O que crianças pensam sobre família e relações de gênero?

Ana Paula Pereira Gomes Gibim, Fernanda Müller

Resumo


O artigo explora representações de crianças sobre família e relações de gênero. Trata-se de um novo tratamento de dados elaborados por Gibim (2017) com crianças usuárias de Educação Infantil. A partir de desenhos e narrativas de crianças, foi possível captar estereótipos de gênero oriundos de uma sociedade erguida em bases patriarcais, o que é refletido em práticas intrafamiliares que envolvem as crianças. Trata das transformações na unidade doméstica decorrentes, principalmente, da emergência de diferentes dinâmicas familiares e de um reposicionamento feminino decorrente do esgotamento do modelo tradicional conjugal. A Educação Infantil surge, neste contexto, no compartilhamento da educação e cuidado com as famílias, promovendo a redefinição dos papéis parentais na construção de contextos sociais livres de preconceitos.

Palavras-chave


Gênero; Famílias; Educação infantil

Texto completo:

PDF/A

Referências


ABRAMOWICZ, A.; MORUZZI, A. B. O plural da Infância: aportes da sociologia. 1a Ed. São Carlos: EDUFSCar, 2010.

ALANEN, L. Estudos feministas/Estudos da infância: paralelos, ligações e perspectivas. In.: RABELLO DE CASTRO, L. Crianças e jovens na construção da cultura. Rio de Janeiro: NAU Editora, 2001. p. 69-92.

BADINTER, E. O conflito: mulher e mãe. Rio de Janeiro: Record, 2011.

________. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BECK, D. Q; GUIZZO, B. S. Estudos culturais e estudos de gênero: proposições e entrelaces às pesquisas educacionais. Holos, v. 4, p. 172-182, set. 2013. Disponível em: https://doi.org/10.15628/holos.2013.1597 Acesso em: 06.11.2017.

BERQUÓ, E. Arranjos familiares no Brasil: Uma visão demográfica. In: SCHWARCS, L. M. (Org.). História da vida privada no Brasil: contrastes da intimidade contemporânea, vol. 4, São Paulo: Companhia das letras, 1998, p. 411-437.

CASTELLS, M. O fim do patriarcalismo: movimentos sociais, família e sexualidade na era da informação. In.: ________. A era da informação: economia, sociedade e cultura, vol.2 - O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 1999. p. 69-285..

CERISARA, A. B. Educadoras de Creche: Entre o Feminino e o Profissional. Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul, 1998, Florianópolis. CD Rom do Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul. Florianópolis, 1998.

COHN, C. Antropologia da criança. Rio de Janeiro: Ed. Jorge Zahar, 2ª Ed., 2005.

CORSARO, William A. Sociologia da infância. Porto Alegre: Artmed, 2011.

CRUZ, S. H. V. (Org.). A criança fala: a escuta da criança em pesquisas. São Paulo: Cortez, 2008.

DELGADO, A. C. C.; MÜLLER, F. Apresentação. Educação & Sociedade, Campinas, v. 26, n. 91, p. 351-360, ago. 2005. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302005000200002 Acesso em: 25.11.2017.

FARIA, A. L. G.; FINCO, D. (Orgs.). Sociologia da Infância no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2011.

FARIA, A. L. G.; DEMARTINI, Z. B. F.; PRADO, P. D. (Orgs.). Por uma cultura da infância: metodologias de pesquisa com crianças, Campinas: Autores Associados, 2009.

FELIPE, J; GUIZZO, B. S. Erotização dos corpos infantis na sociedade de consume. Pro-Posições, v. 14, n. 3 (42), p. 119-130, set./dez. 2003. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643865/11342 Acesso em: 14.11.2017.

FINCO, D. Gênero, infância e cidadania: desafios para a formação docente na Educação infantil. In: XII CONLAB - Congresso da Associação Internacional de Ciências Sociais e Humanas em Língua Portuguesa: Imaginar e Repensar o Social: Desafios às Ciências Sociais em Língua Portuguesa, 25 anos depois, 2015, Lisboa, v. 1. p. 1-9.

________. Educação Infantil, espaço de confrontos e convívio com as diferenças: análise das interações entre professoras e meninas e meninos que transgridem as fronteiras de gênero. 216f, 2010. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, programa de pós-graduação em Educação, 2010.

FONSECA, C. Olhares antropológicos sobre a família contemporânea. Participação na Mesa Redonda: O lugar da família na ciência contemporânea: desafios e tendências na pesquisa. Congresso Internacional Pesquisando a Família, Florianópolis 24-26 de abril, 2002.

________. Concepções de família e práticas de intervenção: uma contribuição antropológica. Saúde e Sociedade. v.14, n.2, p.50-59, maio-ago 2005. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902005000200006 Acesso em: 22.09.2017.

________. Da circulação de crianças à adoção internacional: questões de pertencimento e posse. Cadernos Pagu, v. 26, p.11-43, jan.-jun 2006. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-83332006000100002 Acesso em: 04.10.2017.

FORTUNATI, A. A educação infantil como projeto da comunidade: crianças, educadores e pais nos novos serviços para a infância e a família: A experiência em San Miniato. Porto Alegre: Artmed, 2006.

FREYRE, G. Casa grande e senzala. 51ª Ed. São Paulo: Global Editora, 2006.

GIBIM, A. P. P. G.; FINCO, D. Relações de gênero e processos de despatriarcalização das famílias sob a ótica das crianças. REVISTA NEP (Núcleo de Estudos Paranaenses), Curitiba, v.2, n.5, p. 115-131, dez. 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5380/nep.v2i5.49564 Acesso em: 18.09.2017.

GIBIM, A. P. P. G. Famílias, relações intergeracionais e de gênero: práticas compartilhadas no cuidado e educação na Educação Infantil. Dissertação (Mestrado em Educação). Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Paulo, Guarulhos, 2017.

GIBIM, A. P. P. G.; PIMENTA, D. D.; SILVA, T. J. Diferenças Culturais e a educação da pequena infância: descolonizando os olhares nas pesquisas com meninas e meninos. Anais do II Seminário infâncias e pós-colonialismo: pesquisas em busca de pedagogias descolonizadoras. Campinas, p. 233-248, 2015.

GOBBI, M. A. Lápis vermelho é de mulherzinha: desenho infantil, relações de gênero e educação infantil. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1997.

________. Lápis vermelho é de mulherzinha. Vinte aos depois... In: FINCO, D.; GOBBI, M. A.; FARIA, A. L. G. Creche e feminismo. Campinas: Edições Leituras Críticas, 2015. p. 137-161.

GOBBI, M. A.; Pinazza, M. A. (Orgs.). Infância e suas linguagens. 2ª Ed. São Paulo: Cortez Editora, 2017.

GOELLNER, S. V. A produção cultural do corpo. In: LOURO, G. L; FELIPE, J.; GOELNNER, S. V. (Orgs.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação, 9ª Ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2013. p. 30-42.

MAYALL, B. Relações geracionais na família. In: MÜLLER, F. (Org.). Infância em Perspectiva: políticas, pesquisas e instituições. São Paulo: Cortez, 2010, p. 165-186.

MEAD, M. Sexo e Temperamento. 2ª. ed. São Paulo: Perspectiva, 1979

MEYER, D. E. Gênero e educação: teoria e política. In: LOURO, G. L.; FELIPE, J.; GOELNNER, S. V. (Orgs.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação, 9ª Ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2013. p. 11-29.

MÜLLER, F.; CARVALHO, A. M. A. (Orgs.) . Teoria e prática na pesquisa com crianças: diálogos com William Corsaro. 1ª Ed. São Paulo: Editora Cortez, 2009.

MÜLLER, F. (Org.). Infância em perspectiva: políticas, pesquisas e instituições. 1ª. ed. São Paulo: Editora Cortez, 2010.

NASCIMENTO, M. L. et al (Orgs.). Infância e sociologia da infância: entre a invisibilidade e a voz: Relatório de pesquisa. 1ª Ed. São Paulo: FEUSP, 2013.

OLIVEIRA, P. S. Vidas Compartilhadas: cultura e co-educação de gerações na vida cotidiana. São Paulo: Hucitec: Fapesp, 1999.

OLIVEIRA, Z. L. C.; RIBEIRO, P. M.; LONGO, L. Uma exploração inicial das informações sobre família no Censo Demográfico 2010. In.: Anais do XVIII Encontro Nacional de Estudos Populacionais (ABEP), Águas de Lindóia, 19 a 23 de novembro de 2012.

PANIAGUA, G.; PALACIOS, J. Educação Infantil: resposta educativa à diversidade. Porto Alegre: Armed, 2007.

PARR, Todd. O livro da família. 1ª Ed. São Paulo: Panda Books, 2003.

PARR, Todd. O livro da mamãe. 1ª Ed. São Paulo: Panda Books, 2007.

PARR, Todd. O livro da vovó. 1ª Ed. São Paulo: Panda Books, 2010.

PIMENTA, D. D. O desenho de meninas e meninos na Educação Infantil: um estudo sobre as relações de gênero na infância. Dissertação (Mestrado em Educação) – Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Paulo, Guarulhos, 2016.

PIRES, F. Ser adulta e pesquisar crianças: explorando possibilidades metodológicas na pesquisa antropológica. Revista de Antropologia, v. 50, n. 1, p. 225-270, jan./jun. 2007. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-77012007000100006 Acesso em: 23.11.2017.

QVORTRUP, J. Nine theses about “childhood as a social phenomenon”. Eurosocial Report Childhood as a Social Phenomenon: Lessons from an International Project, n. 47, p. 11-18, 1993.

ROSEMBERG, F. A educação da criança pequena, a produção de conhecimento e a universidade. Cadernos ANPED, n. 1, p. 57-64, 1989. Disponível em: http://repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/10881/1/1987_art_fmbrosemberg.pdf Acesso em: 01.11.2017.

ROSEMBERG, Fúlvia. A cidadania dos bebês e os direitos de pais e mães trabalhadoras. In: FINCO, D.; GOBBI, M. A.; FARIA, A. L. G. (Orgs.). Creche e Feminismo: desafios atuais para uma educação descolonizadora. Campinas: Edições Leituras Críticas, 2015. p. 163-183.

SARTI, C. A. Família patriarcal entre os pobres urbanos?. Caderno de Pesquisa, São Paulo, n.82, p. 37-41, ago. 1992. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/981/991 Acesso em: 13.10.2017.

________. A família como ordem simbólica. Psicologia USP, São Paulo, v. 15, n. 3, p. 11-28., 2004. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/psicousp/article/view/42289/45962 Acesso em: 13.10.2017.

________. A família como espelho: um estudo sobre a moral dos pobres. São Paulo: Cortez, 2007.

SCOTT, J. W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez.1995. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71721/40667 Acesso em: 11.11.2017.

SILVA, A. A. ‘A fertilidade me sufoca’ Maternidade, feminismo e creche: algumas interlocuções. In: FINCO, D.; GOBBI, M. A.; FARIA, A. L. G. (Orgs.). Creche e Feminismo: desafios atuais para uma educação descolonizadora. Campinas: Edições Leituras Críticas, 2015. p. 35-56.

THERBORN, G. Sexo e Poder: a família no mundo 1900-2000. São Paulo: Contexto, 2006.

THORNE. B. Feminism and the Family: two decades of thought. In.: THORNE. B.; YALOM, M. Rethinking Family: some feminist questions. Boston: Northeastern University, 1992. p. 3-30.

VIANNA, C. RAMIRES, L. A eloquência do silêncio: gênero e diversidade sexual de família vinculados por livros didáticos. Psicologia Política. v. 8., n. 16, p. 345-362, jul/dez 2008. Disponível: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rpp/v8n16/v8n16a11.pdf Acesso em: 21.11.2017.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2018v20n37p76

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.