Reflexões sobre as atividades de Língua Portuguesa Escrita (LPE) em contexto de escola bilíngue para surdos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8420.2020v21n2p46

Palavras-chave:

Escrita, Surdos, Atividades de língua portuguesa escrita

Resumo

Neste artigo, apresentam-se reflexões a partir do estudo de Maquieira (2018)[1], que se voltou a atividades de língua portuguesa escrita (LPE) em sala de aula para crianças surdas, matriculadas em uma turma multisseriada de 2° e 3° anos do Ensino Fundamental, em escola pública bilíngue para surdos, localizada na região metropolitana de Porto Alegre/RS. Objetiva-se, com este artigo, refletir sobre atividades de LPE voltadas a alunos surdos e (re)pensar a natureza dessas propostas para que possam contribuir ainda mais para novas ofertas para o ensino e o aprendizado da(s) língua(s). Partimos de dados abordados na pesquisa de Maquieira (2018) com base em registros de observações em sala de aula, por meio de fotos e vídeos, além de relatórios descritivos. Para este artigo, serão consideradas atividades de LPE dos estudantes em foco, a partir das “Ideias para ensinar português para surdos”, produzidas por Quadros e Schmiedt (2006), pois apresentam a perspectiva de ensino bilíngue para a criança surda, com vista às diferenças linguísticas e socioculturais. Para a análise, considera-se, sob a ótica de Antunes (2003, 2007, 2009), a língua como atividade que abarca o uso não somente baseado no léxico e na gramática, mas também no desenvolvimento de textos que inclui situações de interação de LPE. Entendemos que as propostas de atividades de ensino de escrita para surdos tendem a considerar a LPE como primeira língua e, para significar esse tipo de ensino, é preciso descrever ambas as línguas, numa visão comparativa/associativa para apresentar as particularidades de cada uma, situando suas respectivas funções, antes mesmo da construção das atividades de LPE em sala de aula.

[1] Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da Unisinos.  

 

Biografia do Autor

Josiane dos Santos Maquieira, Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos

Possui Graduação em Letras Português/ Inglês pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2011) e Mestrado em Linguística Aplicada/ 2018 pela mesma Universidade . Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Língua Portuguesa, atuando principalmente em processos no ensino e na aprendizagem de línguas, considerando a educação de surdos.

Jéssica Daiane Levandovski Thewes, Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos

Mestranda do Programa de Pós-graduação em Linguística Aplicada (PPGLA), da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), com apoio Capes. Professora voluntária de Português para Estrangeiros (Unisinos). Possui graduação em Letras Espanhol e Literaturas de Língua Espanhola, pela Universidade Luterana do Brasil (ULBRA/2012), com apoio do Programa Universidade para todos (ProUni) e Graduação em Língua Portuguesa e respectivas literaturas, pela Unisinos (2016). Realizou os cursos de qualificação profissional em "Avaliação do Ensino e da Aprendizagem" e ?Atendimento Educacional Especializado (AEE)?, pelo Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC). Atuou como professora de Língua Portuguesa, Literatura e Língua Espanhola, no período de 2010 a 2016 em instituições públicas e privadas de Educação Básica. Participa do grupo de pesquisa "Aquisição e Desenvolvimento da Linguagem: Relações entre Fala e Escrita" (CNPq), da linha de pesquisa "Linguagem e Práticas Escolares", do Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada (PPGLA), Unisinos, onde atua, também como representante discente do PPGLA. Participa do grupo do Centro de Estudos Internacionais em Educação (CEIE/Unisinos). Tem interesse na área de Linguística Aplicada, com ênfase no processo de ensino e de aprendizagem de línguas, na perspectiva da Educação Inclusiva. https://www.researchgate.net/profile/Jessica_Daiane_Levandovski_Thewes

Cátia de Azevedo Fronza, Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos

Possui graduação em Letras Português-Inglês, pela Fundação Educacional da Região dos Vinhedos (1991), Mestrado em Letras (1994) e Doutorado em Letras (1999), pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, com área de concentração em Linguística Aplicada. Realizou Estágio Sênior, com apoio da CAPES (Processo n. 002747/2015-04), na Universidade de Goningen, Holanda, sob supervisão da Profa. Dra. Marjon Tammenga-Helmantel (Faculty of Behavioural and Social Sciences - Univeristy of Groningen). É docente do Curso de Letras e do Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. É líder do Grupo de Pesquisa "Aquisição e desenvolvimento da linguagem: relações entre fala e escrita", cadastrado no Diretório de Grupos de Pesquisa do CNPq. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em aquisição da linguagem, aquisição da fonologia, atuando principalmente nos seguintes temas: aquisição da fala, aquisição/aprendizagem da escrita e implicações desses processos no ensino e na aprendizagem de línguas, considerando a educação de surdos e especificidades linguísticas no âmbito da educação inclusiva.

Referências

ANDRADE, M. M. Práticas de ensino da língua portuguesa para alunos surdos. 2012. 86 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Curso de Pós-graduação em Educação, Universidade Metodista de Piracicaba, São Paulo, 2012.

ANTUNES, I. Aula de Português: encontro e interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

ANTUNES, I. Muito além da gramática: por um ensino de línguas sem pedras no caminho. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

ANTUNES, I. Língua, texto e ensino: outra escola possível. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

BECHARA, E. B. Moderna Gramática portuguesa. 38. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

BRASIL. Decreto nº 5626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei Nº 10.436, de 24 de abril de 2002, dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e o art. 18 da Lei Nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 09 nov. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEB, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Alfabetização e Diversidade. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva de educação inclusiva. Brasília: MEC/SEESP 2014a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=16690-politica-nacional-de-educacao-especial-na-perspectiva-da-educacao-inclusiva-05122014&category_slug=dezembro-2014-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 06 ago. 2018.

DIDÓ, A. G. Pareceres descritivos de alunos surdos: revelações sobre seu desempenho em língua portuguesa no ensino fundamental. 2012. 137 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2012.

FERNANDES, S. Práticas de letramento na educação bilíngue para surdos. Curitiba, 2006. Disponível em: http://www8.pr.gov.br/portals/portal/institucional/dee/praticas_letramentos.pdf. Acesso em: 28 abril. 2018.

FERNANDES, S. Educação bilíngue para surdos: identidades, diferenças, contradições e mistérios. 2003. 213f Tese (Doutorado em Letras) – Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2003. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/24287/T%20-%20FERNANDES,%20SUELI%20DE%20FATIMA%20.pdf?sequence=1. Acesso em: 05 ago. 2018.

FRONZA, C. A.; MUCK, G. F. In: LOPES, M. C. (Org.). Cultura Surda & Libras. São Leopoldo, 2012. v. Ed. P. 47- 62.

KLEMAN, Ângela B. Preciso ensinar letramento? Não basta ensinar a ler e a escrever? São Paulo, Unicamp. 2005.

LACERDA, C. B. F.; ALBRES, N. A.; DRAGO, S. L. S. Política para uma educação bilíngue e inclusiva a alunos surdos no município de São Paulo. São Paulo.2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v39n1/v39n1a05.pdf. Acesso em 02 fev. 2020.

LEBEDEFF, T. B. A educação dos surdos na região do planalto médio rio-grandense: uma problematização das condições linguísticas e de escolarização. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 33., 2010, Caxambú. Anais... Rio de Janeiro: ANPED, 2010.

LEBEDEFF, T. B. O povo do olho: uma discussão sobre a experiência visual e surdez. In: LEBEDEFF, Tatiana Bolivar et al., (Org.). Letramento visual e surdez. Rio de Janeiro: Wak, 2017. p. 68-90.

LODI, A. C. B. A leitura como espaço discursivo de construção de sentidos: Oficinas com surdos. 2004. 263 f. 263 f. Tese (Doutorado) – Programa de estudos Pós-graduados em Linguística Aplicada e Estudos de Linguagem, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, (PUCSP), São Paulo, 2004. Disponível em: https://sapientia.pucsp.br/handle/handle/13914. Acesso em 01 set. 2018.

MAQUIEIRA, J. S. Língua Portuguesa Para Surdos Nos Anos Iniciais Do Ensino Fundamental: Reflexões sobre atividades em sala de aula. 2018. 92 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) - Curso de Programa de Pós-graduação em Linguística Aplicada, Universidade do Vale dos Sinos, São Leopoldo, 2018. Disponível em: http://www.repositorio.jesuita.org.br/handle/UNISINOS/7454. Acesso em 27 abril. 2019.

MUCK, G. F. O status da Libras e da língua portuguesa em contextos de ensino e de aprendizagem de crianças surdas. 2009. 155 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) - Curso de Programa de Pós-graduação em Linguística Aplicada, Universidade do Vale dos Sinos, São Leopoldo, 2009. Disponível em: http://www.repositorio.jesuita.org.br/bitstream/handle/UNISINOS/2584/GiseleMuckLinguisticaAplicada.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 29 nov. 2017.

MÜLLER, J. I. Língua Portuguesa na educação escolar bilíngue de surdos. 2016. 295 f. Tese (Doutorado em Educação) - Curso de Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/149088/001004823.pdf?sequence=1. Acesso em: 29 nov. 2017.

NASCIMENTO, R. O. Análise de atividades de Alfabetização de estudantes surdos. 2015. 101 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Curso de Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVAS), Pouso Alegre, 2015. Disponível em: http://www.univas.edu.br/me/docs/dissertacoes2/21.pdf. Acesso em: 29 nov. 2017.

OLIVEIRA, T. C. B. C. A escrita do aluno surdo: interface entre a Libras e a língua Portuguesa. 2009. 329 f. Tese (Doutorado Educação) - Curso de Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, 2009. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/11066. Acesso em: 13 jun. 2020.

OLIVEIRA, A. O. A. Projetos como metodologia de língua inglesa para surdos. 2018.103 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Monografia em Letras) – Faculdade de Licenciatura em Letras – Inglês, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2018.

PEREIRA, M. C. C. Aquisição da Língua Portuguesa por aprendizes surdos. In: 1 Seminário Desafios para o próximo milênio, 2000, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: INES, 2000. p. 95 – 100

QUADROS, R. M. A educação de surdos: a aquisição da linguagem. ed. Porto Alegre: Artmed, 1997.

QUADROS, R.; SCHMIEDT, M. L. P. Ideias para ensinar português para surdos. Brasília, 2006. Disponível em: http://www.conhecer.org.br/download/ATENDIMENTO AO ALUNO ESPECIAL/leitura 5.pdf. Acesso em: 8 ago. 2016.

QUADROS, R. M.; KARNOPP, L. B. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. ed. Porto Alegre. Artmed, 2004.

ROJO, R. Letramentos Múltiplos, escola e inclusão social. 1. ed. São Paulo. Parábola, 2009.

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. 3. Ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

Downloads

Publicado

2020-12-10