A organização do espaço escolar na educação infantil

Renata Junqueira de Souza, Elianeth Dias Kanthack Hernandes, Isabela Fernanda Roberto da Silva

Resumo


Este estudo teve a intenção de refletir sobre a importância do espaço escolar na Educação Infantil. A proposta do trabalho foi a de apresentar, por intermédio de pesquisa bibliográfica e da aplicação de um questionário junto aos educadores de uma escola municipal pública, do interior paulista, a percepção desses sujeitos sobre os espaços escolares e suas utilizações para o processo educativo de crianças menores. A análise dos dados coletados, quando cotejados com os referenciais que deram sustentação à pesquisa, mostra que não existe consenso entre os educadores sobre como deveriam ser organizados e disponibilizados os espaços escolares para as crianças na Educação Infantil. Os referenciais teóricos que utilizamos demonstram quão importantes e fecundos podem ser esses espaços ocupados pelas crianças nas escolas de primeira infância, principalmente se forem adequados à exploração e às interações.


Palavras-chave


Educação; Política Educacional; Espaço Escolar; Educação Infantil

Texto completo:

PDF/A

Referências


BONDIOLI, A. (Org.) O tempo no cotidiano infantil: perspectivas de pesquisa e estudo de casos. São Paulo: Cortez, 2004.

BRASIL, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil / Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. — Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Parâmetros básicos de infraestrutura para instituições de Educação Infantil. Brasilia: MEC, 2006. Disponível em http://portal.mec.gov.br. Acesso em 21/01/2016.

BRASIL Ministério da Educação. Práticas cotidianas na Educação Infantil: base para reflexão sobre as orientações curriculares. Brasilia: MEC, 2009. Disponível em http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/relat_seb_praticas_cotidianas.pdf. Acesso em 21/01/2016.

BRASIL Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil / Secretaria de Educação Básica. – Brasília : MEC, SEB, 2010.

CONTRERÁS, J.; LARA, N. P. (Org.) Investigar La experiência educativa. Madri: Morata, 2010.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 50 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

FOCHI, P. Afinal, o que os bebês fazem no berçário? Comunicação, autonomia e saber-fazer de bebês em um contexto de vida coletiva. Porto Alegre: Penso, 2015.

GATTI, B. A. Formação inicial de professores para a educação básica: pesquisas e políticas educacionais. Revista Estudos em Avaliação Educacional. São Paulo, v. 25, n. 57, p. 24-54, jan./abr. 2014. Disponível em http://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/eae/arquivos/1899/1899.pdf. Acesso em 03/04/2016.

KISHIMOTO, T.M. Salas de aula de escolas infantis: domínio da fila, tempo de espera e falta de autonomia da criança. Nuances: Revista do Curso de Pedagogia, Presidente Prudente, v.5, n.4, p.1-7, 1999.

KRAMER, S. Com a pré-escola nas mãos. São Paulo: Ática, 2000.

MUSATTI, T.; MAYER S. Conhecendo e aprendendo em um contexto educacional: um estudo realizado nas creches de Pistóia. In: EDWARDS, C. GANDINI, I (org.), Bambini: a abordagem italiana à Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed, 2002.

NÓVOA, A. (Coord.). Os professores e a sua formação. 2 ed. Lisboa: Dom Quixote, 1995.

OLIVEIRA, M. K. Vygotsky: Aprendizado e desenvolvimento. Um processo sócio-histórico. São Paulo: Ed. Scipione, 2008.

PIAGET, J.; INHELDER, B. A representação do espaço na criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

REDIN, E. O espaço e o tempo da criança: se der tempo a gente brinca. Porto Alegre: Mediação, 1998.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2016v18n34p165

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.