Descobrindo caminhos na trajetória da Educação e das Culturas Infantis

João Josué Silva Filho

Resumo


Este trabalho buscou examinar diálogos e trocas culturais entre crianças de realidades diversas. A idéia foi contribuir para uma compreensão maior sobre as concepções que as crianças têm de si, dos outros e do mundo considerando que elas não estão isoladas e nem são impermeáveis aos contextos onde se movem. O material empírico foi coletado daquilo que as crianças produziram em oficinas de expressão desenvolvidas em um projeto de itinerância realizado por um dos parceiros do nosso grupo de pesquisa, a Oníria (vídeo, fotografia artesanal, registros sonoros, narração de histórias e ilustração das mesmas). Dentre todo o material com o qual pudemos tomar contato, decidimos que seria bastante interessante analisar algumas histórias contadas pelas crianças na etapa da Amazônia. Das 43 coletadas ali, selecionamos nove. Nossa proposta parte do desafio de apoiar a expressão daquilo que viveram, e vivem, as crianças nestes espaços, a partir da expressão delas mesmas, de seus desejos, seus anseios, suas alegrias, e suas tristezas, sua luta cotidiana pela dignidade e a sobrevivência. Entendemos que por estarem menos contaminadas pela projeção das conseqüências de suas perguntas e explicações, as crianças tendam a ser mais contundentes em sua aparente simplicidade. Em nosso entender esta característica favoreceu a captura de ângulos pouco usuais do cotidiano, ângulos talvez essenciais para a continuidade de trabalhos que se preocupem em melhorar as relações entre a cultura adulta e as crianças, aspecto este fundamental para a tarefa dos educadores.

PALAVRAS-CHAVE:


Palavras-chave


Educação; Interculturalidade; Infância

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2011n23p1

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.