A dimensão espacial na produção das culturas infantis: análise das interações entre meninas e meninos nos banheiros da educação infantil

Tássio José da Silva, Wellington Teixeira Lisboa

Resumo


Este artigo discute as relações de gênero que permeiam a organização e a utilização dos banheiros de uma instituição de Educação Infantil, por meio dos diferentes usos e apropriações que meninas e meninos cotidianamente fazem desses espaços. Considerando que os banheiros são espaços de alta densidade simbólica para a investigação das relações de gênero e sexualidade, este artigo problematiza e questiona as relações de poder presentes nessas manifestações. O escopo empírico que integra esta reflexão apoia-se numa etnografia realizada em uma instituição de Educação Infantil localizada na Região Metropolitana de São Paulo. Os resultados indicam um processo de espacialização sob a ótica de gênero, mostrando como o espaço configura-se como um importante elemento de controle das crianças, a partir da lógica adulta e pautado pelas estruturas de poder e desigualdades de gênero. A pesquisa identifica também uma profícua interação das crianças com os espaços dos banheiros, num movimento intenso de construção coletiva de estratégias para burlar e subverter a lógica binária e dicotômica de gênero segundo a qual esses espaços estão estruturados.

Palavras-chave


Espaço; Relações de gênero; Banheiros; Educação infantil

Texto completo:

PDF/A

Referências


AMBROGI, Ingrid Hotte. Reflexões sobre os usos do espaço como garantia para a criação de meninos e meninas pequenas. Pro-Posições, Campinas, v. 22, n. 2 (65), p. 63-73, maio/ago. 2011.

AUAD, Daniela. Relações de gênero nas práticas escolares e a construção de um projeto de co-educação. In: Reunião Anual da ANPEd, 27.,2004, Caxambu, Minas Gerais. Anais... Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2016.

BUFALO, Joseane Maria P. Creche: lugar de criança, lugar de infância: um estudo sobre as práticas educativas em um CEMEI de Campinas. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 1997.

CAVALEIRO, Maria Cristina. Feminilidades homossexuais no ambiente escolar: ocultamentos e discriminações vividas por garotas. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

CORSARO, William. Sociologia da Infância. Porto Alegre: Editora Artmed, 2011.

CRUZ, Elizabete Franco. Banheiros, travestis, relações de gênero e diferenças no cotidiano da escola. Revista Psicologia Política, São Paulo: Grupo de Estudos e Pesquisa em Psicologia Política, Políticas Públicas e Multiculturalismo da Universidade de São Paulo, vol.11, n. 21, p. 73-90, 2011.

DELGADO, Ana Cristina Coll; MÜLLER, Fernanda. Sociologia da infância: pesquisa com crianças. Educação & Sociedade, Campinas, São Paulo: Centro de Estudos Educação & Sociedade, v. 26, n. 91, p. 351-360, mai./ago. 2005.

DUQUE, Tiago. "André, faz xixi de pé senão você vira mulher": diversidade sexual e formação de professores. In: Congresso Internacional sobre a diversidade sexual e de gênero da ABEH 6, Universidade Federal da Bahia, Anais......, Bahia, 2012.

ESCOLANO, Augustín. Arquitetura como programa. Espaço-escola e currículo. In: VIÑAO FRAGO, Antonio e ESCOLANO, Agustín. Currículo, espaço e subjetividade: a arquitetura como programa. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

FARIA, Ana Lúcia Goulart. O espaço físico como um dos elementos fundamentais para uma pedagogia da Educação Infantil. In: FARIA, Ana Lúcia Goulart e PALHARES, M. (Org.). Educação Infantil pós LDB. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2007. p. 67-97.

FARIA, Ana Lúcia Goulart; FINCO, Daniela (Orgs.). Sociologia da Infância no Brasil. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2011.

FARIA, Nalu; NOBRE, Mirian. O que é ser mulher? O que é ser homem?In: Subsídio para uma discussão das relações de gênero: gênero e desigualdade. Caderno Sempre viva, São Paulo: 1997, p.25 – 27. FERREIRA, Manuela. A gente gosta é de brincar com os outros meninos! Relações sociais entre crianças num jardim de infância. Porto: Edições Afrontamento, 2004.

FINCO, Daniela. Faca sem ponta, galinha sem pé, homem com homem mulher com mulher: relações de gênero na brincadeira de meninos e meninas na pré-escola. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

________. Educação Infantil, espaços de confronto e convívio com as diferenças: análise das interações entre professoras e meninas e meninos que transgridem as fronteiras do gênero. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

________; GOBBI, Marcia; FARIA, Ana Lúcia Goulart de. Creche e feminismo: desafios atuais para uma educação descolonizadora. Campinas, SP: Edições Leitura Crítica; Associação de Leitura do Brasil – ALB; São Paulo: Fundação Carlos Chagas - FCC, 2015.

GOBBI, Maria Aparecida. Lápis vermelho é de mulherzinha: relações de gênero, desenho infantil e educação infantil. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1997.

GONTIJO, Isabela Barros Rabelo; EUFRASIO; Karen Nacostielle; OLIVEIRA, Manoel N. A. Usos sociais do espaço físico escolar. In: Congresso de Educação do Sudoeste Goiano, 24, Anais.... 2008.

LIMA, Mayumi Watanabe. de Souza. A criança e a percepção do espaço. Cadernos de pesquisa, Fundação Carlos Chagas, São Paulo, n.31, 1979, p.73-80.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-Posições, v. 19, n. 2 (56) - maio/ago. 2008.

MARTINS, José de Souza. O massacre dos inocentes: a criança sem infância no Brasil. São Paulo: Editora Hucitec, 1989.

MEYER, Dagmar Estermann. Gênero e educação: teoria e política. In: LOURO, Guacira Lopes; FELIPE, Jane; GOELLNER, Silvana Vilodre (Orgs.). Corpo, gênero e sexualidade um debate contemporâneo na educação. 9 ed. São Paulo: Editora Vozes, 2013. pp 11-29.

NICHOLSON, Linda. “Interpretando o gênero”. Revista Estudos Feministas, v. 8, n. 2, p. 9-41, 2000.

PAZ, Claudia Denis Alves da. Gênero no trabalho pedagógico da Educação Infantil. Dissertação (Mestrado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade de Brasília, Distrito Federal, 2008.

PRADO, Patrícia Dias. Contrariando a idade: condição infantil e relações etárias entre crianças pequenas da Educação Infantil. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Estadual de Campinas, São Paulo, 2006.

PRECIADO, Beatriz. Sujeira e Gênero: Mijar/Cagar, Masculino/Feminino. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2013.

RAFFESTIN, Claude. Por uma Geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

SAYÃO, Deborah Thomé. Relações de gênero e trabalho docente na Educação Infantil: Um estudo de professores em creche. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, Rio Grande do Sul: Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, vol. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995.

SORRE, Max. Nossos clássicos. GEOgraphia, Niterói, v. 10, n. 5, p.135-136, out. 2003.

SILVA, Tássio José da. Organização e utilização dos espaços físicos na Educação Infantil: um estudo sob a ótica do gênero. Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de São Paulo – Guarulhos, 2015.

STACCIOLI, Gianfranco. Diário do acolhimento na escola da infância. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2013.

TEIXEIRA, Adla B. Martins; RAPOSO, Ana Elvira S. Silva. Banheiros escolares: promotores de diferenças de gênero. In: Reunião Anual da Anped, 30. Caxambu, Minas Gerais, 2007. Anais..... Disponível em: . Acesso em: 8 jun. 2015.

VIANNA, Claudia; UNBEHAUM, Sandra. Gênero e políticas públicas de educação: impasses e desafios para a legislação educacional brasileira. In: SILVEIRA, M. L.; GODINHO, T. (Orgs.). Educar para a igualdade: Gênero e educação escolar. São Paulo: Coordenadoria Especial da Mulher, Secretaria Municipal de Educação, 2004. pp 19-48. VIÑAO FRAGO, Antonio e ESCOLANO, Augustín. Currículo, espaço e subjetividade. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

WENETZ, Ileana. Gênero e sexualidade nas brincadeiras do recreio. Dissertação (Mestrado em Ciência do Movimento Humano) - Programa de Pós-Graduação em Ciência do Movimento Humano. Escola de Educação Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

ZARANKIN, A. Paredes que domesticam: arqueologia da arquitetura escolas capitalistas: o caso de Buenos Aires. São Paulo: FAPESP, 2002.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2018v20n37p125

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.