Vinte e cinco de novembro na creche: um projeto de sensibilização contra a violência de gênero física e simbólica contra as mulheres e as crianças

Elisabetta Martinelli, Maurizia Querciagrossa

Resumo


Por que falar sobre a violência de gênero em uma creche? Os pais e as mães de crianças que frequentam a creche são interlocutores importantes, com os quais confrontamos a temática da educação.O projeto destina-se a homens e mulheres que por  vários motivos frequentam a creche e busca sensibilizá-los para um fenômeno que não deve ser relegado ao silêncio. Temos de dar voz a quem não a tem e ajudá-lo/a a ver as possibilidades de mudança. É importante portanto, dar às famílias de crianças pequenas a oportunidades para refletir sobre estas questões. Por que é desde a primeira infância, que são transmitidos e estão enraizados estereótipos de gênero e é na creche e nas pré-escolas que precisa crescer uma cultura de valorização das diferenças. A partir destas convicções, nas creches  San Donato e a creche Viganò no município de Bolonha, por ocasião do 25 de Novembro, Dia Internacional Contra a Violência Contra as Mulheres, promovemos há anos eventos de sensibilização. Todo dia 25 de novembro as famílias são convidadas a passar o dia na creche junto com as crianças. Durante o acolhimento é distribuído material informativo da “Casa delle donne per non subire violenza” (Casa das Mulheres para não sofrerem violência) e é criado um espaço com poemas sobre o tema. Na parte da manhã, propomos uma performance artística, elaborada pelas professoras com uma oficina envolvendo as crianças, as mães e os pais. A performance, repleta de elementos simbólicos, proporciona alternativas relacionadas ao tema do dia, marcadas por uma forte partilha de pensamentos e emoções.

Palavras-chave


Feminismo; Contra violência; 25 de novembro; Creche

Texto completo:

PDF/A (Italiano)


DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2018v20n37p235

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.