Pesquisar e educar para as relações étnico-raciais na educação infantil: uma luta contra o ruído do silêncio

Nanci Helena Rebouças Franco, Fernando Ilidio da Silva Ferreira

Resumo


O presente artigo tem como objetivo analisar a importância da educação para as relações étnico-raciais na educação infantil (E.I.), a partir de dados coletados em Salvador (Brasil) fazendo um contraponto com uma experiência de pesquisa em Braga (Portugal). Do ponto de vista teórico-metodológico baseia-se numa abordagem qualitativa de cunho exploratório, com a utilização da pesquisa bibliográfica e documental, bem como incidentes críticos. Os resultados mostram que existe uma fala das crianças sobre as relações raciais, o silêncio dos adultos no espaço da família e da escola. Diante disso, a educação na/para a diversidade se coloca como um desafio/possibilidade de prática pedagógica promotora da igualdade na E.I, na perspectiva da compreensão das crianças enquanto sujeitos históricos, sociais, culturais e portadores de direitos e da participação das mesmas na construção de uma sociedade mais humana e com mais equidade.


Palavras-chave


Educação; Educação infantil; Relações étnico-raciais

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABRAMOWICZ, A.; OLIVEIRA, F. As relações étnico-raciais e a Sociologia da Infância no Brasil; alguns aportes In: BENTO, Maria Aparecida Silva (Org.).Educação Infantil, Igualdade Racial e Diversidade: aspectos jurídicos, políticos, conceituais.São Paulo: CEERT, 20012.

BENTO, Maria Aparecida Silva. A identidade racial em crianças pequenas. In: ______.Educação Infantil, Igualdade Racial e Diversidade: aspectos politicos, juridicos, conceituais. São Paulo: MEC, CEERT, UFSCAR, 2012.

BENTO, Maria Aparecida Silva; DIAS, Lucimar Rosa. Carta aos profissionais de Educação Infantil. In: SILVA JR., Hédio; BENTO, Maria Aparecida Silva; CARVALHO, Silvia Pereira de. Educação Infantil e Práticas Promotoras de Igualdade Racial. São Paulo: Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades - CEERT; Instituto Avisa lá - Formação Continuada de Educadores, 2012.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei 10 639. Disponível em: . Acesso em: 01 jan. 2006.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de História e Cultura Afrobrasileira e Africana. Brasília: MEC, 2004.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC, 2009.

BRASIL. Lei 9.394. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponivel em: . Acesso em: 15 out. 2016.

BRASIL. LEI Nº 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2014.

BUTTERFIELD, L.D. et. al. Fifty years of the critical incident technique: 1954-2004 and beyond. Qual Res 2005, 5(4):475–97.

CANAVIEIRA, F. O. E; PALMEN, S. H. C. Movimentos sociais e a luta pela educação infantil. In: GEPEDISC. Infância e Movimentos Sociais. Campinas, SP: Edições Leitura Crítica, 2015, p. 33-49.

CARVALHO, Marília Pinto. O fracasso escolar de meninos e meninas: articulações entre gênero e cor/raça. Cadernos Pagu. São Paulo, 2004.

CAVALLEIRO, Eliane. Do silêncio do lar ao silêncio escolar: racismo, preconceito e discriminação na educação infantil. São Paulo: Contexto, 2000.

CUNHA, Henrique. A Indecisão dos pais em face de percepção da discriminação racial na escola pela criança. Cadernos de Pesquisa da Fundação Carlos Chagas. São Paulo 1987.

DAMIÃO, Flávia de Jesus. Primeira Infância, afrodescendência e educação no Arraial do Retiro-Salvador. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2007.

DAVIES, J; SPENCER, D (Eds). Emotions in the Field: The Psychology and Anthropology of Fieldwork Experience. Stanford, CA: Stanford University Press, 2010.

DIAS, Lucimar Rosa. Diversidade Étnico-Racial e Educação Infantil. Três Escolas. Uma questão. Muitas respostas. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 1997.

DIAS, Lucimar Rosa. No fio do horizonte: educadoras da primeira infância e o combate ao racismo. Tese de Doutorado. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2007.

ELLINGER, A. D.; WATKINS, K.E. Updating the critical incident technique after forty-four years. Advances in qualitative research. In: Academy of Human Resource Development Conference Proceedings. ERIC Document Reproduction Service No. ED428234. Disponível em: < http://www.edrs.com/logon.cfm>. Acesso em: 11 out. 2002.

FARIA, Ana Lúcia Goulart. Pequena infância, educação e gênero: subsídios para um estado da arte. Cadernos Pagu, v. 26, p. 279-288, 2006.

FAUBION, J; MARCUS, G (Eds). Fieldwork Is Not What It Used to Be: Learning Anthropology’s Method in a Time of Transition. Ithaca, NY and London: Cornell University Press, 2009.

FAZZI, Rita de Cássia. O Drama Racial de Crianças Brasileiras: socialização entre pares e preconceito. Belo Horizonte: Ed. Autêntica, 2004.

FERNANDEZ, J. Epilogue: what a story we anthropologists have to tell! In: COLLINS, P.; GALLINAT A (Eds) The Ethnographic Self as Resource: Writing Memory and Experiences into Ethnography. New York and Oxford: Bergahn Books, 2010. p. 246–252.

FLANAGAN, John. La technique de l’incident critique. Revue de Psycologie Appliquée, v. 4, n. 2, p. 165-185, abr. 1954.

FORSEY, M. Ethnography as participant listening. Ethnography 11(4), 2010, 558–572.

GAVA, F. A. C.; SÁNCHEZ, Damián Sánchez. Movimentos Sociais e Educação Infantil: dos caminhos históricos às conquistas e desafios atuais. Revista Cadernos de Ciências Sociais da UFRPE, jul./dez., pp. 51-71, 2015.

GEPEDISC. Infância e Movimentos Sociais. Campinas, SP: Edições Leitura Crítica, 2015, pp. 89-104.

GODOY, Eliane Aparecida de. A representação étnica por crianças pré-escolares: um estudo de caso a luz da teoria piagetiana. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1996.

GOMES, Nilma Lino. A mulher negra que vi de perto: o processo de construção da identidade racial de professoras negras. Belo Horizonte: Mazza Edições, 1995.

GOMES, Nilma Lino. Limites e Possibilidades da implementação da Lei 10.639/03 no contexto das políticas públicas em educação. In: PAULA, Marilene de; HERINGER, Rosana (Orgs.) Caminhos Convergentes: estado e sociedade na superação das desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Boll Actioonaid, 2009.

GOMES, Nilma Lino; GEBARA, Tania Aretuzi Ambrizi. Gênero, Família e Relações Étnico-Raciais: um estudo sobre as estratégias elaboradas por mulheres negras e brancas provedoras nas relações que estabelecem com a educação de seus filhos (as). XI Congresso Luso Afro Brasileiro de Ciências Sociais. Salvador, 2011.

HUME, L; MULCOCK, J. Introduction: awkward spaces, productive places. In: HUME, L e MULCOCK, J (Eds). Anthropologistsin the Field: Cases in Participant Observation. New York: Columbia University Press, 2004.

LANDÉN, A. From ethnographic ‘self’-discovery to processes of identification. Qualitative Research11(5): 536–551.2011.

NOVOA, Antonio. Desenvolvimento profissional de professores para a qualidade e para a equidade da Aprendizagem ao longo da vida. Lisboa, 2007. (Conferência).

OLIVEIRA, Fabiana. Um estudo sobre a creche: o que as práticas educativas produzem e revelam sobre a questão racial? Dissertação de Mestrado. São Paulo: Universidade de São Carlos, 2004.

QUEIROZ, Delcele Mascarenhas. A pesquisa sobre o negro no ensino superior no norte-nordeste do Brasil. In: PIZZI, Laura Cristina Vieira; FUMES, Neiza de Lourdes Frederico (Orgs.) Formação do Pesquisador em Educação: identidade, diversidade, inclusão e juventude. Maceió: EDUFAL, 2007.

REZENDE, Andreia Botelho de; CARVALHO, Marilia Pinto de. Meninos Negros: Múltiplas Estratégias para lidar com o Fracasso Escolar. Revista Luso Brasileira de Sociologia da Educação. São Paulo, 2012.

ROMÃO, Jeruse. O Educador, a educação e a construção de auto-estima positiva no educando negro. In: CAVALLEIRO, Eliane (Org.). Racismo e Anti-Racismo na Educação: repensando a nossa escola. São Paulo: Selo Negro, 2001.

ROSEMBERG, Fúlvia. Expansão da Educação Infantil e Processo de Exclusão. Cadernos de Pesquisa. São Paulo: Fundação Carlos Chagas; Autores Associados: São Paulo, n. 107, jul.1999.

SANTIAGO, Flávio. Culturas Infantis e Educação das Relações Étnico-Raciais: desarticulando as amarras do colonialismo. In: GEPEDISC. Infância e Movimentos Sociais. Campinas, SP: Edições Leitura Crítica, 2015.

SHWEDER, R. The surprise of ethnography. Ethnos25(2): 152–163.1997.

SILVA, Carmen A. Duarte da et. al. Meninas Bem-Comportadas, Boas Alunas; Meninos Inteligentes, Indisciplinados de. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, 1999.

SILVA, Paulo Vinicius Baptista da; SOUZA, Gizele de Souza. Relações étnico-raciais e práticas pedagógicas em Educação Infantil. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2017.

TRIGGER, D.;FORSEY, M.; MEURK, C. Revelatory moments in fieldwork. Qualitative Research12(5) 513– 527, 2012.

TRIPP, D. Teachers’ lives, critical incidents and professional practice. International Journal of Qualitative Studies in Education, 1994.

TSING, A. In the Realm of the Diamond Queen: Marginality in an Out-of-the-Way Place. Princeton, NJ: Princeton University Press, 1993.

WEST, P. Holding the story forever: the esthetics of ethnographic labour. Anthropological Forum 15 (3): 267–275. 2005.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2017v19n36p252

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.