“Bonjour, comment ça va?”: uma experiência docente com crianças imigrantes senegalesas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2021.e70986

Palavras-chave:

Migração, Infâncias, Relações étnico-raciais, Direitos Humanos, Docência

Resumo

Este texto apresenta reflexões acerca da produção de sentidos das experiências da migração contemporânea no contexto da educação. Trata-se de uma experiência docente e análise das interfaces das diferenças socioculturais e práticas educativas vivenciadas por crianças senegalesas junto às crianças brasileiras, no contexto dos anos iniciais da escola pública municipal da cidade de São Paulo – Brasil. Nesse quadro, a migração e as infâncias são potencializadores na discussão a respeito da educação das relações étnico-raciais e em direitos humanos, construídas no cotidiano das instituições educativas.

Biografia do Autor

Artur Oriel Pereira, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando em Ciências Humanas (FFLCH/USP). Mestre em Educação (FE/UNICAMP). Especialista em Sociopsicologia (FESPSP). Letrólogo. Pedagogo. Professor de Educação Infantil e Ensino Fundamental I, Secretaria Municipal da Educação, Prefeitura de São Paulo, SP, Brasil. Brasil.

Referências

ASANTE, Molefi Kete. The Afrocentric Idea. Philadelphia: Temple University Press, 1998.

BRANCO PEREIRA, Alexandre. Viajantes do tempo: imigrantes-refugiadas, saúde mental, cultura e racismo na cidade de São Paulo. 175 f. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Universidade Federal de São Carlos, campus São Carlos, São Carlos, 2019.

BRASIL. Casa Civil. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União: Brasília, DF, 16 jul. 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acesso em: 9 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Ensino Fundamental de Nove Anos. Orientações Gerais. Brasília, DF: MEC/SEB, 2004.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CEB n. 11/2010, de 7 de julho de 2010. Sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 anos. Brasília, DF: CNE/CEB, 2010.

BRASIL. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n° 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 12, p. 59, 13 jun. 2013.

CHARLON, Maria de Lourdes Patrini. Os cadernos de campo de Roger Bastide. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 53, p. 85-119, jul./dez. 2010. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/historia/article/viewFile/24118/16149. Acesso em: 24 maio 2020.

DANTAS, Sylvia. Saúde mental, interculturalidade e imigração. Dossiê Interculturalidades. Revista USP, São Paulo, n. 114, p. 55-70, julho/agosto/setembro 2017.

DEMARTINI, Zeila de Brito Fabri. Imigração e educação: discutindo algumas pistas de pesquisa. Pro-Posições. Campinas, SP, v. 15, n. 3, p. 215-228, 3 mar. 2016.

DOMINGUES, Petrônio. Movimento da negritude: uma breve reconstrução histórica. Mediações – Revista de Ciências Sociais, Londrina, v. 10, n.1, p. 25-40, jan.-jun. 2005.

GRINBERG, Léon; GRINBERG, Rebeca. Psychoanalytic Perspectives on Migration and Exile. New Haven, CT: Yale University Press, 1989.

GOMES, Nilma de Lino. Corpo e cabelo como ícones de construção da beleza e da identidade negra nos salões étnicos de Belo Horizonte. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Universidade de São Paulo, USP, 2002.

INFANTINO, Agnese; ZUCCOLI, Franca. Superando a distância entre o pensamento e a prática. Pátio Educação Infantil, Porto Alegre, n. 46, p. 44-48, jan. 2016.

INFANTINO, Agnese; ZUCCOLI, Franca. A arte como ferramenta de exploração e conhecimento. Revista Eventos Pedagógicos: Educação de 0 a 3 anos em espaços de vida coletiva, Mato Grosso, v. 6, n. 3 (16. ed.), edição especial temática, p. 75-94, ago./out. 2015.

LÚDKE, Menga. Professor, seu saber e sua pesquisa. Educação & Sociedade, Campinas, SP, ano XXII, n. 74, p. 77-96, abr. 2001.

MUNANGA, Kabengele; GOMES, Nilma Lino. O negro no Brasil de hoje. São Paulo: Global Editora, 2006.

NASCIMENTO, Milton do. Encontros e Despedidas. Rio de Janeiro: Encontro e Despedidas, 1985. Disponível em: https://www.letras.com.br/milton-nascimento/encontros-e-despedidas. Acesso em: 09 jan. 2020.

NIGRIS, Elisabetta. A “didática da maravilha”: um novo paradigma epistemológico. In: GOBBI, Márcia Aparecida; PINAZZA, Mônica Appezzato (Orgs.). Infâncias e suas linguagens. São Paulo: Cortez, 2014, p. 137-154.

NORÕES, Katia Cristina. De criança a estrangeira, de estrangeira a criança: mobilização social, agenda política e educação pública no município de São Paulo. 2018. 217 f. Tese (Doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP, 2018.

NUNES, Míghian Danae Ferreira. “Você veio olhar a gente ou escrever?”: usos do caderno de campo em pesquisa com crianças numa escola de Educação infantil. Zero-a-Seis, Florianópolis, v. 21, n. 40, p. 389-414, nov. 2019.

ORIEL PEREIRA, Artur; SANTIAGO, Flávio Santiago. Poéticas Feministas Afrocolombianas para Educação da Infância. Dossiê - Literatura Moderna e Contemporânea: Paisagens Culturais de Classe, Gênero, Etnia e Pós-Coloniais II. Humanidades & Inovação, Tocantins, v. 6, p. 145-153, 2019.

ORIEL PEREIRA, Artur; SANTIAGO, Flávio Santiago. Matizes e nuances que desenham o mundo: culturas infantis e as marcas das relações de gênero, raça e classe social. In: 56.º Congreso de Americanistas, 2018, Salamanca. Estudiossociales: 56.º Congreso Internacional de Americanistas / Manuel Alcántara, Mercedes García Montero y Francisco Sánchez López (Coord.). Salamanca: Ediciones Universidad de Salamanca, 2018. v. 12. p. 99-107.

ORIEL PEREIRA, Artur; SANTIAGO, Flavio; SOUZA, Ellen Gonzaga Lima. UBUNTU: Acolhimento ancestral e inquietações feministas negras à educação de bebês e crianças pequenas em creches e pré-escolas. Teias (Rio de Janeiro), v. 19, p. 314-329, 2018.

QUINTEIRO, Jucirema; CARVALHO, Diana Carvalho de. O Ensino Fundamental de Nove anos e o Direito à Infância na Escola não são sinônimos! Revista Pedagógica, Chapecó, v. 17, p. 119-135, 2016.

SAID, Edward. A questão da Palestina. Trad. Sonia Midori. São Paulo: Ed. Unesp, 2012.

SANTOS, Lucíola Licínio de Castro Paixão. Dilemas e perspectivas na relação entre ensino e pesquisa. In: ANDRE, Marli. O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores. Campinas – SP: Papirus, 2012.

SANTIAGO, Flávio; SILVA, Peterson Rigato da; SANTOS, Solange Estanislau dos; FARIA, Ana Lúcia Goulart de. Currículo e culturas infantis: inquietações à pedagogia da infância brasileira. In: PEREIRA, Reginaldo Santos, PIRES, Ennia Débora Passos Braga. (Orgs.). Infância, pesquisa e educação: olhares plurais. Curitiba: CRV, 2017, p. 53-70.

SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez, 2007.

SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO (SME/SP). Respeito na Escola. Orientações Gerais: educação em direitos humanos. Vlado Educação – Instituto Wladimir Herzog. 2. ed. São Paulo: Instituto Wladimir Herzog, 2016.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Trad. Sandra Regina Goulart de Almeida; Marcos Pereira Feitosa; André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

WINNICOTT, Donald Woods. O Brincar e a Realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

Downloads

Publicado

2021-03-12