Representações de feminino e masculino em pesquisa com crianças

Lutiane Novakowski, Marisa Vorraber Costa, Fabiana de Amorim Marcello

Resumo


O trabalho apresenta os resultados de uma pesquisa cujo objetivo foi compreender quais representações de feminilidade e masculinidade as crianças constroem desde bem pequenas. O estudo inscreve-se na perspectiva teórico-metodológica da pesquisa com crianças, que as entende como sujeitos e coautoras. O referencial teórico incluiu os estudos da sociologia da infância, mais precisamente, os conceitos de cultura de pares e representação interpretativa, e os estudos sobre gênero. Dialogou-se com um grupo de crianças na faixa etária entre 4 e 5 anos, em suas culturas de pares, que frequentavam uma escola de Educação Infantil pública. Os resultados da pesquisa contribuíram para o entendimento de que, embora as crianças muitas vezes expressem compreensões – neste caso, sobre gênero – atreladas a uma visão adultocêntrica, os significados que acabam compartilhando e reproduzindo colaboram para a constituição de suas próprias identidades. E quando, no contexto de suas culturas de pares, alguns destes significados são tensionados, negociados, apreendidos e confrontados entre elas, acabam por produzir suas próprias culturas.


Palavras-chave


Pesquisa com Crianças; Infância e Gênero; Educação Infantil; Cultura de Pares

Texto completo:

PDF/A

Referências


BRITZMAN, Deborah P. O que é essa coisa chamada amor: identidade homossexual, educação e currículo. Educação & Realidade. Porto Alegre. jan./jun. 1996, v.21, 71-96.

BUSS-SIMÃO, Márcia. Relações sociais em um contexto de educação infantil: um olhar sobre a dimensão corporal na perspectiva de crianças pequenas. 2012. 312 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2016.

CORSARO, William Arnold. Reprodução interpretativa e cultura de pares. In: MÜLLER, Fernanda e CARVALHO, Ana Maria Almeida Carvalho (Orgs.). Teoria e prática na pesquisa com crianças: diálogos com William Corsaro. São Paulo: Cortez Editora. 2009. p. 31-50.

______. Faz de conta, aprendizagem e infância viva. Revista Pátio: educação infantil. Porto Alegre. abr./jun. 2011, ano IX, n.27, 12- 15.

______. Friendship and peer culture in the early years. Norwood: Ablex, 1985.

______. Sociologia da infância. Tradução: Lia Gabriele Regius Reis. Porto Alegre: Artmed, 2011.

CORSARO, W. A., & MILLER, P. J. Interpretive approaches to children's socialization. San Francisco: Jossey Bass, 1992.

DECLERCQ, Christelle; MOREAU, Daniéle. As crianças não nascem meninos ou meninas: tornam-se um ou outro. Revista Pátio: educação infantil. Porto Alegre. jul./set. 2013, ano XI, n.36, 19- 21.

FELIPE, Jane. Entre tias e tiazinhas: pedagogias culturais em circulação. In: SILVA, Luiz Heron (Org.) Século XXI: qual o conhecimento? Qual currículo? 2.ed. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 167-179.

FELIPE, Jane; GUIZZO, Bianca Salazar. Erotização dos corpos infantis na sociedade de consumo. Pro-posições. Campinas. set./dez. 2003, v.14. n.3, 119-130. Disponível em: http://www.proposicoes.fe.unicamp.br/proposicoes/textos/42-dossie-felipej_etal.pdf

FERREIRA, Maria Manuela Martinho. “- A gente aqui o que gosta mais é de brincar com os outros meninos!” – as crianças como atores sociais e a (re) organização social do grupo de pares no cotidiano de um Jardim de Infância. 2002. 722f. Dissertação (Doutoramento em Ciências da Educação) - Universidade do Porto, Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Porto, 2002. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2016.

FINCO, Daniela. Os perigos da naturalização das relações sociais na educação infantil. Revista Pátio: educação infantil. Porto Alegre. jul./set. 2013, ano XI, n.36, 05-07.

GAUDIO, Eduarda Souza. Relações sociais na educação infantil: dimensões étnico-raciais, corporais e de gênero. 2013. 242f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013. Disponível em . Acesso em: 15 ago 2016.

GAVIÃO, Juliane Falcão. Representações de gênero e consumo na pesquisa com crianças. 2013. 176f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Luterana do Brasil, Canoas, 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2013.

GOBBI, Márcia. Desenho infantil e oralidade: instrumento para pesquisa com crianças pequenas. In: FARIA, A. L. G. e DERMATINI, Z. de B. F.; PRADO, P. D. (Orgs.). Por uma cultura da infância: metodologias de pesquisa com crianças. Campinas: Autores Associados, 2002. p. 69-92.

GUIZZO, Bianca Salazar. Identidades de gênero e propaganda televisivas: um estudo no contexto da Educação Infantil. 2005. 145f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

KISHIMOTO, Tizuko M.; ONO, Andréia Tiemi. Brinquedo, gênero e educação na brinquedoteca. Pro-posições. Campinas. set./dez. 2008, v.19, n.3 (57), 209-223. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73072008000300011

MÜLLER, Fernanda. Entrevista com William Corsaro: entrevista. Educação e sociedade. Campinas. jan./abr. 2007, v.28, n.98. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-73302007000100014&script=sci_arttext

______. Infância nas vozes das crianças: culturas infantis, trabalho e resistência. Educação e Sociedade. Campinas. mai./ago. 2006, v.27, n.95. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302006000200012&Ing=pt&nrm=iso

PAECHTER, Carrier. Por que meninos e meninas escolhem brinquedos diferentes. Revista Pátio: educação infantil. Porto Alegre. jul./set. 2013, ano XI, n.36, 13-15.

RIBEIRO, Nye. Jeitos de ser. 2.ed. São Paulo: Editora do Brasil, 2000.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2016v18n34p235

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.