Porto Alegre: SE/DP, 2009.

ROJO, R. H. R. Fazer linguística aplicada em perspectiva sócio-histórica: privação sofrida e leveza de pensamento. In: MOITA LOPES, L. P. da. (Org.) Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. .

ROJO, R. H. R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

SCARAMUCCI, M. V. R. Efeito retroativo da avaliação no ensino/aprendizagem de línguas: o estado da arte. Trab. Ling. Aplic., Campinas, 43 (2), p. 203-226, Jul./Dez. 2004.

SCHLATTER, M. et al. Avaliação de desempenho e os conceitos de validade, confiabilidade e efeito retroativo. In: FLORES, V. N. et al. A redação no contexto do vestibular 2005: a avaliação em perspectiva. Porto Alegre: UFRGS, 2005.

TEIXEIRA, M. Um olhar enunciativo sobre o discurso. In: DI FANTI, M. G. C.; BARBISAN, L. B. Enunciação e discurso: tramas de sentido. São Paulo: Contexto, 2012.

VICENTINI, M. P. A redação no ENEM e a redação no 3º ano do ensino médio: efeitos retroativos nas práticas de ensino da escrita. Orientadora: Matilde V.R. Scaramucci. 2015. 264 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, 2015.

VICENTINI, M. P. Efeito retroativo da prova de redação do Enem nas percepções e atitudes de alunos do terceiro ano do ensino médio. Em aberto, Brasília, v.32, n.104, p. 103-115, jan./abr. 2019.

Downloads

Publicado

2020-12-10 — Atualizado em 2021-01-26

Versões