Geração e classe social na análise de culturas infantis: marcas de alteridade e desigualdade

Deise Arenhart

Resumo


Este trabalho se propõe a discutir como as posições estruturais de geração e classe social se expressam nas culturas infantis de dois grupos diferenciados socialmente: um de baixa renda e residente em uma favela e outro de classe media alta intelectualizada. Partindo de uma perspectiva etnográfica, a pesquisa de campo foi desenvolvida com crianças de quatro a seis anos em instituições escolares, tendo elas como principais sujeitos da pesquisa. Da análise da empiria, o corpo apareceu como recurso e expressão das culturas das crianças que vivem na favela e que sofrem, na escola, processos densos de regulação da interação, da brincadeira e da linguagem. Ao contrário, a brincadeira destacou-se como principal manifestação que dá base para as culturas das crianças na escola de classe média/alta, contexto em que as interações entre pares e o brincar estão mais favorecidos. Estes dados são discutidos  tomando como referência, além das posições de geração e classe social, os limites, possibilidades e referentes culturais oferecidos pelos contextos específicos de inserção das crianças, especialmente, a família e a escola. 

 


Palavras-chave


Creche; Pré-escola; Brincadeira

Texto completo:

PDF

Referências


ARENHART, Deise. Entre a favela e o castelo: efeitos de geração e classe em culturas infantis. Tese (doutorado em educação). Faculdade de Educação, UFF, 2012.

AGOSTINHO, Kátia Adair. O espaço da creche: que lugar é este? Florianópolis, 2003. Dissertação (mestrado em Educação). Universidade Federal de Santa Catarina.

BORBA, Angela Meyer. Culturas da infância nos espaços-tempos do brincar. Tese (doutorado em Educação). Programa de pós-graduação em Educação, UFF, 2005.

BOURDIEU, Pierre. Les héritiers (Os herdeiros). Paris: Ed. de Minuit, 1964.

BROUGÈRE, Gilles. Brinquedos e Companhia. São Paulo: Cortez, 2004.

CHRISTENSEN, P.; PROUT, A. Working with ethical symmetry in social research with children. Childhood, v. 9, n. 4, p. 477-497, 2002.

CORSARO, W. A. The sociology of childhood. Thousand Oaks: Pine Forge Press, 1997.

_____________. Entrada no campo, aceitação e natureza da participação nos estudos etnográficos com crianças pequenas. In: Educação e Sociedade: Revista de Ciência da Educação. Vol. 26, maio/ago-2005. Campinas: Cedes.

____________ Le concept heuristique de culture infantile. In: Sirota R. (dir.). Éléments pour une sociologie de l’énfance. Rennes, Presses Universitaires de Rennes, 2006, p. 1572-1590.

FARIA, A. L. G; DEMARTINI, Z.B.F; PRADO, P.D (orgs). Por uma cultura da infância: metodologias de pesquisa com crianças. 2ª ed. Campinas/SP: Autores Associados, 2005.

FERREIRA, Maria Manuela M. A gente aqui o que gosta mais é de brincar com os outros meninos: as crianças como atores sociais e a (re) organização social do grupo de pares no quotidiano de um Jardim de Infância. Porto, 2002. Dissertação (Doutoramento em Ciências da Educação) – Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Universidade do Porto.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara, 1989. (trad. port.; ed. original, 1973).

HONIG, Michael-Sebastian. How is the Child constituted in Childhood studies? In: Qvortrup, J; Corsaro, W and Honig, M. S. The Palgrave Handbook of Childhood Studies. Palgrave Macmillan, 2009.

KRAMER, 2002. Autoria e autorização. Questões éticas na pesquisa com crianças. Cadernos de Pesquisa, nº 116. São Paulo, jul. 2002, p. 41-59.

____________. Direitos da criança e projeto político-pedagógico da educação infantil. In: BAZÍLIO, L. C e KRAMER, S. Infância, educação e direitos humanos. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2006.

LAHIRE, Bernard. Crenças coletivas e desigualdades culturais. Educação e Sociedade, Campinas, vol. 24, nº 84, set 2003. p. 983-995.

MARCHI, R. e SARMENTO, M. J Radicalização da infância na segunda modernidade. Para uma sociologia da infância crítica. Mimeo, s/d.

MANNHEIM, K. Ideologia e utopia: introducción a la sociologia del conocimiento. México: Fondo de Cultura Econômica, 1993 [1928].

NOGUEIRA, Maria Alice. Trajetórias escolares, estratégias culturais e classes sociais. Notas em vista da construção do objeto da pesquisa. In: Revista Teoria e Educação, nº 3, 1991.

PROUT, Alan. Reconsiderar a nova Sociologia da Infância: para um estudo multisciplinar das crianças. Ciclo de conferências em Sociologia da Infância 2003/2004 – IEC. 2004. Tradução: Helena Antunes. Revisão científica: Manuel Jacinto Sarmento e Natália Fernandes Soares. Braga/Portugal (digitalizado).

QVORTRUP, J. Generations: an important category in sociological research. In: Congresso Internacional dos mundos sociais e culturais da infância. Braga, 2000. Actas... Braga, Uminho, Instituto de Estudos da Criança, 2000. vol 2, p. 102-113.

_____________. As culturas da infância nas encruzilhadas da segunda modernidade. In: SARMENTO, M. J. e CERISARA, A. B. (orgs.). Crianças e miúdos: perspectivas sócio-pedagógicas da Infância e Educação. Porto: Asa, 2004.

SILVA, Manuel Carlos. Classes sociais: condição objetiva, identidade e acção colectiva. Ribeirão/Portugal: ed. Húmus, Universidade do Minho, 2009.

THIN, Daniel. Famílias de camadas populares e a escola. Confrontação desigual e modos de socialização. In: Muller, M. L. R e Paixão, L. P (orgs.). Educação, diferenças e desigualdades. Cuiabá: EdUFMT, 2006.

VINCENT, Guy (dir). Léducation prisionnière de la forme scolaire? Scolarisation et socialization dans les sociètes industrielles. Lyon: Presses Universitaires de Lyon, 1994.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2015n31p193

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.