A constituição das creches nas universidades públicas estaduais paulistas: as relações de gênero e os direitos da mulher e da criança pequena - a busca por novas práticas

Sueli Helena de Camargo Palmen, Vivian Colella Esteves

Resumo


Este artigo apresenta um recorte de pesquisas realizadas no contexto das creches universitárias, apresentando o histórico de implementação das creches no interior das universidades estaduais paulistas e o estudo realizado focando as relações de gênero dentro de uma dessas creches. Apresentaremos uma breve contextualização acerca da trajetória de constituição da creche e sua ligação com o trabalho extra-domiciliar feminino, destacando que as raízes da Educação Infantil se ligam a questões externas as necessidades e direitos das crianças. Entraremos no histórico de constituição das creches universitárias aqui em questão, apresentando os meandros de seu processo de implementação destacando as questões legais que institucionalizaram as creches nas universidades públicas estaduais do Estado de São Paulo. Posteriormente, falaremos sobre as Pedagogias das Infâncias vivenciadas numa dessas creches universitárias focalizando o processo de construção dos estereótipos do feminino e masculino nas pedagogias desenvolvidas em seu interior.

Palavras-chave


Educação infantil; Creche universitária; Feminismo; Relações de gênero

Texto completo:

PDF/A

Referências


BONDIOLI, Anna. Introdução - As funções sociais da creche: um serviço para quem? In: BONDIOLI, Anna; MANTOVANI, Susanna (org.). Manual de educação Infantil: de 0-3 anos – uma abordagem reflexiva. Porto Alegre: Artmed, 1998. p. 13-37.

BUTLER, Judith. Capítulo 1: Sujeitos do sexo/gênero/desejo. In: Problemas de gênero. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. p 17 – 37.

CAMPOS, Maria M. A mulher, a criança e seus direitos. Cadernos de Pesquisa, FCC, São Paulo, nº 106, p.117-127, março 1999.

CAMPOS, Maria M.; ROSEMBERG, Fúlvia; FERREIRA, Isabel M. Creches e Pré-escolas no Brasil. São Paulo: Cortez; Fundação Carlos Chagas, 1993.

CRAIDY, Carmem M. A política de educação infantil no contexto da política da infância no Brasil. Anais I Simpósio de Educação Infantil. Brasília, MEC, 1994. p.18-21.

ESTEVES, Vivian Colella. Entre princesas e piratas: um estudo das relações de gênero na creche da Unicamp. Campinas, S.P, 2016. Trabalho de Conclusão de Curso de Pedagogia. Faculdade de Educação, UNICAMP.

FAGUNDES, Magali R. A creche no trabalho..., ... o trabalho na creche: um estudo sobre o Centro de Convivência Infantil da UNICAMP: trajetória e perspectivas. Campinas, SP, 1997. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Educação, UNICAMP.

FARIA, Ana Lúcia G. As Políticas de regulação, pesquisa e pedagogia na educação infantil, primeira etapa da educação básica. Educação e Sociedade, n. 92, p.1013 - 1038, Edição Especial, 2005.

FINCO, Daniela. Relações de gênero nas brincadeiras de meninos e meninas na educação infantil. Pro-Posições. v.14, n.3 (42) – set./dez. 2003.

FINCO, D. & FARIA, A. L. G. (Orgs.). Sociologia da infância no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2011. Coleção polêmicas do nosso tempo.

FERNANDES, Florestan. As “Trocinhas do Bom Retiro: contribuições ao estudo folclórico e sociológico da cultura e dos grupos infantis. Pro-Posições. v.15, n.1 (43) – jan,/abr. 2004.

HADDAD, Lenira. A creche em busca de identidade. São Paulo: Loyola, 1991.

KUHLMANN JR., Moysés. Infância e Educação Infantil - uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.

MERISSE, Antonio. As origens das instituições de atendimento à criança: o caso das creches. In: MERISSE, A. (et. al.) Lugares da infância: reflexões sobre a história da criança na fábrica, creche e orfanato. São Paulo: Arte & Ciência, 1997. p. 25-51.

NASCIMENTO, Maria Evelyna P. Do adulto em miniatura à criança como sujeito de direitos: a construção de políticas de educação para a criança de tenra idade na França. Campinas, SP, 2001. Tese (Doutorado). Faculdade de Educação, UNICAMP.

PALMEN, Sueli H. C. A implementação de creches nas universidades públicas estaduais paulistas: USP, UNICAMP, UNESP. Campinas, S.P, 2005. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Educação, UNICAMP.

PEDRO, Joana Maria. Traduzindo o debate: o uso da categoria gênero na pesquisa histórica. História, São Paulo, v.24, N.1, P.77-98, 2005.

PILOTTI, Francisco; RIZZINI, Irene (org.). A arte de governar crianças. A história das Políticas Sociais, da Legislação e da Assistência à infância no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Interamericano Del Niño, Universidade Santa Úrsula, 1995.

PRICOCO, Adalgisa. Nido aziendale e “venti di novità”. Bambini, Anno XXI, supplemento al n.2 (Dossier – L’esperienza CGM nei nidi aziendali), p. 30-38, febbraio 2004.

ROSEMBERG, Fúlvia. O movimento de mulheres e a abertura política no Brasil: o caso da creche. Cadernos de Pesquisa, (51), p. 90-103, 1984.

ROSEMBERG, Fúlvia (org.). Creche. São Paulo: Cortez, Fundação Carlos Chagas, 1989

_______, A criação dos filhos pequenos: tendências e ambigüidades contemporâneas. In: RIBEIRO & RIBEIRO. Família em processos contemporâneos: inovações culturais na sociedade brasileira. São Paulo: Loyola, 1995. p. 167-190.

SABBAG, Sandra Papesky. Creches - surgimento, evolução e perspectivas, Revista Presença Pedagógica, Belo Horizonte: MG, nº 14, mar/abr. 1997. Disponível em: Acesso em: 10 de abril de 2005.

SÃO PAULO. Governo do Estado. Fundo de Assistência Social do Palácio do Governo. Programa Centro de Convivência Infantil; Dossiê – 1847, FCC - Fundação Carlos Chagas.

SÃO PAULO. Governo do Estado. Fundo de Assistência Social do Palácio do Governo. Programa Centro de Convivência Infantil; Relatório/ Dossiê – 1848, FCC - Fundação Carlos Chagas.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. In: Acessado em: 10 de mar. 2014.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2018v20n37p58

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.