Docência na educação infantil: origens de uma constituição profissional feminina

Rosa Batista, Eloisa Candal Rocha

Resumo


O presente trabalho visa apresentar um conjunto de pesquisas cujo objetivo principal tem sido analisar a definição da docência na Educação Infantil e a própria construção conceitual acerca da especificidade das funções da educação da pequena infância. O estudo sobre as profissionais da Educação Infantil, suas funções, ação docente e relações entre diferentes profissionais na educação da criança foi inaugurado principalmente com Cerisara (1996) e Sayão (2005) que, em suas teses, trataram das contradições entre o feminino e o profissional, da identidade das professoras e professores e das dimensões de gênero envolvidas nestas funções e nas relações de trabalho junto às crianças pequenas. A preocupação em compreender as bases que constituem esta profissão, sua identidade e gênero, alia-se às preocupações com as origens históricas desta docência. Nesta direção, os estudos de Rocha (2012) e Batista (2013) ampliam o foco da pesquisa da profissionalização para a emergência da docência, produzindo novos questionamentos críticos e de investigações sobre o processo histórico que constitui a docência na Educação Infantil.


Palavras-chave


Educação infantil; Docência; Relações de gênero

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALBUQUERQUE, M. H. Formação docente para Educação Infantil no Brasil: configurações curriculares nos cursos de pedagogia. 2013. 193f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

BATISTA, R. A emergência da docência na Educação Infantil no estado de Santa Catarina: 1908 – 1949. 2013. 198f. Tese (Doutorado em Educação) Universidade Federal de Santa Catarina, 2013.

BLUMENAU EM CADERNOS. TOMO XI, III, n. 09/10, set/out, 2002.

BONETTI, Nilva. 2004. A especificidade da docência na educação infantil no âmbito de documentos oficiais após a LDB 9394/1996. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis/SC.

CERISARA, Ana Beatriz. A construção da identidade das professoras de Educação Infantil: entre o feminino e o profissional. 1996. 184 f. São Paulo, USP, Tese (Doutorado em Educação) Universidade de São Paulo, São Paulo, 1996.

__________ Professoras de educação infantil: entre o feminino e o profissional. São Paulo: Cortez, 2008.

COSTA, C. Sociedade Protetora das Crianças. A Mãi de família: jornal scientífico litterário ilustrado, Rio de março, a. 3, n. 5, p. 35, Julho 1881.

__________ Protecção as Crianças. A Mãi de família: jornal scientífico litterário ilustrado, Rio de Janeiro, a.10, n. 13, p. 99 -100, Julho 1888.

DUARTE, F. Professoras de bebês: as dimensões educativas que constituem a especificidade da ação docente.2011. 292f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

FARIA, Ana Lucia Goulart; PALHARES, Marina. Educação Infantil pós-LDB. São Paulo: Autores Associados, 1999.

FARIAS, M. N. de. Liga de Senhoras Luteranas do Brasil (LSLB): relações de gênero e poder no protestantismo brasileiro. 2016. 249f. Tese (Doutorado em História) - Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, 2016.

FERNANDES, T. M. Professora de Educação Infantil: dilemas da constituição de uma especificidade profissional. Um estudo sobre a produção científica brasileira (1996-2009). Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.

FERREIRA, M. M. Salvar Corpos, forjar a razão: contributo para uma análise crítica da criança e da infância como construção social em Portugal: 1880-1940. Porto-PT: Instituto de Inovação Nacional, 2000.

FIGUEIREDO, G. de. Como prospera o bebê. Rio de Janeiro: F. Briguiet & Cia. Editores, 1938.

FIGUEIREDO, Gastão de. Creche. 2ª. Edição. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Saúde/ Departamento Nacional da Criança - Imprensa Nacional, 1946. Coleção DNCr. no 95.

FORMOSINHO, Júlia Oliveira. O desenvolvimento profissional das educadoras de infância: entre os saberes e os afetos, entre sala e o mundo. In: MACHADO, Maria Lúcia de A. (org.) Encontros e desencontros em educação infantil. São Paulo: Editora Cortez, 2002.

HADDAD, Lenira; CORDEIRO, Maria Helena; MONACO, Gregóry Lo. As tarefas do professor de educação infantil em contextos de creche e pré-escola: buscando compreender tensões e oposições. Educação & Linguagem v.15 n. 25. 134-154. 2012.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Encontros e desencontros na formação profissional de educação infantil. In: MACHADO, Maria Lúcia de A. (org.) Encontros e desencontros em educação infantil. São Paulo: Editora Cortez, 2002.

KOLB, A. Histórico do Círculo Operário através da imprensa. Fatos e não palavras. Amparando os proletários catarinenses. Livros no 3 – [1941/42]

KUHLMANN JUNIOR, Moysés. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.

KRAMER, Sônia. Formação de profissionais da educação infantil: questões e tensões. In: MACHADO, Maria Lúcia de A. (org.) Encontros e desencontros em educação infantil. São Paulo: Editora Cortez, 2002.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: Uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1997.

MANTOVANI, Susanna; PERANI, Rita M. (1999). Uma profissão a ser inventada: o educador da primeira infância. Pro-posições, vol. 10, n. 1 [28]. Campinas: UNICAMP, p. 75-98.

MONCORVO FILHO, Carlos A. Algumas considerações sobre o problema da infância. Publicação do Departamento da Criança do Brasil no 79. Rio de Janeiro, 1930, p. 4.

OLIVEIRA, Zilma Moraes Ramos; SILVA, Ana Paula Soares da; CARDOSO, Fernanda Moreno. Construção da identidade docente: relatos de educadores de educação infantil. Cadernos de Pesquisa (Fundação Carlos Chagas), v. 36, p. 547-571, 2006.

PERROT, M. As mulheres, o poder a história. In: ______Os excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros. Tradução: Denise Bottmann. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988. p. 167-184.

RIVERO, Andréa Simões. 2001. Da educação Pré-Escolar à Educação Infantil: um estudo das concepções presentes na formação dos professores no curso de pedagogia. Dissertação (Mestrado). PPGE/UFSC.

ROCHA, E. A. C. A invenção da Professora de Educação Infantil. Relatório de pesquisa de estágio pós-doutoral. PPGE/PUC-RJ, 2012.

SACRISTÁN, J. G. O aluno como invenção. Porto Alegre: Artmed, 2005.

SAYÃO, D. T. Relações de gênero e trabalho docente na Educação Infantil: um estudo de professores em creche. 2005. 273 f. Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina: PPGE, Florianópolis, 2005.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 9a ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2008.

TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 4a ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2008.

SCHMITT, R. V. As relações sociais entre professoras, bebês e crianças pequenas: contornos da ação docente. Tese (Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

TRISTÃO, F. C. D. Ser professora de bebês: um estudo de caso de uma creche conveniada. 2004. 206f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.

WEBER, Max. A ética protestante e o “espírito” do capitalismo. São Paulo: Cia das Letras, 2004.

VINELLI, K. A CRECHE (Asylo para a primeira infância). A Mãi de família: jornal scientífico litterário ilustrado, Rio de Janeiro, janeiro, a. 1, n. 1, p. 3-4, 1979.

___________ A CRECHE (Asylo para a primeira infância). A Mãi de família: jornal scientífico litterário ilustrado, Rio de Janeiro, janeiro, a. 1, n. 2, p. 15-16, 1979.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2018v20n37p95

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.