Da comédia infantil: entrelaçando gêneros, classes, raças e infâncias estrangeiras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2021.e74160

Palavras-chave:

Infâncias, Migrações, Educação, Pedagogia Macunaímica

Resumo

O artigo apresenta uma reflexão crítica em torno da temática das migrações internacionais e as infâncias, entrelaçando problematizações com as dimensões de gêneros, relações de classes, construções de raças, em uma perspectiva interseccional das categorias, bem como dos desafios e possibilidades na multiplicidade de linguagens. Através de um caminho metodológico antropofágico, iniciamos com uma exposição de recorte literário e cinematográfico, passando por pesquisas acadêmicas na área da infância, em interlocução com as Ciências Sociais e as relações internacionais, destacando a crise estrutural do mundo capitalista, que aponta as perversidades sistêmicas que recaem em toda a sociedade e, em especial, nas infâncias migrantes. Neste percurso, instigadas pelos desafios da temática e comprometidas com todas as infâncias, visualizamos uma proposição política, pedagógica e poética de contribuição e responsabilização coletiva perante a comédia/tragédia infantil na contemporaneidade.

Biografia do Autor

Adriana Alves da Silva, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil

Doutora em Educação pela Faculdade de Educação da UNICAMP (2014), com estágio de doutorado sanduíche (PDSE/CAPES) na Itália (2012), junto à Università degli Studi Milano-Bicocca, em ambos estudos de pós graduação foi bolsista do CNPq. Realizou o mestrado em Multimeios (Depto de Cinema) pela Universidade Estadual de Campinas (2008) e é licenciada em Pedagogia (Faculdade de Educação) pela Universidade Estadual de Campinas (2002). Como trabalhos mais relevantes destaca: atuação docente no Ensino Superior público em cursos de Pedagogia, na Educação Infantil das redes municipais de Campinas e Florianópolis, como pesquisadora no PRONERA/Incra SP com Educação do Campo na interface entre a educação, direitos humanos, politicas públicas e os movimentos sociais do campo; com projetos de extensão universitária e formação para autogestão junto à ITCP (Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares) da UNICAMP. Atualmente (desde 2016) dedica-se à docência como Professora substituta na Faculdade de Educação/FAED da Universidade Estadual de Santa Catarina/UDESC atuando junto aos cursos de Pedagogia, Geografia e História; anteriormente (2013-2015) foi docente colaboradora no Centro de Ciências da Educação/CED da Universidade Federal de Santa Catarina/ UFSC na área de estágio nos anos iniciais do Ensino Fundamental; também atua na formação continuada da Educação Infantil das redes municipais de Florianópolis e São José. Tem experiências na área de educação e direitos humanos, com formação de professores/as, movimentos sociais e linguagens audiovisuais, atuando principalmente com os seguintes temas: educação infantil e anos iniciais - pedagogia da infância 0 a 10, direitos humanos, movimentos sociais e as politicas públicas, relações de gênero, étnico raciais, infâncias e diversidades.

Ana Lúcia Goulart de Faria, Universidade Estadual de Campinas - Unicamp

Desde 1984 é docente da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Coordena a linha culturas infantis do GEPEDISC - Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação e Diferenciação Sócio Cultural. Tem publicações, pesquisas e orientações de Graduação, Pós-Graduação e pós doc nas áreas de Pedagogia e Formação Docente, atuando quase exclusivamente na primeira etapa da educação básica, na Educação Infantil em creches e pré-escolas, na Pedagogia da infância, pequena infância e relações de gênero, pequena infância e classe social, pequena infância e relações étnico-raciais, parque infantil, crianças pequenas de 0 a 6 anos, Sociologia da infância, culturas infantis e formação para a especificidade da docência em creches e pré-escolas. Desde a finalização do pós-doc (bolsa PDE/CNPq) na Università degli Studi di Milano-Bicocca, em setembro de 2010, foi membro do Colegiado Docente de Doutorado da mesma até 2018. Foi do Conselho Municipal de Educação de Campinas de 2004-2006 e é atualmente membra do grupo gestor do Fórum Paulista de Educação Infantil -FPEI 2019-2021, e foi também na gestão anterior de 2016-2018. Atualmente aposentada, continua professora colaboradora plena da FE Unicamp orientando, publicando ,dando curso na pós graduação e desenvolvendo 3 projetos de pesquisa sempre na intersecção idade-relações de gênero-classe social-relações étnico-raciais no Brasil, na Itália (com a Università degli Studi Milano Bicocca) e na Suécia.

Referências

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Sueli Carneiro; Polén, 2019.

AMADO, Jorge. Capitães da Areia. São Paulo: José Olympio Editora, 1937.

ANCONA LOPES, Telê Porto. Macunaíma: a margem e o texto. São Paulo: Hucitec, Secretaria de Cultura, Esportes e Turismo, 1974.

ANDRADE, Mário. Macunaíma o Herói sem Nenhum Caráter. São Paulo: Livraria Martins Editora S. A, 1974.

ANDRADE, Oswald de. A utopia antropofágica. São Paulo: Globo. Secretaria de Estado da Cultura, 1990.

ARRUZA, Cinzia; BHATTACHARYA, Tithi; FRASER, Nancy. Feminismo para os 99%: um manifesto. São Paulo: Boitempo, 2019.

BRASIL. Lei nº 6.815, de 19 de agosto de 1980. Define a situação jurídica do estrangeiro no Brasil, cria o Conselho Nacional de Imigração.

BRASIL. Lei nº 13.445, de 24 de maio de 2017. Institui a Lei de Migração. Brasília, DF, maio 2017.

BUSATTO, Cleber César. De Projetos a Projéteis: a trajetória da violência contra os povos indígenas no Brasil. In: Conselho Indigenista Missionário – Cimi (relatório) Violência contra os povos indígenas no Brasil , 2015.

CONDE, Soraya Franzoni; ALCUBIERRE Karina Strohhaecker Lisa. Sentidos e percepções de crianças migrantes em Florianópolis. Revista Katálysis – Espaço temático: Fronteira, Migrações, Direitos Sociais e Serviço Social, Florianópolis, v. 21, n. 2, p. 358-368, maio/ago. 2018.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

DEMARTINI, Zeila B. Fabbri . Imigração e educação: discutindo algumas pistas de pesquisa. Pro-Posições. Campinas: v. 15, n. 3 (45) -. set./dez. p. 215-23, set./dez. 2004.

EVARISTO, Conceição. A noite não adormece nos olhos das mulheres. Cadernos Negros. Rio de Janeiro, v. 19, p. 26,Junho 2008.

FARIA, Ana Lúcia Goulart de . A contribuição dos parques infantis de Mário de Andrade para a construção de uma pedagogia da educação infantil. Educ. Soc. Campinas :v.20 n.69. p.60-91, Dez. 1999.

FEDERICI, Silvia. Na luta para mudar o mundo: Mulheres, Reprodução e Resistência na América Latina. Tradução de Luciana Benetti Marques Valio. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 28, n. 2, e70010, 2020.

FIGUEIREDO, Angela. Epistemologia insubmissa feminista negra decolonial. Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 12, n. 29, e0102, jan./abr. 2020.

FREITAS, Marcos Cezar de; SILVA, Ana Paula. Crianças bolivianas na educação infantil de São Paulo: adaptação, vulnerabilidades e tensões. Cadernos de Pesquisa SP: v.45 n.157 p.680-702 jul./set. 2015.

GRAJNER, Deborah E. Crianças Refugiadas: Um olhar para a Infância e seus Direitos. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2018.

hooks, bell. O feminismo é para todo mundo: politicas arrebatadoras. Rio de Janeiro: Editora Rosa dos Tempos, 2018.

hooks, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2017.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Cia das Letras, 2019.

LAERTE. Suriá a garota do circo! SP: Devir/Jacarandá,2000.

LORDE, Audre. A transformação do silêncio em linguagem e ação. In: Irmã Outsider. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

LOUREIRO, Isabel. Rosa Luxemburgo e a expansão do capitalismo: uma chave marxista para compreender a colonialidade? In: CAHEN, Michael; BRAGA, Ruy. (Orgs.) Para além do pós (-) colonial. São Paulo: Alameda, 2018. p. 77-91.

LUXEMBURGO, Rosa. A revolução russa. Petrópolis, RJ : Vozes, 1991.

MARX, Karl. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

MANKELL, Henning. A comédia infantil. São Paulo: Marco Zero, 1998.

MARTUSCELLI, Patrícia Nabuco. Crianças desacompanhadas na América Latina: reflexões iniciais sobre a situação na América Central. Revista Interdisciplinar de Direitos Humanos. Bauru, v. 5, n. 1, p. 77-96, jan./ jun., 2017.

MOTA, Marinete L. A criança na fronteira amazônica: o viver no fio da navalha e o imaginário da infância. Tese (Doutorado em Sociedade e Cultura na Amazônia) Universidade Federal da Amazônia, Manaus, 2016.

NORÕES, Katia Cristina. De criança a estrangeira, de estrangeira a criança: mobilização social, agenda política e educação pública no município de São Paulo. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2018.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS – ONU. Relatório anual da ACNUR. Tendências Globais (Global Trends, 2016).

PAVEZ-SOTO, Iskra. Los significados de “ser niña y niño migrante”: conceptualizaciones desde la infancia peruana en Chile. Polis, Revista Latinoamericana, Volumen 12, Nº 35, p. 183-210, 2013.

RIBEIRO, Julia D. Por um Pedaço de Terra ou de Paz - Crianças Refugiadas no Brasil, Trabalho de Conclusão de Curso. Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artes – Depto. de Jornalismo. PUC/SP, 2016.

ROSEMBERG, Fulvia. Estimativa de crianças e adolescentes em situações de rua na cidade de São Paulo. Cadernos Pesquisa, São Paulo, n. 91, p. 30-45, nov. 1994.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado e violência. São Paulo: Expressão Popular, Fundação Perseu Abramo, 2015.

SANTOS, Solange Estanislau; SANTIAGO, Flávio; BARREIRO, Alex; MACEDO, Elina Elias; FARIA, Ana Lúcia, Goulart de. (Orgs) Pedagogias descolonizadoras e infâncias: por uma educação emancipatória desde o nascimento. Maceió: EDUFAL; Imprensa Oficial Graciliano Ramos, 2018.

SEGATO, Rita L. Las nuevas formas de la guerra y el cuerpo de las mujeres. Revista Sociedade e Estado (Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília) Vol. 29 Número 2 , p. 341-371, Maio/Agosto 2014.

SILLER, Rosali Rauta. Infância, educação infantil, migrações. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2011.

SILVA, Adriana Alves; FARIA, Ana Lúcia Goulart de; FINCO, Daniela. Lute como uma menina! O verbo é lutar deste o nascimento na vida de meninas e mulheres. In: ALVARENGA, Marcia S.; TAVARES, Maria Tereza; MACHADO, Rita Fraga. (orgs.) Dossiê Rosa Luxemburgo, mulheres, liberdade e revolução. Revista Historiæ, Rio Grande, v. 10, n. 1, p.59-82, 2019.

SILVA, Adriana Alves. Niunamenos: feminismo, pedagogias e poéticas da resistência. In: FINCO, Daniela; SILVA, Adriana Alves; FARIA, Ana Lúcia de Goulart de. (orgs.) Dossiê Feminismo em estado de alerta na educação de crianças pequenas em creches e pré-escolas. Revista Zero-a-seis (UFSC), p. 221-234 jan-jul 2018.

SILVA, Adriana Alves. A fertilidade me sufoca: maternidade, feminismo e creche. In: FINCO, Daniela; GOBBI, Marcia Aparecida; FARIA, Ana Lúcia Goulart de (orgs.) Creche e Feminismo: desafios atuais para uma educação descolonizadora. Campinas, SP: Edições Leitura Crítica; Associação de Leitura do Brasil – ALB; São Paulo: Fundação Carlos Chagas,FCC, 2015 a, p. 35-55.

SILVA, Adriana Alves, FINCO, Daniela. Cinema, transgressão e gênero: as infâncias de Baktay e Wadjda. In: GIRARDELLO, Gilka Elvira Ponzi; ODININO, Juliane Di Paula Queiroz. (Orgs.) Dossiê Gênero, Mídia e Infância. Revista Perspectiva (UFSC), v. 33, p. 933-960, 2015.

SILVA, Adriana Alves, FINCO, Daniela. A Estética da Infância no cinema: poéticas e culturas infantis. Tese de Doutorado. Faculdade de Educação, Unicamp, Campinas, 2014.

SILVA, Sidney A. da. Amazônia na rota das migrações. O caso dos haitianos e os desafios às políticas públicas. Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, vol. 8, n. 2, jul.-dez., p. 138-153, 2015b.

SOUZA, Fabricio Torres. Teorias Históricas em Macunaíma. In: Especial: Macunaima. Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem Unicamp, s/d.

TELES, Maria Amélia A.; SANTIAGO, Flávio; FARIA, Ana Lúcia Goulart de (Orgs.) Por que a creche é uma luta das mulheres? Inquietações feministas já demonstram que as crianças pequenas são de responsabilidade de toda a sociedade! São Carlos: Pedro & João Editores, 2018. p. 250-277.

VELOSO, Caetano. Língua. Álbum Veloso, Gravadora Philips Brasil, 1984.

Filmografia

Assunto de família, Kore-Eda Hirokazu, Japão, 2018.

A vida em mim, Kristine Samuelson, John Haptas, Suécia, 2019.

Cafarnaum, Nadine Labaki, Líbano, 2019.

Capitães da Areia, Cecilia Amado, Brasil, 2011.

Comédia infantil, Solveig Nordlund, Moçambique, Portugal, Suécia, 1988.

Ilha das Flores, Jorge Furtado, Brasil, 1989.

Downloads

Publicado

2021-03-12