“O Jefferson falou que o meu cabelo é feio, é ruim”: cabelo crespo e empoderamento de meninas negras na creche

Rosa Silvia Lopes Chaves, Waldete Tristão de Oliveira

Resumo


Discutimos neste artigo a questão do empoderamento das identidades infantis negras a partir da desconstrução dos estereótipos de beleza, considerando o cabelo crespo, a pele negra e as culturas infantis, no contexto de uma creche da Rede Municipal de São Paulo. A pesquisa evidencia como o toque e as formas de cuidar, pentear, enfeitar o cabelo retratam fortes mensagens para as meninas negras nas relações que elas estabelecem com as professoras e com outras crianças, para a construção positiva de suas identidades. Utilizamos como referência a Sociologia da Infância para investigar o ponto de vista das crianças, compreendendo-as como atores sociais portadoras de história e produtoras de cultura. As relações étnico-raciais e de gênero também se configuram como categorias de análise dos dados coletados. Os resultados indicam a relevância de investigações que abordem os diferentes aspectos das complexas e intrincadas relações entre gênero, raça e infâncias no cotidiano das creches.


Palavras-chave


Creche; Relações étnico-raciais; Relações de gênero; Cabelo crespo

Texto completo:

PDF/a

Referências


ABRAMOWICZ, Anete; OLIVEIRA, Fabiana de. As relações étnico-raciais e a sociologia da infância no Brasil: alguns aportes. In: BENTO, Maria Aparecida Silva (Org.). Educação Infantil, igualdade racial e diversidade: aspectos políticos, jurídicos e conceituais. São Paulo: CEERT, 2011.

ARIÈS, P. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1981.

BENTO, Maria Aparecida Silva. Branqueamento e branquitude no Brasil. In: CARONE, Iray; BENTO, Maria Aparecida Silva (Orgs.). Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2002, p.5-58.

BRAGA, Aline de Oliveira. “Solta o cabelo”: etnografia sobre o cabelo crespo como marcador de identidade étnico-racial entre crianças negras da educação infantil. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação – UERJ, 2016.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. In: Cadernos Pagu, v.26, p.329-376, 2006.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP 3/2004. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Brasília, 2004.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. In: ASHOKA EMPREENDEDORES SOCIAIS; TAKANO CIDADANIA (Orgs.). Racismos contemporâneos. Rio de Janeiro: Takano, 2003.

CERISARA, Ana Beatriz. Em busca do ponto de vista das crianças nas pesquisas educacionais: primeiras aproximações. In: SARMENTO, M.J.; CERISARA, A.B. (Orgs.). Crianças e miúdos: perspectivas sociopedagógicas da infância e educação. Porto: ASA Editores S.A., 2004.

CHAVES, Rosa Silvia Lopes. (In)visibilidade dos cabelos crespos: construção das identidades de meninas negras na creche. Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos). Florianópolis, 2017. ISSN 2179-510X. Disponível em: http://www.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1499502535_ARQUIVO_TextoCompletoFGRosaChaves2017a.pdf. Acesso em ago./2017.

CONNELL, Robert W.; MESSERSCHMIDT, James W.. Masculinidade hegemônica: repensando o conceito. Estudos feministas, v.21, n.1, p.241-282, mai. 2013. Florianópolis. ISSN 1806-9584. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2013000100014/24650. Acesso em set./2017.

CORSARO, William A. Sociologia da infância. 2 ed.. Porto Alegre: Artmed, 2011.

______. Reprodução interpretativa e cultura de pares. In: MULLER, F.; CARVALHO, A.M.A (Orgs.). Teoria e prática na pesquisa com crianças: diálogos com William Corsaro. São Paulo: Cortez, 2009.

______. Entrada no campo, aceitação, e natureza da participação nos estudos etnográficos com crianças pequenas. In: Educação e Sociedade. Sociologia da infância: pesquisas com crianças. Revista de ciência da educação. Campinas. v.26, n.91, mai./ago. 2005.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. In: Estudos feministas. v.10, n.01, Florianopólis, UFSC, 2002.

DELGADO, Ana Cristina Coll; MULLER, Fernanda. Sociologia da infância: pesquisa com crianças. Educação e sociedade. Campinas, vol.26, n.91, p.351-360. 2005a.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Trad. Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

FARIA, Ana Lúcia Goulart de; FINCO, Daniela. Sociologia da infância no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2011.

FARIA, Ana Lúcia Goulart de; DEMARTINI, Zeila de B.F.; PRADO, Patrícia Dias. Por uma cultura da infância: metodologias de pesquisa com crianças. Campinas: Autores Associados, 2002.

FARIA, Ana Lúcia Goulart de. Pequena infância, educação e gênero: subsídios para um estado da arte. Cadernos Pagu. Campinas, n.26, jan./jun. 2006.

FARIA, Ana Lúcia Goulart de; BARREIRO, Alex; MACEDO, Eliana Elias de; SANTIAGO, Flávio; SANTOS, Solange Estanislau dos (Orgs.). Infâncias e pós-colonialismo: pesquisas em busca de pedagogias descolonizadoras. Campinas: Leitura Crítica / Associação de Leitura do Brasil, 2015.

FARIAS, Ana Carolina Batista de Almeida. “Loira você fica muito mais bonita”: relações entre crianças de uma EMEI da cidade de São Paulo e as representações étnico-raciais. Dissertação (Mestrado em Educação), Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes: “O legado da raça branca”.Vol.1. São Paulo: Dominus, 1965.

FINCO, Daniela. Educação infantil, espaço de confronto e convívio com as diferenças: análise das interações entre professoras e meninos e meninas que transgridem as fronteiras de gênero. 216 folhas. Tese (Doutorado em Sociologia da Educação). Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

______. Encontro com as diferenças na Educação Infantil: meninos e meninas nas fronteiras de gênero. Leitura: Teoria & Prática, Campinas, v.31, n.61, p.169-184, nov. 2013. Disponível em: https://ltp.emnuvens.com.br/ltp/article/view/182. Acesso em 15/05/2016.

______. Gênero, corpo, infância: desafios para educação descolonizadora de meninos e meninas. In: FARIA, Ana Lúcia Goulart de; BARREIRO, Alex; MACEDO, Eliana Elias de; SANTIAGO, Flávio; SANTOS, Solange Estanislau dos (Orgs.). Infâncias e pós-colonialismo: pesquisas em busca de pedagogias descolonizadoras. Campinas: Leitura Crítica / Associação de Leitura do Brasil, 2015.

FINCO, Daniela; OLIVEIRA, Fabiana. A sociologia da pequena infância e a diversidade de gênero e de raça nas instituições de educação infantil. In: FARIA, Ana Lúcia Goulart de; FINCO, Daniela. (Orgs.). Sociologia da Infância no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2011. p.60-80.

GOBBI, Márcia. Desenho infantil e oralidade: instrumentos para pesquisas com crianças. In: FARIA, A.L.G. de; DEMARTINI, Z.B.F.; PRADO, P. (Orgs.). Por uma cultura da infância: metodologias de pesquisa com crianças. Campinas: Autores Associados. 2002. p.69-92.

GOMES, Nilma Lino. Corpo e cabelo como ícones de construção da beleza e da identidade negra nos salões étnicos de Belo Horizonte. Tese (Doutorado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2002(a).

GOMES, Nilma Lino. Trajetórias escolares, corpo negro e cabelo crespo: reprodução de estereótipos ou ressignificação cultural? Revista brasileira de educação, n.21, p.40-51, set./out./nov. 2002(b). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n21/n21a03. Acesso em 05/12/2016.

______. Relações étnico-raciais, educação e descolonização dos currículos. Currículo sem fronteiras, v.12, n.1, p.98-109, jan./abr. 2012. Disponível em: www.curriculosemfronteiras.org. Acesso em 02/06/2017.

______. Educação, identidade negra e formação de professores/as: um olhar sobre o corpo negro e o cabelo crespo. Educação e pesquisa, São Paulo, v.29, n.1, p.167-182, jan./jun. 2003.

______. Corpo e cabelo como símbolos da identidade negra. Ação Educativa, 2006. Disponível em: www.acaoeducativa.org.br/.../Corpo-e-cabelo-como-símbolos-da-identidade-negra.pdf. Acesso em 23/11/2016.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Racismo e antirracismo no Brasil. São Paulo: Editora 34, 1999.

______. Preconceito de cor e racismo no Brasil. Rev. Antropol. [online]. 2004, vol.47, n.1, p.9-43. ISSN 0034-7701. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-77012004000100001.

______. Como trabalhar com “raça” em sociologia. Educ. Pesqui. [online]. 2003, vol.29, n.1, p.93-107. ISSN 1517-9702. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1517-97022003000100008.

JENKS, Chris. Investigação Zeitgeist na infância. In: CHRISTENSEN, Pia; ALLISON, James (Orgs.). Investigação com crianças: perspectivas e práticas. Porto, 2005.

MALACHIAS, Rosângela. Cabelo bom. Cabelo ruim. Col. “Percepções da diferença: negros e brancos na escola”. Ministério da Educação, 2005.

MARTINS FILHO, A.J.; PRADO, P. (Orgs.). Das pesquisas com crianças à complexidade da infância. São Paulo: Autores Associados, 2011.

MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

OLIVEIRA, F. de; ABRAMOWICZ, A. Infância, raça e “paparicação”. Educação em revista. Belo Horizonte, v.26, n.2, p.209-226, ago. 2010.

OLIVEIRA, Waldete Tristão Farias. Diversidade étnico-racial no currículo da Educação Infantil: o estudo das práticas educativas de uma EMEI da cidade de São Paulo. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2017.

______. Trajetórias de mulheres negras na educação de crianças pequenas no distrito do Jaraguá, em São Paulo: processos diferenciados de formação e de introdução no mercado de trabalho. Dissertação (Mestrado). PUC-SP, 2006.

OSTETTO, Luciana. Encontros e encantamentos na Educação Infantil: partilhando experiências de estágio. Campinas: Papirus, 2000.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala. Belo Horizonte: Letramento / Justificando, 2017.

ROSEMBERG, Fúlvia. Educação para quem?. Ciência e cultura. São Paulo, SBPC, v.12, n.28, p.1466-1471, dez. 1976.

______. A criança pequena e o direito à creche no contexto dos debates sobre infância e relações raciais. In: BENTO, Maria Aparecida Silva (Org.). Educação Infantil, igualdade racial e diversidade: aspectos políticos, jurídicos e conceituais. São Paulo: CEERT, 2011. p.10-46.

SARMENTO, Manuel Jacinto. As culturas da infância nas encruzilhadas da segunda modernidade. In: SARMENTO, Manuel Jacinto; CELISARA, Ana Beatriz (Orgs.). Crianças e miúdos: perspectivas sociopedagógicas da infância e educação. Lisboa: ASA Editores, 2004.

______. Sociologia da infância: correntes e confluências. In: SARMENTO, M. J.; GOUVEA, M. C. S. (OrgS.). Estudos da infância: educação e práticas sociais. Petrópolis: Vozes, 2008. p.17-39.

______. Estudos da infância e sociedade contemporânea: desafios conceptuais. O social em questão. Rio de Janeiro, PUC-RJ, v.XX, n.21, 2009.

______. Visibilidade social e estudo da infância. In: VASCONCELLOS, Vera Maria Ramos; SARMENTO, Manuel Jacinto (Orgs). Infância (in)visível. Araraquara / São Paulo: Junqueira & Marin, 2007. p.25-49.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Educação & realidade. Porto Alegre, v.20, n.2, p.71-99, jul./dez. 1995.

SOARES, Natália Fernandes. A investigação participativa no grupo social da infância. In: Currículo sem fronteiras, v.6, n.1, jan./jun. 2006.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2018v20n37p170

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.