“Vai ser um professor?!”: estranhamentos perante a figura do professor do sexo masculino na Educação Infantil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2020v22n42p529

Palavras-chave:

Masculinidade, Gênero, Educação Infantil, Sexualidade

Resumo

A ideia de ter um professor homem realizando cuidados corporais de higiene nas crianças pequenas ainda hoje é motivo de grande estranhamento e preocupação na comunidade. Considerando isso, o presente estudo buscou analisar, na ótica de três professores do sexo masculino atuantes na Educação Infantil, as vivências e desafios referentes à profissão por eles escolhida. Através das análises e do suporte teórico que as nortearam, verificou-se que a presença do professor do sexo masculino no espaço escolar ainda gera certo estranhamento, insegurança e medo na comunidade. Por meio dos resultados revelados, o estudo poderá contribuir para que professores do sexo masculino, atuantes na Educação Infantil, tenham cada vez mais espaço de atuação no âmbito escolar, social, científico e acadêmico, superando o estranhamento que sua presença causa em toda a comunidade escolar, possibilitando, ainda, a desconstrução da docência na Educação Infantil como uma profissão feminina.

Biografia do Autor

Jéssica Daniele Fávaro

Cientista Social, Mestra em Educação Escolar pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), Araraquara, Brasil.

Célia Regina Rossi, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP)

Professora Doutora, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), Departamento de Educação – Psicologia, Rio Claro, Brasil.

Referências

ALENCAR, João Paulo Almeida de; FREIRE, Silvia Helena de Sá Leitão Morais. Narrativa auto biográfica de um professor homem na educação infantil: marcas de um estranhamento histórico. In: VI Encontro Norte e Nordeste de História da Educação (VI ENNHE), 2016, Natal. Anais..., 2016.

ALVES, Kallyne Kafuri; COCO, Valdete. Sentidos das famílias sobre o trabalho docente na educação infantil. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 34, e192608, 2018. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-46982018000100169&lng=en&nrm=iso. Acesso em 24 ago. 2020.

ALVES, Roberta Cristiane Pascarelli; VERÍSSIMO, Maria de La Ó Ramallo. Os educadores de creche e o conflito entre cuidar e educar. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 13-25, abr. 2007.

ARAÚJO, Janaína Rodrigues. Relações de Gênero na Educação Infantil: questionamentos acerca da reduzida presença de homens na docência. In: TEIXEIRA, Adla Betsaida M. e DUMONT, Adilson (Orgs.). Discutindo Relações de Gênero na Escola: Reflexões e propostas para a ação docente. Araraquara: Junqueira & Marin, 2009.

ARCE, Alessandra. Documentação oficial e o mito da educadora nata na educação infantil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 113, p. 167-184, jul. 2001.

BRASIL. INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sinopse Estatística da Educação Básica 2019. Brasília: Inep, 2020. Disponível em http://inep.gov.br/sinopses-estatisticas-da-educacao-basica. Acesso em 07 maio 2020.

CABRAL, Fernanda Araujo. Investigação do potencial de desenvolvimento do preconceito em crianças pequenas. 2016. Tese (Doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano) - Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

CHIES, Paula Viviane. Identidade de gênero e identidade profissional no campo de trabalho. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 18, n. 2, p. 507-528, ago. 2010. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2010000200013&lng=en&nrm=iso. Acesso em 10 ago. 2020.

DEMARTINI, Zeila de Brito Fabri; ANTUNES; Fátima Ferreira. Magistério primário: profissão feminina, carreira masculina. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 86, p. 5–14, ago. 1993. Disponível em http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/934. Acesso em 21 fev. 2017.

FÁVARO, Jéssica Daniele. Professores Homens: suas trajetórias na educação infantil. 2020. 137f. Dissertação (Mestrado em Educação Escolar) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Araraquara, SP. Disponível em http://hdl.handle.net/11449/192047. Acesso em 24 de ago. 2020.

FELIPE, Jane. Afinal, quem é mesmo pedófilo? Cadernos Pagu, Campinas, n. 26, p. 201-223, jun. 2006. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332006000100009&lng=en&nrm=iso. Acesso em 24 abr. 2019.

FIGUEIREDO, Fabiana; MICARELLO, Hilda Aparecida Linhares da Silva; BARBOSA, Silvia Neli. N. Autonomia de professores da educação infantil: “a coisa vira, e o professor se vira”. In: KRAMER, Sônia (Org.). Profissionais de Educação Infantil: gestão e formação. São Paulo: Ática, 2005.

FINCO, Daniela. Educação infantil, espaços de confronto e convívio com as diferenças: análise das interações entre professoras e meninas e meninos que transgridem as fronteiras de gênero. 2010. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

FREIRE, Paulo. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Olho d’Água, 1997.

FREITAS, Denize Terezinha Leal. A identidade docente em construção: algumas considerações a respeito da construção do ser docente de História. Aedos (Online), v. 4, p. 209-220, 2012. Disponível em https://seer.ufrgs.br/aedos/article/viewFile/31211/20865. Acesso em 10 ago. 2020.

GALVÃO, Afonso Celso Tanus; BRASIL, Ive. Desafios do ensino na Educação Infantil: perspectiva de professores. Arquivos Brasileiros de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 61, n. 1, p. 73-83, abr. 2009.

GONÇALVES, Carlos Luiz; PIMENTA, Selma Garrido. Revendo o ensino de 2º Grau: propondo a formação do professor. São Paulo: Cortez, 1990.

GONÇALVES, Josiane Peres; CAPRISTO, Zenaide Ribeiro Neto; FERREIRA, Verônica Caroline de Matos. Professores homens na educação infantil: aceitação e receio dos familiares que vivenciam essa experiência. Pesquisa em Foco, São Luís, v. 20, n.2, p. 136-154, 2015.

GONÇALVES, Josiane Peres; ANTUNES, Jéssica Barbosa. Memórias de professores homens que trabalhara como docentes de educação infantil e suas representações sociais. Interfaces da Educação, Paranaíba, v. 6, n. 16, p. 134-253, 2015.

HIRATA, Helena; KERGOAT, Danièle. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 132, p. 595-609, set./dez. 2007.

JAEGER, Angelita Alice; JACQUES, Karine. Masculinidades e docência na educação infantil. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 25, n. 2, p. 545-570, ago. 2017. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2017000200545&lng=en&nrm=iso. Acesso em 24 ago. 2020.

JENSEN, Jytte Jull. Homens em serviços de cuidado de crianças: um artigo para discussão. Revista Eletrônica Zero-a-Seis. Florianópolis, n. 10, jul/dez, 2004. Disponível em https://periodicos.ufsc.br/index.php/zeroseis/article/view/10047. Acesso em 24 ago. 2020.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, Sexualidade e Educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 6ª ed. Petrópolis: Vozes. 2003.

PADILHA, Maria Itayra Coelho de Souza; VAGHETTI, Helena Heidtmann; BRODERSEN, Gladys. Gênero e enfermagem: uma análise reflexiva. Revista de Enfermagem UERJ, Rio de Janeiro, vol. 14, n. 2, p. 292-300, abr./jun. 2006.

PARR, Todd. O livro da família. São Paulo: Panda, 2003.

PEREIRA, Paulo Fábio. Homens na enfermagem: atravessamentos de gênero na escolha, formação e exercício profissional. 2008. 104f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) - Escola de Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.

RAMOS, Joaquim. Um estudo sobre os professores homens da educação infantil e as relações de gênero na rede municipal de Belo Horizonte – M.G. 2011. 140f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

RODRIGUES, Silvia Adriana. Mudanças e persistências na formação para docência em creches e pré-escolas. Zero-a-Seis, Florianópolis, v. 19, n. 36, p. 328-348, dez. 2017. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/zeroseis/article/view/1980-4512.2017v19n36p328/35622. Acesso em 10 ago. 2020.

ROSEMBERG, Fúlvia. Expansão da educação infantil e processos de exclusão. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 107, p. 7-40, jul. 1999. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/cp/n107/n107a01.pdf. Acesso em 24 ago. 2020.

RUBIN, Gayle. O Tráfico de Mulheres: Notas Sobre a "Economia Política" dos Sexos. Tradução de Christine Rufino Dabat. Recife: SOS Corpo, 1993.

SÃO PAULO. Assembleia Legislativa. Projeto de Lei Complementar PLC 1174, de 2019. Confere a profissionais do sexo feminino exclusividade nos cuidados íntimos com crianças na Educação Infantil. Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/propositura/?id=1000292074. Acesso em 24 ago. 2020.

SAYÃO, Déborah Thomé. Não basta ser mulher... não basta gostar de crianças... “Cuidado/educação” como princípio indissociável na Educação Infantil. Educação, Santa Maria, v. 35, p. 69- 84, jan./abr. 2010. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/1604/899. Acesso em 14 ago. 2020.

SAYÃO, Déborah Thomé. Relações de gênero e trabalho docente na educação infantil: um estudo de professores em creche. 2005. 274f. Tese (Doutorado) - Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC.

SEFFNER, Fernando. Sigam-me os bons: apuros e aflições nos enfrentamentos ao regime da heteronormatividade no espaço escolar. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 39, p. 145-159, 2013. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ep/v39n1/v39n1a10.pdf. Acesso em 18 ago. 2020.

SILVA, Claudionor Renato da. Docência masculina da educação infantil: impressões de um iniciante. Gênero e raça em discussão. 1. ed. Jundiaí: Paco Editorial, 2014.

SILVA, Claudionor Renato Da. Vivencias iniciantes de um professor negro na educação infantil. Revista África e Africanidades, ano 4, n. 16 e 17, fev./mai. 2012. Disponível em http://www.africaeafricanidades.com.br/documentos/16-17_03.pdf. Acesso em 18 ago. 2020.

SILVA, Claudionor Renato da; VELOSO, Luana Alves Porto. Desafios do professor homem na educação infantil: um debate a partir do estágio em pedagogia. Itinerarius Reflectionis, v. 14, n. 1, p. 1-14, 10 mar. 2018. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/rir/article/view/51232/25290. Acesso em 24 ago. 2020.

SILVA, Peterson Rigato da. Não sou tio, nem pai, sou professor! A docência masculina na educação infantil. In: II Congreso de Estudios Poscoloniales y III Jornadas de Feminismo Poscolonial - "Genealogías críticas de la Colonialidad", 2014, Buenos Aires. Diálogos Sur-sur: pedagogías descolonizadoras. Buenos Aires: CLACSO, Programa Sur Global, IDAES/UNSAM, 2014. v. 1. Disponível em http://www.idaes.edu.ar/pdf_papeles/4-26%20Rigato.pdf. Acesso em 24 de ago. 2020.

VASCONCELOS, Francisco Ullissis Paixão e; POCAHY, Fernando Altair. “Não é a mamãe?”: a presença de homens educadores como elemento na problematização da agonística social da feminização da Educação Infantil. Textura, n. 28, mai./ago. 2013.

VIANNA, Cláudia Pereira. A feminização do magistério na educação básica e os desafios para a prática e a identidade coletiva docente. In: YANNOULAS, S. C. (Org.). Trabalhadoras: análise da feminização das profissões e ocupações. Brasília: Abaré, 2013. p. 159-180.

XAVIER, Antonio Jeferson Barreto. O gênero vai à roça: a presença de professores homens na educação do/no campo de um interior baiano. 2017. 205f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/170321. Acesso em 24 ago. 2020.

Downloads

Publicado

2020-11-05