Muito riso, pouco siso? O momento da galhofa e os usos sociais da (in)visibilidade dos corpos por crianças em idade escolar num ATL

Autores

  • Rita Maria Ribeiro Gonzalez Universidade do Porto

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2008n18p1

Palavras-chave:

Educação Infantil, Infância, Corpo, Tempo, Galhofa, ATL

Resumo

O argumento de que as crianças, individuais e colectivamente, são actores sociais competentes nos usos sociais que fazem dos seus corpos para se expressarem e afirmarem estrategicamente face ao poder e saber adultos e entre si, fundamenta-se nas Sociologias da Infância, do Corpo e do Lazer e apoia-se na observação participante de um grupo de crianças frequentadoras de um ATL urbano. A análise de momentos de “galhofa” - marcados por expressões corporais verbais e não- verbais, exaltantes e exacerbadas, que irrompiam no(s) grupo(s) de crianças e criavam situações inusitadas, cómicas e bizarras -, ao intersectarem tanto as interacções entre adulto-crianças como entre estas no quotidiano do ATL, permite revelar i) facetas das culturas de pares infantis carregadas de sentidos significativos e veiculadas por uma expressividade de fácil compreensão, porque partilhada entre os membros do grupo; ii) outros modos de interpretação do colectivo infantil que é crítico do funcionamento do ATL; iii) as respectivas dificuldades adultas para interpretarem a “galhofa” do ponto de vista das crianças; iv) a participação de crianças em instituições socioeducativas em que a extrema visibilidade e ludicidade exacerbada constituem modos privilegiados de reivindicarem um tempo livre que possa ser seu.

Biografia do Autor

Rita Maria Ribeiro Gonzalez, Universidade do Porto

Docente do 1º Ciclo do Ensino Básico.

Downloads

Publicado

2008-12-12

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua